Mercado Financeiro

O mercado financeiro estará com a atenção voltada nesta quarta-feira, 9, ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de maio que o IBGE divulga às 9h. A média das expectativas de economistas e analistas do mercado aponta para uma inflação oficial em torno de 0,70%.

O interesse pelo IPCA aumenta porque será conhecido na semana que antecede a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, na próxima semana, para decidir o rumo da taxa básica de juros, a Selic, que está rodando em 3,75% ao ano.

Foto: Arquivo
Estimativa do mercado financeiro é de uma inflação em torno de 0,7% em maio

O BC já sinalizou que poderá repetir, no encontro do Copom em junho, novo aumento de 0,75 ponto porcentual, o que deverá elevar a Selic para 4,50% ao ano. Um nível ainda insuficiente para contemplar as aplicações de renda fixa com rendimento positivo, acima da inflação, e reverter o ganho negativo que persiste desde o começo do ano.

A expectativa é que o BC continue insistindo em elevação gradual do juro básico, que poderia chegar ao fim do ano ao redor de 6%. O último boletim Focus, com estimativas de analistas e economistas do mercado, indica que a Selic deve fechar 2021 em 5,75% ao ano, ligeiramente acima da inflação de 5,44% projetada para o ano.

Inflação alta preocupa o mercado porque pode levar o BC a endurecer a política monetária, com elevação da Selic, o que se reflete nos demais juros da economia e piora as condições financeiras, com aumento de custos, para as empresas.

Mercado de ações é afetado pela alta dos juros

Se a elevação da Selic não torna ainda o juro de aplicações financeiras um concorrente para o mercado de ações, o aumento de custo financeiro é visto como negativo para o resultado de empresas e, portanto, para bolsa.

A divulgação do IPCA nesta quarta-feira não esgota as preocupações do mercado financeiro com a inflação nesta semana.

O interesse de investidores na próxima quinta-feira estará dirigido ao anúncio do índice de preços ao consumidor nos Estados Unidos. Especialistas consideram o dado importante para a manutenção ou reavaliação da política do Federal Reserve (Fed, banco central americano) em relação aos juros nos EUA.

Eventual sinalização de alta dos juros pelo Fed repercute imediatamente em elevação das taxas do Treasuries, os títulos de dez anos do Tesouro americano, visto como referência de juros do mercado financeiro global. Um ajuste para cima no juro desses títulos cria um sentimento de aversão ao risco cuja consequência é a queda das bolsas e alta dos juros.

CPI da Covid: Elcio Franco

Os trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid estão na atenção do mercado financeiro no cenário doméstico. Nesta quarta-feira, o ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde, Antonio Elcio Franco Filho, número 2 da pasta durante a gestão do ex-ministro Eduardo Pazuello, presta depoimento.

A oitiva chegou a ser marcada para o último dia 27, mas o coronel da reserva do Exército não pôde comparecer por estar com Covid-19.

Franco, que atualmente é assessor especial da Casa Civil da Presidência, deve ser questionado pelos senadores sobre o atraso na compra de vacinas, a falta de resposta às ofertas feitas pela farmacêutica Pfizer e a aquisição e distribuição de insumos aos estados durante a crise sanitária.

Na véspera, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, voltou a ser ouvido pelo colegiado. Durante a sessão, o ministro fez a declaração mais enfática até o momento sobre o chamado tratamento precoce defendido pelo presidente Jair Bolsonaro, apesar de não haver nenhuma evidência científica da eficácia de medicamentos como a hidroxicloroquina e a ivermectina contra a covid-19.

"Senador, eu já respondi a Vossa Excelência, essas medicações não têm eficácia comprovada. Não têm eficácia comprovada", disse ao relator, Renan Calheiros.

Calheiros afirmou que Queiroga teria inaugurado o "negacionismo" em seu depoimento ao colegiado. Para Renan, Queiroga seria um "João Bobo", que "vai pra um lado, vai pra o outro" e "entrega os anéis para não perder o cargo".

O relator da CPI defende ainda que Queiroga teria blindado o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao afirmar que o veto na nomeação da médica infectologista Luana Araújo à Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 teria sido sua decisão.

Calheiros aponta também contradições nas declarações do ministro sobre a atuação do chamado "gabinete das sombras", o qual Queiroga afirmou desconhecer, mas, segundo Renan, o titular da Saúde conheceria seus integrantes. O grupo seria responsável por aconselhar paralelamente o presidente Bolsonaro sobre ações de contenção à pandemia.

NY: futuros em estabilidade

Os contratos negociados nas bolsas de Nova York operam estáveis nesta quarta-feira, com o mercado em compasso de espera sobre a publicação do índice de preços ao consumidor (CPI, em inglês) dos Estados Unidos em maio, marcado para amanhã, 10.

Na véspera, o índice Dow Jones recuou 0,09%, em 34.599,82 pontos, o S&P 500 subiu 0,02%, a 4.227,26 pontos, e o Nasdaq teve alta de 0,31%, a 13.924,91 pontos.

Há muita expectativa para o CPI de maio dos EUA, que poderá determinar o rumo da política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Em abril, a taxa anual do CPI dos EUA ficou em 4,2%, muito acima da meta oficial de inflação de 2% do Fed.

Além disso, os dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) seguem em período de silêncio em virtude da decisão de política monetária na próxima semana.

O mercado acionário apenas observou o recuo de 8,2% do déficit comercial dos EUA em abril ante março, além da abertura recorde de postos de trabalho no mesmo mês, segundo registrado pelo relatório Jolts.

Para o chefe de investimentos do CIBC Private Wealth Management, David Donabedian, o mercado irá reavaliar constantemente se a trajetória inflacionária nos EUA é temporária ou constante, o que deve provocar pregões instáveis no curto prazo.

Bolsas asiáticas fecham em baixa

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam majoritariamente em baixa nesta quarta-feira, após a China divulgar um salto nos preços ao produtor num momento em que a inflação se tornou uma das principais preocupações dos investidores.

A taxa anual de inflação ao produtor (PPI) chinês disparou para 9% em maio, superando expectativas e atingindo o maior nível em quase 13 anos, à medida que a segunda maior economia do mundo segue se recuperando dos efeitos da pandemia de covid-19.

Os preços ao consumidor (CPI) da China também ganharam força no último mês, mas em ritmo mais contido.

Os últimos números do PPI e CPI chineses vêm em meio a temores de que a tendência de avanço da inflação global, resultado do processo de retomada econômica, acabe forçando grandes bancos centrais a retirar estímulos monetários mais cedo do que se imaginava.

O índice acionário japonês Nikkei caiu 0,35% em Tóquio hoje, aos 28.860,80 pontos, enquanto o Hang Seng recuou 0,13% em Hong Kong, aos 28.742,63 pontos, o sul-coreano Kospi se desvalorizou 0,97% em Seul, aos 3.216,18 pontos, e o Taiex cedeu 0,64% em Taiwan, aos 16.966,22 pontos.

Por outro lado, os mercados da China continental se animaram, uma vez que os dados de inflação também sugerem continuidade da recuperação econômica. O Xangai Composto subiu 0,32%, aos 3.591,40 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,14%, aos 2.396,54 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana seguiu o viés majoritário da Ásia e ficou no vermelho. O S&P/ASX 200 caiu 0,31% em Sydney, a 7.270,20 pontos. / com Júlia Zillig e Agência Estado

Imagem do autor

Colaborador do Portal Mais Retorno.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Visualizar Comentários

Mercado Financeiro
Mercado Financeiro
Mercado Financeiro
Mercado Financeiro
Veja mais Ver mais