Logo Mais Retorno
inflação
Economia

IPCA-15 salta para 1,73% em abril e soma 12,03% de alta em 12 meses, diz IBGE

No ano, o saldo acumulado é de alta de 4,31%. Em abril do ano passado, a taxa foi de 0,60%

Data de publicação:27/04/2022 às 09:33 -
Atualizado 5 meses atrás
Compartilhe:

A prévia da inflação, medida pelo IPCA-15, saltou para 1,73% em abril, 0,78% ponto porcentual acima da taxa de março, de 0,95%, segundo dados divulgados pelo IBGE nesta quarta-feira, 27.

No ano, o IPCA-15 acumula alta de 4,31% e de 12,03% em 12 meses, acima dos 10,79% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em abril do ano passado, a taxa foi de 0,60%.

IPCA-15
IPCA-15 salta para 1,73% em abril e soma 12,03% de alta em 12 meses, segundo IBGE - Foto: Envato

O resultado mensal do IPCA-15 ficou abaixo da mediana positiva de 1,82% projetada pelos analistas, com faixa de intervalo de 1,10% a 1,95%. Para o acumulado de 12 meses, o mercado esperava mediana de 12,14%, cujas estimativas iam de 11,30% a 12,27%.

De acordo com o IBGE, com exceção de comunicação (-0,05%), todos os grupos de produtos e serviços pesquisados para o IPCA-15 tiveram alta em abril.

Transportes

O resultado mensal do IPCA-15 foi influenciado pelo aumento dos preços dos transportes (3,43%), principalmente da gasolina, que registrou elevação de 7,51% - reflexo do reajuste no preço médio do combustível nas refinarias - e contribuiu com o maior impacto individual no índice (0,48%).

Nesse grupo, as passagens aéreas também contribuíram para a alta – em março, os preços haviam recuado 7,55% e subiram 9,43% em abril.

Alimentos e bebidas

Segundo o levantamento do instituto sobre o IPCA-15, os preços de alimentos e bebidas avançaram 2,25%, puxados pela alta dos itens consumidos no domicílio (3,00%).

A segunda maior contribuição no grupo (0,09 p.p.) foi da energia elétrica (1,92%), com os reajustes de mais de 15% nas duas concessionárias pesquisadas no Rio de Janeiro (11,25%).

Todos os itens do vestuário (1,97%) tiveram alta em abril, inclusive as joias e bijuterias (0,61%), cujos preços haviam caído em março (-0,53%).

Saúde e cuidados pessoais

O grupo saúde e cuidados pessoais (0,47%) desacelerou em relação a março (1,30%) na pesquisa do IPCA-15 por conta dos itens de higiene pessoal (-0,87%), que haviam subido 3,98%.

Já os produtos farmacêuticos tiveram alta de 3,37%, depois da autorização do reajuste de até 10,89% no preço dos medicamentos, a partir de 1º de abril.

Avanço em todas as regiões avaliadas

A pesquisa feita para levantar o IPCA-15 mostra também que os preços aceleraram em todas as áreas pesquisadas. A maior variação ocorreu em Curitiba (2,23%), influenciada pela alta de 10,25% nos preços da gasolina.

Já o menor resultado ficou com Salvador (0,97%), onde houve queda de 1,46% nos artigos de higiene pessoal e de 8,14% nas passagens aéreas.

Impressões do mercado sobre o IPCA-15

Para Marcelo Oliveira, fundador da Quantzed, o IPCA-15 de abril veio abaixo do esperado.

"O resultado traz esperança de que a inflação está no seu pico e começa a se recuperar, mesmo com o cenário instável no mundo".

Marcelo Oliveira, da Quantzed

Segundo Oliveira, o fato de o IPCA ter acelerado para 1,62% em março, maior patamar desde 1994, gerou ansiedade no mercado em relação à Selic. "Com o IPCA-15 vindo um pouco melhor em abril, começa a dar um respiro de que estamos perto do fim do ciclo de alta de juros".

Sobre a leitura cheia do IPCA de abril, o BTG Pactual espera que haja uma redução da pressão vinda dos combustíveis, considerando que o repasse dos preços perdeu força no mês, e também uma desaceleração no segmento de energia elétrica, por conta da mudança da bandeira de energia.

"Vale ressaltar que, a despeito de esperarmos uma desaceleração, o índice deve seguir em patamar elevado, ainda pressionado por efeitos remanescentes do reajuste dos combustíveis, alimentos no domicílio e um repasse mais alto em medicamentos".

BTG Pactual, em análise sobre o IPCA-15

No cenário monetário, na visão do BTG, diante da manutenção do diagnóstico desfavorável da inflação, da forte volatilidade nos preços das commodities, da depreciação do câmbio e das expectativas de uma política monetária mais contracionista nos EUA, "o Copom pode deixar o cenário em aberto para dar continuidade ao ciclo de elevação da reunião de junho".

Leia mais

IPCA-15 ficou em 12,03% e só 3 fundos renda fixa conseguiram superá-lo (maisretorno.com)
Bolsa despenca 11% e dólar sobe 5,27% em abril; até onde vão? (maisretorno.com)
Twitter e Musk podem ter de pagar multa se desistirem do negócio (maisretorno.com)
Tesla perdeu US$ 275 bi após Musk iniciar a compra do Twitter (maisretorno.com)
Governo conta com Lira para barrar Auxílio Brasil a R$ 600 (maisretorno.com)

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

Inscreva-se em nossa newsletter