Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

No ranking dos investimentos em abril, dólar lidera e bitcoin fica na lanterna; confira

Perpectiva de alta dos juros nos EUA afeta as aplicações de risco

Data de publicação:02/05/2022 às 00:30 -
Atualizado 6 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

No ranking mensal dos investimentos, o dólar ficou na liderança, com alta de 3,85%, e o bitcoin na lanterna com queda de 14,48%.

Em meio a um cenário de renovado pessimismo, a Bolsa de Valores de São Paulo não saiu bem na foto e encerrou abril com uma desvalorização de 10,10%. Foi a pior queda mensal desde março de 2020, quando a covid-19 chegou ao País.

ranking dos investimentos
Dólar liderou o ranking dos investimentos em abril - Foto: Envato

O baque da B3 interrompeu uma trajetória de quatro meses seguidos (iniciados em dezembro) de valorização consecutiva do Ibovespa. No ano, contudo, o resultado continua positivo, embora modesto, de 2,91%.

Confira na tabela quanto renderam as aplicações em abril, incluindo o dólar, com dados calculados pelo administrador de investimentos Fabio Colombo. Os dados sobre o bitcoin são do Investing.com.

InvestimentosVariação abrilVariação 2022
Dólar3,85%-11,34%
Ouro2,40%- 9,39%
IGP-M1,41% 6,98%
Títulos Indexados ao IPCAde 1,28% a 1,38% (*) 6,08%
Fundos Imobiliários1,19% 0,29%
IPCA0,94% (**) 4,17%
Fundos de Renda Fixade 0,76% a 0,86% (***) 3,43%
Fundos DIde 0,76% a 0,86% (***) 3,44%
CDBde 0,73% a 0,83% (***) 3,25%
Poupança0,56% (****) 2,23%
Euro- 1,00% -17,44%
Bolsa-10,10% 2,91%
Bitcoin-14,48% -18,53%
Fonte: Fabio Colombo

(*) Com IPCA projetado em 0,94%

(**) Estimativa

(***) Média de mercado

(****) Rendimento líquido

Inflação, juros e trajetória da Bolsa e dólar

O dólar, que vinha de seguidas baixas, reagiu em abril, com valorização de 3,85%. Alta que não foi suficiente para neutralizar a perda acumulada de 11,34% no ano.

A Bolsa de Valores atravessou um mês que teve como cenário a atuação combinada de fatores adversos, tanto locais, como internacionais. Especialistas apontam pelo menos três como principais.

A inflação em persistente alta fortalece a perspectiva de uma política monetária mais dura, com taxas de juros mais elevadas, que a prevista, sem que, por enquanto, a inflação dê sinais de trégua. Todos os últimos indicadores domésticos apontam que os preços permanecem em alta.

A elevação dos juros vem permitindo à renda fixa rendimentos mais encorpados, ainda que nem sempre suficientes para cobrir a inflação.

A aceleração inflacionária não é um fenômeno restrito à economia brasileira. É uma preocupação global e põe pressão sobre os bancos centrais para uma política de aperto monetário.

A continuidade da guerra na Ucrânia acirra a espiral de alta de preços, puxada principalmente pelas commodities.

Os efeitos da alta da commodities

O movimento de alta das commodities, que beneficiou companhias exportadoras de minério de ferro e petróleo no primeiro trimestre, como Vale e Petrobrás, não foi uniforme em abril.

Incertezas com a economia chinesa, às voltas com o fantasma da covid-19, impactaram companhias mineradoras e siderúrgicas.

Inflação em alta é um fenômeno que incomoda sobretudo os Estados Unidos e joga luz sobre um ajuste mais duro nos juros americanos - um tema que interessa aos mercados globais.

Jerome Powell, presidente do Fed (Federal Reserve, banco central americano) tem insistido cada vez mais agressivamente nessa direção.

O Fed define na reunião da próxima quarta-feira, 4 de maio, a nova alta dos juros. Em vez de uma elevação de 0,25, como se estimava anteriormente, analistas dão como favas contadas um ajuste de 0,50 ponto.

Uma perspectiva que deixa investidores e analistas em prontidão, pelo possível impacto sobre a maior economia do mundo e, por tabela, para a dos demais países.

Sem falar dos desdobramentos nos fluxos financeiros, à medida que juros mais altos tendem a atrair mais capitais aos EUA, com efeitos negativos sobre as bolsas de valores, principalmente.

A participação de capital estrangeiro na compra de ações, que vinha dando suporte à B3 até março, perdeu força em abril.

De compradores, os investidores passaram a vendedores, uma mudança que refletiria, segundo analistas, uma posição de maior aversão ao risco.

China e Fed

A volta do fantasma da covid-19 na China, seguida de adoção de políticas de bloqueio de isolamento de algumas cidades chinesas, retoma, para especialistas, as preocupações com os impactos da pandemia sobre a economia global.

E pode continuar impactando principalmente as ações de Vale, que tem na China o principal mercado para a venda de minério, além de outras siderúrgicas.

Ademais, para os analistas, a perspectiva para os mercados em maio continua dependendo dos fatores que deram o tom em abril: da evolução da covid-19 na China, dos desdobramentos da guerra na Europa, da resposta dos bancos centrais ao avanço da inflação.

O fator mais determinante, para especialistas, é a posição do Fed sobre os juros. Não apenas a decisão da próxima quarta-feira, 4, mas as indicações sobre os próximos passos da política monetária nos EUA.

Essa perspectiva de elevação dos juros americanos vem afetando também o comportamento do bitcoin que caiu quase US$ 9 mil no mês e atingiu a menor cotação do ano, em torno de US$ 37.900,00.

Leia mais

Fundos de ações campeões caem mais que Ibovespa em abril (maisretorno.com)
Fundo de criptoativos da Fox terá como foco segmento de NFTs (maisretorno.com)
Febraban critica aumento de imposto para compensar Refis do Simples (maisretorno.com)

Sobre o autor
Tom Morooka
Colaborador do Portal Mais Retorno.