Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

BlackRock vai investir em cripto? Anúncio de Larry Fink anima mercado digital

Maior gestora de ativos estuda atuar no mercado de moedas digitais

Data de publicação:19/04/2022 às 00:30 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O anúncio de que a BlackRock, maior gestora de ativos da atualidade, estuda ampliar o seu portfólio com criptomoedas animou o mercado de capitais. Mesmo sem uma confirmação oficial, a possibilidade foi bem recebida pelos investidores e é vista como uma comprovação do processo de maturidade das moedas digitais.

“A BlackRock é a maior gestora global, então, provavelmente, ao entrar nesse mercado, vai entrar para competir no nível de escala que ela tem nas demais verticais", analisa Safiri Felix, diretor de Produtos e Parceiras da Transfero, em entrevista à Mais Retorno.

BlackRock
Possibilidade de a BlackRock entrar no mercado digital anima o mercado - Foto: Reprodução

"No geral, a perspectiva é muito positiva porque para eles terem optado por entrar nesse mercado, certamente, os clientes estavam demandando por esse tipo de solução”, complementa.

Segundo o The Wall Street Journal, o CEO da BlackRock, Larry Fink, afirmou que está estudando o mercado de criptomoedas. Neste movimento, a gestora integrou uma rodada de investimentos avaliada em US$ 400 milhões na Circle Internet Financial, empresa focada em criptomoedas que administra a stablecoin USD Coin (USDC).

“A entrada da maior gestora global de recursos no mercado comprova a maturidade e potencial de crescimento dos criptoativos. As stablecoins são peças fundamentais para esse ecossistema, são dispositivos muito versáteis e já amplamente utilizados como base das finanças descentralizadas”.

Safiri Felix, diretor de Produtos e Parceiras da Transfero

Caio Villa, diretor de investimentos da Uniera, reforça que a BlackRock já tinha negócios com a Circle e que este novo investimento pode impulsionar a USDC.

“Um dos grandes aspectos que a Circle tem é a inteligência de mercado, as parcerias com cartões de crédito e outras coisas que fazem com que você não precise de dinheiro fiduciário nas transações, tem menos burocracia, entre outros aspectos. Esse dinheiro extra da BlackRock ajudará isso a acontecer”, projeta.

“A médio e longo prazo, (o investimento da BlackRock) tem impacto porque novas soluções baseadas em cripto serão criadas através da utilização do USDC, a princípio, só dele mesmo”, pondera Villa.

Para a reportagem, Felix reforça o avanço dos fundos de criptoativos, inclusive em território nacional. “No Brasil, por exemplo, já são mais de 40 fundos regulados de criptoativos”.

“Então, o mercado vai ficar ainda mais competitivo. Na margem, isso é muito positivo porque é fluxo adicional e o bitcoin, por natureza, é um ativo digital escasso. Então, se você tem um aumento de demanda com uma oferta cada vez mais reduzida, o impacto no preço tende a ser muito positivo", explica o especialista da Transfero.

"Fora que eles estão olhando os criptoativos como um todo, então, os protocolos mais consolidados, principalmente bitcoin e ethereum, devem ser inicialmente os mais impactados por terem teses de investimentos mais maduras”, complementa.

“A narrativa no mercado financeiro tradicional foi mudando gradativamente em favor dos criptoativos. Hoje, já é consenso sobre os benefícios da diversificação e potencial de longo prazo, especialmente relacionado ao bitcoin”, defende Felix.

Força da BlackRock

Tendo como seu carro-chefe os ETF (fundos de índices), a BlackRock é a maior gestora de investimentos do mundo. Fundada em 1988, a companhia administrada por Larry Fink gere, principalmente, recursos de clientes institucionais como fundos de pensão e governos.

