Mercado Financeiro

Mercado ao vivo: Bolsa sobe com aprovação da PEC dos Precatórios no Senado; dólar cai

Investidores seguem na expectativa com a PEC dos Precatórios e variante Ômicron

Data de publicação:02/12/2021 às 10:46 - Atualizado 2 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A Bolsa opera em alta superior a 2% com a aprovação da PEC dos Precatórios no Senado. Agora texto volta para a Câmara dos Deputados. A aprovação abre caminho para o governo do presidente da República, Jair Bolsonaro, implantar o programa Auxílio Brasil com um benefício de R$ 400 a partir de dezembro. Às 15h, o Índice Bovespa subia 3,28%, retomando o patamar dos 104 mil pontos (104.078). O dólar recuava 0,51%, cotado a R$ 5,64.

No dia de hoje, os investidores decidiram ignorar os dados fracos da economia traduzidos na queda de 0,1% do PIB no segundo trimestre, as incertezas em relação à nova variante, e se voltar para a reação das bolsas americanas, tudo com o objetivo de se antecipar a uma possível aprovação da PEC dos Precatórios no Senado. O posicionamento antes dos resultados turbinam os ganhos já que os papeis estarão sendo adquiridos por preços bem mais baixos. Por isso, a Bolsa se manteve em alta desde o início da manhã

Foto: B3/Divulgação
Sede da B3 em São Paulo - Foto: B3/Divulgação

Por isso, a Bolsa se manteve em alta desde o início da manhã e com a aprovação da PEC o Índice Bovespa chegou a subir quase 3,5%. Em seguida, voltou a cair sinalizando uma realização de lucros.

O avanço das ações dos bancos e das commodities - o índice financeiro da B3, IFNC, sobe 2,7%, assim como os papéis da Petrobras com valorização superior a 5%- ajudou a impulsionar a alta. Por serem as mais líquidas em pregão, essas ações costumam capitanear movimentos de altas ou baixas do mercado.

País em recessão técnica

Durante a manhã, dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontaram que a economia brasileira segue estagnada. Pelo segundo trimestre consecutivo, o Produto Interno Bruto (PIB) registrou queda – desta vez, de 0,1% - o que, segundo especialistas, coloca o País em recessão técnica.

Segundo os analistas do BTG Pactual, com o resultado, que praticamente aponta um cenário de atividade econômica definido para 2021, as atenções se voltam para o carrego que será deixado pelo PIB deste ano para o próximo. “Caso o PIB do quatro trimestre também venha negativo, somado à Selic atingindo 11,75% e o cenário político doméstico incerto, entendemos que o crescimento do próximo ano pode ser prejudicado”.

Questionada sobre a economia ter entrado em recessão técnica, a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, afirmou que considera que houve estabilidade no terceiro trimestre deste ano. "É uma variação muito pequena (-0,1%), o que, para nós, é estabilidade".

O PIB ainda está 3,4% abaixo do ponto mais alto da atividade econômica do País, alcançado no primeiro trimestre de 2014.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participa de dois eventos ao longo do dia, e o mercado segue na expectativa de que o dirigente da Pasta possa comentar esse cenário e dar novos indicativos para a política monetária do País.

Juros futuros

Os juros futuros curtos recuam ao redor de 10 pontos-base na manhã desta quinta-feira. Por volta das 13h, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 caía para 11,51%, de 11,75% na abertura. O DI para janeiro de 2025 recuava para 11,24%, de 11,46%, e o para janeiro de 2027 desacelerava para 11,22%, de 11,44%.

Sobe e desce da Bolsa

Nesta quinta-feira, o preço do barril do petróleo seguiu em queda boa parte do dia, mas acabaram mudando o sinal e operam no terreno positivo. A Opep começa hoje várias reuniões, que devem durar cerca de dois dias, para falar sobre o aumento da produção de petróleo, porém com expectativa de que o grupo terá que interromper esse movimento por conta da ameaça da nova variante Ômicron da covid-19.

Assim como a Petrobras, a PetroRio também sobe na Bolsa - alta de 2,31%, às 13h02. As gigantes siderúrgicas estão trafegando na mesma via. Às 12h51, a Vale, CSN, Usiminas e Gerdau subiam 0,98%, 4,59%, 3,35% e 4,62%, respectivamente.

