Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Mercado ao vivo: Bolsa sobe com aprovação da PEC dos Precatórios no Senado; dólar cai

Investidores seguem na expectativa com a PEC dos Precatórios e variante Ômicron

Data de publicação:02/12/2021 às 10:46 -
Atualizado 7 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A Bolsa opera em alta superior a 2% com a aprovação da PEC dos Precatórios no Senado. Agora texto volta para a Câmara dos Deputados. A aprovação abre caminho para o governo do presidente da República, Jair Bolsonaro, implantar o programa Auxílio Brasil com um benefício de R$ 400 a partir de dezembro. Às 15h, o Índice Bovespa subia 3,28%, retomando o patamar dos 104 mil pontos (104.078). O dólar recuava 0,51%, cotado a R$ 5,64.

No dia de hoje, os investidores decidiram ignorar os dados fracos da economia traduzidos na queda de 0,1% do PIB no segundo trimestre, as incertezas em relação à nova variante, e se voltar para a reação das bolsas americanas, tudo com o objetivo de se antecipar a uma possível aprovação da PEC dos Precatórios no Senado. O posicionamento antes dos resultados turbinam os ganhos já que os papeis estarão sendo adquiridos por preços bem mais baixos. Por isso, a Bolsa se manteve em alta desde o início da manhã

Foto: B3/Divulgação
Sede da B3 em São Paulo - Foto: B3/Divulgação

Por isso, a Bolsa se manteve em alta desde o início da manhã e com a aprovação da PEC o Índice Bovespa chegou a subir quase 3,5%. Em seguida, voltou a cair sinalizando uma realização de lucros.

O avanço das ações dos bancos e das commodities - o índice financeiro da B3, IFNC, sobe 2,7%, assim como os papéis da Petrobras com valorização superior a 5%- ajudou a impulsionar a alta. Por serem as mais líquidas em pregão, essas ações costumam capitanear movimentos de altas ou baixas do mercado.

País em recessão técnica

Durante a manhã, dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontaram que a economia brasileira segue estagnada. Pelo segundo trimestre consecutivo, o Produto Interno Bruto (PIB) registrou queda – desta vez, de 0,1% - o que, segundo especialistas, coloca o País em recessão técnica.

Segundo os analistas do BTG Pactual, com o resultado, que praticamente aponta um cenário de atividade econômica definido para 2021, as atenções se voltam para o carrego que será deixado pelo PIB deste ano para o próximo. “Caso o PIB do quatro trimestre também venha negativo, somado à Selic atingindo 11,75% e o cenário político doméstico incerto, entendemos que o crescimento do próximo ano pode ser prejudicado”.

Questionada sobre a economia ter entrado em recessão técnica, a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, afirmou que considera que houve estabilidade no terceiro trimestre deste ano. "É uma variação muito pequena (-0,1%), o que, para nós, é estabilidade".

O PIB ainda está 3,4% abaixo do ponto mais alto da atividade econômica do País, alcançado no primeiro trimestre de 2014.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participa de dois eventos ao longo do dia, e o mercado segue na expectativa de que o dirigente da Pasta possa comentar esse cenário e dar novos indicativos para a política monetária do País.

Juros futuros

Os juros futuros curtos recuam ao redor de 10 pontos-base na manhã desta quinta-feira. Por volta das 13h, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 caía para 11,51%, de 11,75% na abertura. O DI para janeiro de 2025 recuava para 11,24%, de 11,46%, e o para janeiro de 2027 desacelerava para 11,22%, de 11,44%.

Sobe e desce da Bolsa

Nesta quinta-feira, o preço do barril do petróleo seguiu em queda boa parte do dia, mas acabaram mudando o sinal e operam no terreno positivo. A Opep começa hoje várias reuniões, que devem durar cerca de dois dias, para falar sobre o aumento da produção de petróleo, porém com expectativa de que o grupo terá que interromper esse movimento por conta da ameaça da nova variante Ômicron da covid-19.

Assim como a Petrobras, a PetroRio também sobe na Bolsa - alta de 2,31%, às 13h02. As gigantes siderúrgicas estão trafegando na mesma via. Às 12h51, a Vale, CSN, Usiminas e Gerdau subiam 0,98%, 4,59%, 3,35% e 4,62%, respectivamente.