Segundo as informações oficiais da companhia, a BlackRock tem US$ 102 bilhões investidos na América Latina em seus principais mercados. No primeiro trimestre de 2022, a BlackRock registrou uma entrada líquida trimestral de US$ 114 bilhões em longo prazo, o que "reflete a força da plataforma ampla com fluxos positivos em todos os tipos de produtos, estilo de investimentos e regiões".

“Estou incrivelmente empolgado com as oportunidades à nossa frente e acredito que a BlackRock está bem posicionada para continuar gerando crescimento orgânico diferenciado e durável e agregando valor a todos os nossos stakeholders”.

Larry Fink no último balanço para os investidores

No comunicado, Fink também defendeu que “a BlackRock é cada vez mais o parceiro de escolha global, pois os clientes procuram construir relacionamentos mais profundos e abrangentes”.

Quem é Larry Fink?

Co-fundador da BlackRock, Larry Fink atua como CEO da companhia e é um empresário bilionário americano. Fink é um dos maiores defensores da temática ESG no mundo dos investimentos.

Crescimento do setor no País

De acordo com os dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), os 30 principais fundos de criptomoedas acumulam um patrimônio de R$ 4,8 bilhões, o que representa um crescimento de oito vezes em pouco mais de um ano.

Um desempenho que pode ser considerado como muito positivo de um mercado que, até pouco tempo atrás, sofria com a desconfiança de parte dos investidores e que, mesmo com um breve período de desvalorização das moedas, continua sendo atrativo e com cada vez mais gestoras de fundos entrando no setor.

Confira abaixo os 30 fundos de criptomoedas do mercado nacional, segundo dados da Anbima.

Fundo de criptomoedas da Fox

Com patrimônio líquido de R$ 351,89 milhões, o FOX VALUE LONG BIASED FIA BDR NIVEL 1 tem uma carteira extremamente diversa, espalhada entre cotas de fundos (47,16%), BDRs (16,89%), títulos públicos (14,20%), investimentos no exterior (12,66%), dentre outros. Hoje, já são 55 meses no positivo, contra 47 no negativo, mas que está enfrentando um período de vacas magras no ano (-11,34%), no mês (-2,54%) e nos últimos 12 meses (-12,42%), porém com um horizonte positivo de valorização de 139,99% no total.

BLP

Fundo focado nos investidores no geral, o BLP DIGITAL 20 FIM é administrado pela BNY Mellon Serviços Financeiros. Com patrimônio líquido de R$ 13,50 milhões, o fundo hoje se divide principalmente entre títulos públicos (55,43%), cotas de fundos (23,12%) e investimentos no exterior (16,80%). Já a rentabilidade está na corda bamba, com -5,41% no acumulado do ano e -2,47% no mês, mas com bons resultados nos últimos dois anos (61,69%) e, principalmente, números positivos no total (73,48%).

BLP Digital: o primeiro fundo de criptomoedas do Brasil

Primeiro fundo de ativos digitais do Brasil, em negociação desde dezembro de 2017. O BLP DIGITAL 100 FIM IE tem 166 cotistas com um patrimônio líquido de R$ 37,05 milhões. Na carteira, dominam investimentos no exterior (96,18%) e, com isso, o fundo atingiu uma impressionante valorização, nos últimos 36 meses, de 840,35%. No ano (-33,05%) e nos últimos 12 meses (-17,87%), porém, o fundo também passou a enfrentar os desafios da desvalorização de ativos digitais, com quedas acentuadas.

Monte Carlo

Fundo do BTG Pactual, o MONTE CARLO FI MULT CRED PRIV IE também segue o caminho de uma carteira variada, com seu patrimônio líquido de R$ 17,69 milhões dividido entre, principalmente, investimentos no exterior (27,81%), BDRs (17,66%), cotas de fundos (15,63%), ações (15,37%) e outras operações passivas (12,26%). Negociado desde 2019, o fundo já passou 24 meses no azul e tem uma rentabilidade na casa dos 61,33%, mas enfrenta queda de -22,77% em 12 meses.