Os bancos também vivem um dia positivo no pregão. No mesmo horário, o Itaú, Bradesco e Santander subiam 2,21%, 2,78% e 0,73%, respectivamente.

Após anunciar o pagamento de dividendos no valor de R$ 6 bilhões, as ações da Braskem chegaram a subir mais de 7% ao longo da manhã, mas acabou recuando e operava ainda no terreno positivo, com valorização de 2,31%, às 13h00.

As companhias elétricas também reportam fortes avanços no pregão desta quinta-feira, refletindo a decisão do governo de limitar a geração de energia por usinas termelétricas e a importação de energia a 15 mil megawatts médios ao longo de dezembro.

A medida está ligada ao início do período de chuvas, que deve trazer um pouco mais de volume aos reservatórios das hidrelétricas. O IEE, índice do setor elétrico da B3, acelerava 2,90%, às 13h05. Empresas como a Eletrobras, Taesa, CPFL, estão entre os destaques das altas mais acentuadas - 5,02%, 3,49% e 4,76%, nesta sequência, às 13h05.

Mercado internacional: empregos, Fed e Ômicron

No exterior, as bolsas americanas operam em alta, após trafegarem uma boa parte do dia em queda, com os investidores repercutindo os novos dados econômicos sobre o mercado de empregos e às voltas com a pergunta sobre o quanto a cepa Ômicron de fato pode representar uma ameaça à recuperação econômica do país. Às 13h29, os índices S&P 500, Dow Jones e Nasdaq 100 subiam 1,32%, 1,70% e 0,55%, respectivamente.

Durante a manhã, o Departamento do Trabalho americano divulgou que o volume de pedidos semanais de seguro-desemprego subiu 28 mil na semana passada, totalizando 222 mil solicitações. O resultado ficou abaixo da expectativa dos analistas, que previam uma soma total de 240 mil.

O total de pedidos da semana anterior foi revisado para baixo, de 199 mil a 194 mil. Já o número de pedidos continuados apresentou recuo 107 mil na semana encerrada em 20 de novembro, a 1,956 milhão. Este indicador é divulgado com uma semana de atraso.

Com a confirmação do primeiro caso da nova variante no país e a reiteração do presidente do Fed, Jerome Powell, de que as autoridades deveriam considerar uma redução mais rápida do estímulo monetário em meio à alta da inflação, os investidores vão se preparando para a continuidade da alta volatilidade ao longo de dezembro.

Esse quadro é estimulado pelo endurecimento das políticas do banco central americano para combater a inflação, quando a Ômicron ameaça impedir a recuperação da pandemia. No entanto, muitas perguntas sobre a nova cepa ainda permanecem sem resposta.

A economia dos EUA cresceu em um ritmo modesto até meados de novembro, enquanto os aumentos de preços foram generalizados em meio a interrupções na cadeia de suprimentos e escassez de mão de obra, disse o Fed no Livro Bege.

Em um cenário que começou com menor cautela e recuperação de grande parte dos ativos de risco, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reforçou que ainda é cedo para afirmar que a Ômicron é mais transmissível e se há perda de proteção das vacinas para a nova variante. Segundo a organização, 23 países já têm casos da nova cepa.

O conselheiro da Casa Branca para infectologia Anthony Fauci manteve a recomendação de uso de máscaras e, aos que chegam aos EUA de viagem internacional, quarentena e testes dentro de três dias.

Na Europa, os ânimos já não estão tão positivos quanto nos EUA. ?O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) da zona do euro subiu 5,4% em outubro ante setembro, informou a Eurostat, agência oficial de estatísticas da União Europeia, nesta quinta-feira. O resultado representa uma forte aceleração em relação à alta de 2,8% no mês anterior e também ficou acima da previsão dos analistas, de 3,8%.

Já a taxa de desemprego na zona do euro diminuiu em outubro, à medida que a recuperação econômica continuava, apesar dos gargalos na cadeia de suprimentos e do aumento dos preços. A taxa de desemprego da região caiu de 7,4% para 7,3% em outubro, segundo dados da agência de estatísticas Eurostat. O número veio em linha com a previsão dos economistas do mercado.

Do outro lado do mundo, as bolsas da Ásia sem direção única nesta quinta-feira, refletindo o pregão negativo em Wall Street no dia anterior. / com Tom Morooka e Agência Estado

Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.