Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Em semana marcada por aversão ao risco em nível global, Bolsa despenca 5,06% e dólar salta 4,46%, cotado a R$ 4,99

Mercados globais fecharam com queda acentuada após divulgação da inflação dos Estados Unidos

Data de publicação:10/06/2022 às 17:43 -
Atualizado 21 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Pelo sexto dia consecutivo, a Bolsa de Valores brasileira, a B3, registrou baixa. Nesta sexta-feira, 10, a queda do Ibovespa, principal índice acionário da Bolsa, foi de 1,51%, aos 105.481 pontos. O que motivou a desvalorização neste pregão foi, mais uma vez, a pressão vinda do exterior. No acumulado da semana, o índice teve uma baixa ainda mais expressiva, de 5,06%.

Mais cedo, o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos divulgou a inflação no país em maio e os números levaram a uma queda generalizada nos mercados globais. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês), avançou 1,0% em maio, o que representa uma forte aceleração frente a abril, quando o indicador da inflação americana subiu 0,3%.

Mercado Bolsa Dólar
Bolsa registra desvalorização acompanhando o exterior | Imagem: Reprodução

O resultado veio acima das expectativas dos analistas, que projetavam um avanço de 0,7% no último mês. No acumulado em 12 meses, o CPI já subiu 8,6%, atingindo o maior patamar desde 1981. De acordo com analista do BTG Pactual, "a leitura é que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) pode ser mais duro na decisão da próxima quarta-feira e nas seguintes."

Como a política econômica dos Estados Unidos afeta o mercado brasileiro?

Política monetária mais contracionista, neste caso, é sinônimo de juros mais altos. Se os juros sobrem, aumenta também a rentabilidade dos títulos da renda fixa americana, elevando sua atratividade. Em contrapartida, a renda variável perde força, já que, em momentos de incerteza econômica, os investidores tendem a buscar ativos mais seguros. Vale lembrar que os títulos públicos americanos são considerados os mais seguros do mundo.

Neste contexto de fuga dos ativos de risco, países emergentes, como o Brasil, são penalizados. Por esse motivo, de acordo com especialistas, os ativos brasileiros também são afetadas pelas notícias vindas lá de fora.

Com mais gente se interessando pelos produtos financeiros americanos e menos fluxo estrangeiro entrando no mercado brasileiro, a taxa de câmbio também sente os impactos. Assim, o dólar viveu uma semana de intensa valorização frente ao real e subiu 4,46% em relação à última sexta. Neste pregão, no entanto, a alta foi menos acentuada, de 1,49%, e a moeda americana fechou cotada a R$ 4,99.

O dia na Bolsa

Maiores altas da Bolsa

EmpresaCódigoVariação
QualicorpQUAL3+7,39%
CSN MineraçãoCMIN3+3,98%
Raia DrogasilRADL3+0,73%
HyperaHYPE3+0,57%
CieloCIEL3+0,53%
Fonte: B3

Maiores baixas da Bolsa

EmpresaCódigoVariação
AmericanasAMER3-10,63%
Banco InterBIDI11-6,87%
AzulAZUL4-6,62%
EletrobrasELET6-6,59%
PositivoPOSI3-6,39%
Fonte: B3

Mercados internacionais

Assim como no Brasil, os dados inflacionários americanos pressionaram os mercados ao redor do mundo. Nos Estados Unidos e na Europa, as bolsas registam forte desvalorização, com os investidores cautelosos com a possibilidade de Fed adotar uma política monetária mais restritiva para controlar a escalada dos preços.

Simultaneamente, na Ásia as bolsas fecharam majoritariamente em baixa com as preocupações em relação ao cenário macroeconômico global. Em contrapartida, a China viu seus principais índices acionários subirem após a divulgação do CPI do país, que vieram em linha com as projeções do mercado, em uma alta de 2,1% em maio.

Fechamento das bolsas americanas

  • Dow Jones: baixa de 2,73%
  • S&P 500: baixa de 2,91%
  • Nasdaq 100: baixa de 3,56%

Fechamento das bolsas europeias

  • Stoxx 600 (Europa): baixa de 2,73%
  • FTSE 100 (Inglaterra): baixa de 2,12%
  • DAX (Alemanha): baixa de 3,08%
  • CAC 40 (França): baixa de 2,69%

Fechamento das bolsas asiáticas

  • Xangai Composto (China): alta de 1,42%
  • Shenzhen Composto (China): alta de 1,94%
  • Hang Seng (Hong Kong): baixa de 0,29%
  • Nikkei (Japão): baixa de 1,49%
  • Kospi (Coréia do Sul): baixa de 1,13%
  • Taiex (Taiwan): baixa de 0,97%
Sobre o autor
Bruna Miato
Repórter na Mais Retorno