Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Bolsa fecha em queda de 0,24% com cautela redobrada com cenário local; dólar cai a R$ 5,65

Na contramão das principais praças financeiras internacionais, a Bolsa de Valores brasileira, a B3, fechou em baixa de 0,24%, aos 105.244 pontos, nesta quarta-feira, 22, pela…

Data de publicação:22/12/2021 às 19:02 -
Atualizado 5 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Na contramão das principais praças financeiras internacionais, a Bolsa de Valores brasileira, a B3, fechou em baixa de 0,24%, aos 105.244 pontos, nesta quarta-feira, 22, pela cautela redobrada dos investidores locais em relação ao Orçamento aprovado pelo Congresso que, para fechar as contas, precisaria de um crescimento do País acima de 2%. Um número distante da realidade do País. Junto como a questão fiscal a inflação e juros em alta também preocupam.

O mercado de ações também foi impactado pela desvalorização das empresas ligadas ao minério de ferro. A commodity voltou a cair neste pregão, após quatro dias de altas consecutivas.

Mercado ao vivo: confira a Bolsa e o dólar nesta sexta-feira, 17 de dezembro
Foto: Reprodução

Especialistas esperam que o minério ainda deve enfrentar muita volatilidade em 2022 em decorrência das incertezas sobre a atividade econômica global. Neste contexto, a Vale, que é a empresa com mais peso na composição do Ibovespa, cerca de 14%, recuou 0,52% no pregão da Bolsa. Enquanto isso, as siderúrgicas CSN, Usiminas e Gerdau registraram queda de 0,32%, 1,46% e 0,94%, respectivamente.

O dólar também fechou em queda, com variação negativa de 1,58%, cotado a R$ 5,65. A melhora nas perspectivas em relação à economia americana contribuíram para um maior apetite por risco nos mercados, o que derrubou o preço da moeda americana.

PIB dos Estados Unidos

Mais cedo, o Escritório Federal de Análise Econômica (BEA, na sigla em inglês), divulgou o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA do terceiro trimestre revisado, que cresceu 2,3% na taxa anualizada, enquanto os analistas esperavam uma alta menos expressiva, de 2,1%. Embora acima das expectativas, os números refletem uma desaceleração da economia americana, que no segundo trimestre registrou um crescimento de 6,7% no PIB, mas isso não desanimou os investidores.

Além disso, de acordo com Rafael Ribeiro, analista da Clear Corretora, também contribuiu para o bom-humor do mercado novas falas do presidente americano Joe Biden, que anunciou um novo plano para combater o avanço da ômicron, a variante mais recente do coronavírus, e voltou a descartar a adoção de um lockdown no país.

Cenário interno

No Brasil, os investidores passaram o dia analisando a aprovação do Orçamento de 2022 pela Câmara e pelo Senado. Entre os pontos mais controversos do texto, o relatório definiu o fundo eleitoral do próximo ano em R$ 4,9 bilhões e incluiu a previsão de R$ 1,7 bilhão para aumento dos salários de policiais federais, uma das principais bases de apoio do presidente Jair Bolsonaro.

Também está no radar dos investidores a divulgação do IPCA-15 de dezembro, considerado a prévia oficial da inflação, que acontece nesta quinta-feira, no último pregão da semana. "A expectativa do mercado é para uma alta de 0,80% na passagem de novembro para dezembro, encerrando o ano em 10,45%", comenta Ribeiro.

Sobe e desce na Bolsa

As maiores altas da Bolsa no dia

EmpresaCódigoVariação
GetnetGETT1123,40%
Banco PanBPAN48,32%
MéliuzCASH36,77%
Grupo SomaSOMA33,08%
BTG PactualBPAC112,57%
Fonte: B3

As maiores baixas da Bolsa no dia

EmpresaCódigoVariação
Rede D'OrRDOR3-5,67%
Magazine LuizaMGLU3-4,05%
Grupo NaturaNTCO3-4,02%
HapvidaHAPV3-3,24%
CognaCOGN3-3,15%
Fonte: B3

Fechamento das bolsas no exterior

Estados Unidos

  • S&P 500: alta de 1,02%
  • Dow Jones: alta de 0,74%
  • Nasdaq 100: alta de 1,21%

Europa

  • Stoxx 600: alta de 0,77%
  • FTSE 100 (Londres): alta de 0,61%
  • DAX (Frankfurt): alta de 0,95%
  • CAC 40 (Paris): alta de 1,24%
  • PSI 20 (Lisboa): alta de 0,15%
  • Ibex 35 (Madrid): alta de 0,85%
Sobre o autor
Bruna Miato
Repórter na Mais Retorno