Hashdex criptoativos: mesclado com títulos públicos

Fundo de investimentos multimercado da Hashdex, administrado pela BTG Pactual, o HASHDEX CRIPTOATIVOS I FIM aposta em títulos públicos (56,42%), operações compromissadas (19,85%) e investimentos no exterior (14,80%), dentre outros. Com isso, o fundo já conta com patrimônio líquido de R$ 387,81 milhões e rentabilidade total de 65,80%, com poucas perdas no ano (-3,28%).

Hashdex 100: quase 3 mil cotistas

Mais de 80% do patrimônio líquido de R$ 205,95 milhões do HASHDEX 100 NASDAQ CRYPTO IND FIM estão investidos em cotas de fundos, acompanhando o índice Nasdaq - e, com isso, colocando ativos digitais na carteira de seus quase 3 mil cotistas. Em 2021, apesar de perdas, o fundo conseguiu chegar em um rendimento acumulado na casa dos 561,61%. Hoje, a rentabilidade total está em 367,99%.

QR Blockchain

Totalmente alocado em criptomoedas, o QR BLOCKCHAIN ASSETS FIM IE quer expor o investidor ao que chama de "indústria blockchain". Composto principalmente por investimentos no exterior (67,58%), o fundo conta com rentabilidade de 260,83% nos últimos dois anos. No entanto, com 968 cotistas, está de olho em um investidor mais experiente no mercado, com um aporte inicial mínimo de R$ 10 mil.

Hashdex II: fundo de criptoativo com R$ 319 mi

Outro fundo de investimentos multimercado da Hashdex, administrado pela BTG Pactual, que conta com um patrimônio líquido de R$ 319,31 milhões. Diversificado, com a carteira dividida em valores a receber (27,89%), títulos públicos (27,68%), cotas de fundos (15,32%), dentre outros, o HASHDEX CRIPTOATIVOS II FIM marca uma rentabilidade de 127,50% nos últimos 24 meses, mas com perdas no ano (-9,80%).

VTR QR Cripto

Administrado pela VORTX, o VTR QR CRIPTO FIM IE é um fundo dominado pelos investimentos no exterior (64,67%) que, com quatro cotistas, está com um patrimônio líquido na casa dos R$ 216,54 milhões. Assim como os outros fundos, impressiona na rentabilidade dos últimos 24 meses (274,45%), marcada pela valorização das criptomoedas, o principal foco do VTR QR CRIPTO FIM IE.

Bohr Arbtrage

Negociado desde junho de 2020, o BOHR ARBITRAGE CRIPTO FIM IE tem um portfólio formado principalmente por posições compradas e vendidas nas moedas mais líquidas do mercado cripto, fazendo com que a carteira seja quase que totalmente comprometida com investimentos no exterior (94,89%). Muito novo, ainda não tem um histórico tão atraente de rentabilidade, mas chama a atenção por seguir um caminho contrário do restante do mercado na rentabilidade do mês, ficando no verde (1,42%).

QR BTC

Primeiro fundo 100% Bitcoin da América Latina, o QR BTC MAX FIM IE permite aos seus clientes uma posição indireta no ativo. Ideal para Investidores Qualificados, o fundo começou a ser negociado em setembro de 2020 e conta com pouco mais de R$ 7 milhões de patrimônio líquido, com 350 cotistas.

Hashdex I

Com uma base de cotistas de 21,30 mil investidores, o HASHDEX BITCOIN I FIM tem sua carteira quase que totalmente dedicada às cotas de fundos (95,60%) e com foco, principalmente, no Bitcoin. Por conta da variabilidade da moeda nos últimos meses, o fundo registrou quedas consecutivas no ano (-28,91%), no mês (-13,34%) e nos últimos 12 meses (-44,32%), mas ainda mantendo rentabilidade total positiva.

