Logo Mais Retorno

Siga nossas redes

  • Instagram Mais Retorno
  • Youtube Mais Retorno
  • Twitter Mais Retorno
  • Facebook Mais Retorno
  • Tiktok Mais Retorno
  • Linkedin Mais Retorno
santander
Empresa

Lucro dos quatro maiores bancos cai 6,7% no 1° tri de 2023 em base anual; entenda

Enquanto BB e Itaú registraram crescimento nos resultados, Bradesco e Santander tiveram queda no lucro em relação a 1° trimestre de 2022

Data de publicação:17/05/2023 às 10:28 -
Atualizado 10 meses atrás
Compartilhe:

Os quatro maiores bancos brasileiros tiveram lucro líquido de R$ 22,729 bilhões no primeiro trimestre deste ano. Um resultado que está 6,7% abaixo do que foi registrado no mesmo período em 2022, de R$ 24,3 bilhões, e é o pior desde 2021. Dividendos vão cair?

Desde o 4° trimestre de 2021, os lucros somados de Banco do Brasil, Itaú, Santander e Bradesco, todos com ações em bolsa, não apresentavam queda nessa mesma dimensão em bases anuais. É o que revela estudo exclusivo desenvolvido por Einar Rivero da TradMap para a Mais Retorno.

Período

Lucro

R$ milhões

Variação

12 meses

1T201919.950 22,3%
2T201920.474 21,3%
3T201919.277 10,3%
4T201921.807 18,4%
1T202013.762-31,0%
2T202012.164-40,6%
3T202015.582-19,2%
4T202020.114  -7,8%
1T202118.609 35,2%
2T202123.161 90,4%
3T202121.309 36,8%
4T202118.553 -7,8%
1T202224.359 30,6%
2T202226.113 12,7%
3T202224.228 13,7%
4T202219.029  2,6%
1T202322.729-6,7%

Resultados e dividendos 

O BB teve um crescimento de 28,9% em seu lucro de R$ 8,5 bilhões, em relação ao 1° trimestre de 2022, e o Itaú, com lucro de R$ 8,4 bilhões, alta de 14,6%. 

Já o Santander registrou um resultado de R$ 2,1 bilhões, o que é 46,6% inferior a mesmo período do ano anterior, e o Bradesco, com lucro de R$ 4,2 bilhões, apresentou queda de 37,3%.

Acionistas do BB e Itaú não têm com o que se preocupar em relação à distribuição de dividendos, porque os dois bancos seguem com bons resultados, enquanto os de Santander e Bradesco podem ver os proventos encolher em função da queda do lucro.

Vitorio Galindo, head de análise fundamentalista da Quantzed, empresa de tecnologia e educação para investidores, explica que a queda nos resultados interfere no cálculo do dividendo. 

Ele explica que o pagamento de dividendos é feito de acordo com a política da empresa, corresponde a um porcentual definido pela empresa sobre o lucro. Portanto, se houve queda, o cálculo será sobre uma base menor, no caso de Santander e Bradesco.

“Os bancos devem continuar pagando os dividendos, porque eles não têm muito o que fazer com o dinheiro, não têm muito como crescer muito com o próprio negócio”, afirma Galindo.

bancos fecham
Crise no varejo e inadimplência de pessoas físicas afetaram os resultados dos bancos _ Foto: Reprodução

Crise e inadimplência

Em boa dose, os primeiros meses de 2023 foram marcados pela crise de Americanas, seguida por um pedido de recuperação judicial, e em outras varejistas, o que levou os bancos a fazer provisões bilionárias. 

Se de um lado, os juros altos têm efeitos positivos nos balanços das instituições financeiras que ganham na intermediação das operações (spreads), de outro, trazem efeitos negativos com o aumento da inadimplência no crédito a pessoas físicas, que também sofrem com inflação persistente.

Nos grandes bancos, os índices de atraso subiram, chegando a 5,1% no caso do Bradesco e a 3,2% no do Santander, enquanto o BB informou atrasos de 2,62% - os três números consideram o indicador de atrasos acima de 90 dias, visto como padrão no mercado.

Embora os índices continuem em alta, parte das instituições acredita que haja uma inflexão da inadimplência no segundo semestre. O Itaú, por exemplo, espera que o pico dos atrasos entre pessoas físicas seja o número observado no primeiro trimestre, com estabilidade à frente. 

No BB, que é menos exposto a empréstimos livres para pessoas físicas que os bancos privados, os índices de atraso nas carteiras de cartão de crédito e de CDC salário caíram entre o quarto trimestre do ano passado e o primeiro trimestre deste ano. A tendência costuma ser a contrária, com os atrasos subindo no começo do ano diante do maior volume de despesas das famílias.

Carteiras de crédito

Itaú e BB encerraram o primeiro trimestre com carteiras de crédito na casa de R$ 1 trilhão, renovando marca observada no quarto trimestre de 2022. Em cada banco, no entanto, o crescimento vem de um segmento, o que permite antever como serão os resultados à frente.

O crescimento do Itaú foi puxado pelas pessoas físicas, em especial por linhas mais arriscadas, como o crédito pessoal. O maior banco da América Latina tem aberto a torneira gradativamente, com foco em clientes com melhores perfis de crédito, em geral de alta renda, enquanto a demanda entre as grandes empresas se mantém baixa.

"Continuamos crescendo (em cartões) no canal interno, que são os nossos clientes, é um produto muito importante para o relacionamento", disse o presidente do banco, Milton Maluhy. Na visão dele, porém, o banco de varejo não deve ser mais tão rentável quanto era antes da pandemia, graças a uma combinação entre maior concorrência, menos agências e tetos de juros em determinadas linhas.

No BB, o impulso dos resultados vem do agro, cuja carteira cresceu 25% ano contra ano. É mais do que o banco projeta para 2023 inteiro, o que indica uma desaceleração, mas o campo deve fazer com que o banco cresça mais que seus rivais diretos em um ano em que a cautela ainda prevalece. /Com Agência Estado

Leia mais:

Sobre o autor
Regina Pitoscia
Editora do Portal Mais Retorno.

® Mais Retorno. Todos os direitos reservados.

O portal maisretorno.com (o "Portal") é de propriedade da MR Educação & Tecnologia Ltda. (CNPJ/MF nº 28.373.825/0001-70) ("Mais Retorno"). As informações disponibilizadas na ferramenta de fundos da Mais Retorno não configuram um relatório de análise ou qualquer tipo de recomendação e foram obtidas a partir de fontes públicas como a CVM. Rentabilidade passada não representa garantia de resultados futuros e apesar do cuidado na coleta e manuseio das informações, elas não foram conferidas individualmente. As informações são enviadas pelos próprios gestores aos órgãos reguladores e podem haver divergências pontuais e atraso em determinadas atualizações. Alguns cálculos e bases de dados podem não ser perfeitamente aplicáveis a cenários reais, seja por simplificações, arredondamentos ou aproximações, seja por não aplicação de todas as variáveis envolvidas no investimento real como todos os custos, timming e disponibilidade do investimento em diferentes janelas temporais. A Mais Retorno, seus sócios, administradores, representantes legais e funcionários não garantem sua exatidão, atualização, precisão, adequação, integridade ou veracidade, tampouco se responsabilizam pela publicação acidental de dados incorretos.
É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos, ilustrações ou qualquer outro conteúdo deste site por qualquer meio sem a prévia autorização de seu autor/criador ou do administrador, conforme LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
® Mais Retorno / Todos os direitos reservados