Os bancos também vivem um dia positivo no pregão. No mesmo horário, o Itaú, Bradesco e Santander subiam 2,21%, 2,78% e 0,73%, respectivamente.

Após anunciar o pagamento de dividendos no valor de R$ 6 bilhões, as ações da Braskem chegaram a subir mais de 7% ao longo da manhã, mas acabou recuando e operava ainda no terreno positivo, com valorização de 2,31%, às 13h00.

As companhias elétricas também reportam fortes avanços no pregão desta quinta-feira, refletindo a decisão do governo de limitar a geração de energia por usinas termelétricas e a importação de energia a 15 mil megawatts médios ao longo de dezembro.

A medida está ligada ao início do período de chuvas, que deve trazer um pouco mais de volume aos reservatórios das hidrelétricas. O IEE, índice do setor elétrico da B3, acelerava 2,90%, às 13h05. Empresas como a Eletrobras, Taesa, CPFL, estão entre os destaques das altas mais acentuadas - 5,02%, 3,49% e 4,76%, nesta sequência, às 13h05.

Mercado internacional: empregos, Fed e Ômicron

No exterior, as bolsas americanas operam em alta, após trafegarem uma boa parte do dia em queda, com os investidores repercutindo os novos dados econômicos sobre o mercado de empregos e às voltas com a pergunta sobre o quanto a cepa Ômicron de fato pode representar uma ameaça à recuperação econômica do país. Às 13h29, os índices S&P 500, Dow Jones e Nasdaq 100 subiam 1,32%, 1,70% e 0,55%, respectivamente.

Durante a manhã, o Departamento do Trabalho americano divulgou que o volume de pedidos semanais de seguro-desemprego subiu 28 mil na semana passada, totalizando 222 mil solicitações. O resultado ficou abaixo da expectativa dos analistas, que previam uma soma total de 240 mil.

O total de pedidos da semana anterior foi revisado para baixo, de 199 mil a 194 mil. Já o número de pedidos continuados apresentou recuo 107 mil na semana encerrada em 20 de novembro, a 1,956 milhão. Este indicador é divulgado com uma semana de atraso.

Com a confirmação do primeiro caso da nova variante no país e a reiteração do presidente do Fed, Jerome Powell, de que as autoridades deveriam considerar uma redução mais rápida do estímulo monetário em meio à alta da inflação, os investidores vão se preparando para a continuidade da alta volatilidade ao longo de dezembro.

Esse quadro é estimulado pelo endurecimento das políticas do banco central americano para combater a inflação, quando a Ômicron ameaça impedir a recuperação da pandemia. No entanto, muitas perguntas sobre a nova cepa ainda permanecem sem resposta.

A economia dos EUA cresceu em um ritmo modesto até meados de novembro, enquanto os aumentos de preços foram generalizados em meio a interrupções na cadeia de suprimentos e escassez de mão de obra, disse o Fed no Livro Bege.

Em um cenário que começou com menor cautela e recuperação de grande parte dos ativos de risco, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reforçou que ainda é cedo para afirmar que a Ômicron é mais transmissível e se há perda de proteção das vacinas para a nova variante. Segundo a organização, 23 países já têm casos da nova cepa.

O conselheiro da Casa Branca para infectologia Anthony Fauci manteve a recomendação de uso de máscaras e, aos que chegam aos EUA de viagem internacional, quarentena e testes dentro de três dias.

Na Europa, os ânimos já não estão tão positivos quanto nos EUA.  O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) da zona do euro subiu 5,4% em outubro ante setembro, informou a Eurostat, agência oficial de estatísticas da União Europeia, nesta quinta-feira. O resultado representa uma forte aceleração em relação à alta de 2,8% no mês anterior e também ficou acima da previsão dos analistas, de 3,8%.

Já a taxa de desemprego na zona do euro diminuiu em outubro, à medida que a recuperação econômica continuava, apesar dos gargalos na cadeia de suprimentos e do aumento dos preços. A taxa de desemprego da região caiu de 7,4% para 7,3% em outubro, segundo dados da agência de estatísticas Eurostat. O número veio em linha com a previsão dos economistas do mercado.

Do outro lado do mundo, as bolsas da Ásia sem direção única nesta quinta-feira, refletindo o pregão negativo em Wall Street no dia anterior. / com Tom Morooka e Agência Estado

Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.