Giant crypto: período de maior desvalorização

Fundo focado em investidores profissionais, o GIANT CRYPTO MASTER FIM IE começou a ser operado em maio de 2021 e, mesmo com pouco tempo de vida, já tem um patrimônio líquido de R$ 8,41 milhões. No entanto, vale dizer que o fundo pegou o período de maior desvalorização das criptomoedas e, por isso, se mantém no vermelho com rentabilidade total de -35,43% e oito meses no vermelho contra quatro no azul.

Titanium Cripto

Fundo de gestão ativa que tem como objetivo capturar oportunidades de investimento em todo o ecossistema do mercado de criptoativos. Desde abril de 2021, o TITANIUM CRIPTO GALAXY FIM IE acumula R$ 1,66 milhão de patrimônio líquido e focado essencialmente em ativos no exterior (74,43%).

VTR Cripto

Indo para além das criptomoedas mais conhecidas, o VTR CRIPTO SMART FIM IE é primeiro fundo de Smart Contracts do Brasil com gestão ativa focada nas chamadas Smartcoins. Novíssimo, negociado a partir de novembro de 2021, o fundo de patrimônio líquido de R$ 12,69 milhões está enfrentando quedas sucessivas, com perdas consideráveis na rentabilidade do ano (-42,91%) e também no mês (-19,49%).

Titanium IE

Negociado desde abril de 2021, o TITANIUM CRIPTO FIM IE é focado em Bitcoins, criptomoedas lastreadas em dólar, euro, entre outras moedas estrangeiras, bem como derivativos, negociados por meio de exchanges no exterior. Com R$ 62,66 milhões de patrimônio líquido e 19 cotistas, o fundo tem registrado bons resultados, apesar da instabilidade do mercado, com rentabilidade de 3,43% no ano.

Hashdex III

Com investimentos em mais de 10 criptomoedas, mas com foco no Bitcoin, o HASHDEX CRIPTOATIVOS III FIM IE conta com um patrimônio líquido de R$ 10,90 milhões. Apesar da rentabilidade total estar na casa dos 22,56%, também está enfrentando a turbulência do mercado com queda na rentabilidade de -22,38% no ano e -5,98% no mês, mas com os seus meses positivos (5) e negativos (6) em pé de igualdade.

VTR Defi

A partir de uma parceria entre a QR Asset Management e a Vitreo, surgiu este fundo, o primeiro 100% focado em DeFi do Brasil. Com isso, o VTR QR DEFI FIM IE coloca seu patrimônio líquido de R$ 62,65 milhões trabalhando em prol da economia das finanças descentralizadas, intimamente ligadas com as tecnologias de blockchain e criptomoedas. Hoje, porém, a rentabilidade do fundo está em baixa, com uma queda acentuada de -71,03% no acumulado dos últimos 12 meses, seguindo a onda do mercado.

Giant Satoshi II

Fundo do Banco Genial, o GIANT SATOSHI II MASTER FI MULT IE busca investir até 100% de seu patrimônio de criptoativos, indiretamente com participação em fundos de investimento, derivativos
e/ou outros valores mobiliários com lastro em criptoativos, ou pela aquisição dos ativos digitais em si em
ambientes regulados no exterior. Em operação desde outubro de 2021, o fundo acumula patrimônio de R$ 25 milhões, mas uma rentabilidade total em baixa, seguindo o mercado, na casa dos -49,98%.

Crypto Strategy

Fundo administrado pela VORTX, o CRYPTO STRATEGY FI MULT IE começou a operar no final de 2021 e conta atualmente com um patrimônio líquido tímido, na casa dos R$ 391,76 mil. Além disso, também foi muito prejudicado por conta da baixa das criptomoedas, com recuo de -20,95% na rentabilidade do ano.

Citrino Global

Fundo com gestão da Citrino Gestão de Recursos, o CITRINO GLOBAL FI MULT, totalmente focado em disponibilidades, nasceu junto com a onda de outros fundos de cripto, em julho de 2021, mas apresenta um resultado mais positivo do que a maioria dos concorrentes. No ano, valorização de 0,60%, enquanto no mês as perdas foram de -0,87%, mantendo um rentabilidade total positiva na casa dos 3,74%.

