Logo Mais Retorno
Empresa

Twitter e Musk podem ter de pagar US$ 1 bi um ao outro em caso de desistência de acordo

Multa e taxas de rescisão destinam-se a impedir que as partes voltem atrás no acrodo

Data de publicação:27/04/2022 às 00:40 -
Atualizado 21 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O Twitter e Elon Musk poderão dever um ao outro US$ 1 bilhão caso um deles desista do acordo de US$ 44 bilhões que fecharam na segunda-feira, 25, de acordo com um documento detalhando a fusão.

Musk concordou em comprar a empresa após uma breve negociação sobre outros assuntos além do preço, uma vez que o bilionário deixou claro que a oferta de US$ 54,20 por ação era sua "melhor e final".

Twitter
Musk passa a dever US$ 1 bilhão ao Twitter se o financiamento não se concretizar - Foto: Flickr

O Twitter detalhou alguns desses termos em um documento nesta terça-feira, incluindo que deveria a Musk US$ 1 bilhão se a empresa concordasse em ser vendida para outra pessoa ou se seus acionistas votassem contra o acordo.

Musk deveria ao Twitter US$ 1 bilhão por vários motivos, incluindo se ele não conseguir fechar o acordo porque o financiamento - US$ 13 bilhões em dívidas, US$ 12,5 bilhões em empréstimos de margem e US$ 21 bilhões em capital próprio que ele planeja fornecer a si mesmo - não se concretizar.

O tamanho das taxas de desmembramento, em pouco mais de 2% do valor do negócio, é a média para transações semelhantes. Também chamadas de taxas de rescisão, as penalidades destinam-se a impedir que as partes quebrem acordos e trata das despesas e inconveniências de um acordo fracassado.

A empresa de mídia social inicialmente resistiu ao avanço de Musk, mas quando ele conseguiu financiamento, tornou-se mais favorável.

Como foi o negócio

Depois de se tornar acionista majoritário com 9% das ações do Twitter, Musk fechou acordo para a compra total da plataforma na segunda-feira, 25.

O comunicado oficial foi divulgado pelo Twitter, que aceitou a oferta do bilionário de US$ 44 bilhões, com cada ação avaliada a US$ 54,20. No entanto, mais do que alterar as estruturas da rede, a compra deve mexer com os ânimos do mercado.

Com a aquisição total de suas ações, o Twitter passa a ser uma empresa de capital fechado e segue em em caminho oposto às demais concorrentes, que hoje operam na Nasdaq, com todas as regras de transparência necessárias para isso.

Musk já confirmou que pretende fazer mudanças na forma que a rede social é gerida hoje em dia. Um de seus principais ideais, a liberdade de expressão, deverá reger os pontos centrais da plataforma, reduzindo o uso de marcadores ou remoções de conteúdos inapropriados.

Além disso, ele deve mexer com o Twitter Blue, versão paga da rede social, para fazer com que o dinheiro gire em um fluxo contínuo.

Para o mercado de tecnologia, esse movimento traz uma mudança de ares no setor. Afinal, por mais que seja dono da montadora Tesla e da empresa de viagens espaciais SpaceX, Musk era visto ainda como um "outsider", um peixe fora d'água do setor de tecnologia norte-americano.

Não havia ligação com as principais empresas do setor (Google, Facebook, Apple e Microsoft), olhando as movimentações de fora.

Agora ele entra no setor e com propostas de mudar comportamentos. É um ar fresco, goste ou não do comportamento de Musk, que deve trazer novas discussões para dentro do setor - até regulatórias. /Com Agência Estado

Leia mais

IPCA-15 salta 1,73% em abril e soma 12,03% em 12 meses, diz IBGE (maisretorno.com)
IPCA-15 ficou em 12,03% e só 3 fundos renda fixa conseguiram superá-lo (maisretorno.com)
Bolsa despenca 11% e dólar sobe 5,27% em abril; até onde vão? (maisretorno.com)
Tesla perdeu US$ 275 bi após Musk iniciar a compra do Twitter (maisretorno.com)
Governo conta com Lira para barrar Auxílio Brasil a R$ 600 (maisretorno.com)

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!