VTR NFT

Fundo focado em NFTs, colocando o patrimônio de R$ 21,55 milhões apenas em ativos digitais que tenham relação com os tokens não fungíveis. Com isso, o VTR CRIPTO NFT FI MULT IE aloca quase tudo em investimentos no exterior (94,66%), de olho na onda dessas obras de arte negociadas no ambiente digital. Apesar do tema estar em alta, os resultados do fundo acompanham a variação do mercado cripto, registrando perdas no ano de -54,62% e de -24,47% no mês, ficando com rentabilidade total de -58,84%.

Impetus

Com início de suas negociações no final de janeiro de 2022, o IMPETUS FI MULT IE ainda conta com poucos dados para entender seu desempenho enquanto registra 22 cotistas e patrimônio líquido na casa dos R$ 6,65 milhões. No mês, enquanto isso, a rentabilidade ficou no vermelho, em -10,10%.

Hashdex Nasdaq

Conhecido como HASH11, o HASHDEX NASDAQ CRYPTO INDEX FUNDO INDICE é um fundo de índice listado na B3 que replica o Nasdaq Crypto Index (NCI), índice que busca refletir globalmente o movimento do mercado de criptoativos. Primeiro ETF de criptos da B3, conta com mais de 120 mil cotistas em sua base e cerca de R$ 1,8 bilhão de patrimônio líquido diversificado em ativos digitais.

ETHE11

O ETHE11 é outro produto da Hashdex focado em criptoativos. Mas, desta vez, com um olhar único para a criptomoeda Ethereum, uma das mais negociadas. Atualmente, tem uma rentabilidade no mês de -7.33% e no ano de -30.75%, com patrimônio líquido sendo administrado já na casa dos R$ 150 milhões.

ETF de Bitcoin da QR

Com patrimônio líquido de R$ 178 milhões, o QR CME CF BITCOIN REFERENCE RATE ETF IE é o primeiro ETF voltado 100% para Bitcoin na América Latina. Conta, atualmente, com um patrimônio líquido de R$ 167,54 milhões e com os rendimentos acumulados em 2022 também negativos, em -29.10%.

Hashdex Nasdaq: fundo passivo de criptomoedas

Outro ETF focado totalmente em Bitcoin é o HASHDEX NASDAQ BIT REF P FUNDO DE INDICE que, com patrimônio líquido de R$ 259,88 milhões, redireciona todos os seus investimentos para o Bitcoin.

QR CME: ETF de Ethereum

Assim como o HASHDEX N. E. REF. PRICE FUNDO DE INDICE, o QR CME CF ETHER REFERENCE RATE ETF IE também é um ETF totalmente voltado para o Ethereum. O fundo conta com um patrimônio líquido na casa dos R$ 142 milhões e, no total, uma rentabilidade em baixa, de -22,65%.

QR Bloomberg Defi

Outro fundo focado em alocar seu patrimônio líquido em tecnologia de finanças descentralizadas, conhecida também como DeFi. Com isso, o QR BLOOMBERG DEFI FUNDO DE INDICE IE conta com um patrimônio líquido de R$ 39 milhões e com 2.740 cotistas movimentando sua carteira.

Hashdex Defi

Com patrimônio líquido de R$ 47,28 milhões, o HASHDEX DEFI INDEX FUNDO DE INDICE investe no mínimo 95% de seu patrimônio em cotas do fundo de índice alvo, o Hashdex DeFi Index ETF que, por sua vez, investe em ativos financeiros emitidos e/ou negociados no exterior, em particular, ativos que compõe o ecossistema de finanças descentralizadas (DeFi) ou em posições compradas no mercado futuro./Por Erick Matheus Nery

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!