Logo Mais Retorno
Empresa

Fundadores da Three Arrows Capital quebram o silêncio sobre o colapso do fundo de hedge de criptomoedas

‘Eles podem nos chamar de estúpidos ou delirantes. E eu vou aceitar isso’, disse Su Zhu, um dos gestores

Data de publicação:22/07/2022 às 11:48 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:

Após cinco semanas sem dar o ar da graça, os fundadores da Three Arrows Capital quebraram o silêncio e decidiram falar sobre o colapso de seu fundo de hedge, que desencadeou uma reação em cadeia que custou bilhões de dólares a instituições e pequenos especuladores.

Uma das alegações é que a especulação do mercado de criptomoedas desencadeou efeito em cascata sobre empréstimos que nunca deveriam ter sido feitos.

Three Arrows Capital
Após a derrocada do fundo de cripto 3AC, fundadores da Three Arrows Capital quebram o silêncio e falam sobre a falência - Foto: Envato

Aos 35 anos, Su Zhu e Kyle Davies transformaram o 3AC em um fundo gigante de criptomoedas antes de seu colapso levar credores à falência e ocasionar perdas acentuadas para o bitcoin e outros tokens.

De acordo com reportagem da Bloomberg, os sócios reconheceram que houve uma falha sistêmica de gerenciamento de risco em que o crédito de fluxo fácil piorou o impacto das apostas erradas.

Além disso, Zhu e Davies enfatizaram as perdas profundas que sofreram. “Eles podem nos chamar de estúpidos ou delirantes. E, eu vou aceitar isso. Talvez”, disse Zhu. 

“Mas eles vão, você sabe, dizer que eu fugi dos fundos durante o último período, onde na verdade coloquei mais do meu dinheiro pessoal de volta. Isso não é verdade.”

Su Zhu, da Three Arrows Capital

Falta de cooperação

Assessores encarregados de liquidar o fundo 3AC disseram, no último dia 8, que os sócios da Three Arrows Capital não cooperaram com eles e seu paradeiro era desconhecido. Zhu disse que as ameaças de morte os forçaram a se esconder. 

"Isso não significa que não estamos nos comunicando com todas as autoridades relevantes", disse Zhu na entrevista por telefone com Davies e dois advogados da Solitaire LLP. “Estamos nos comunicando com eles desde o primeiro dia.”

Os dois se recusaram a dizer onde estavam, mas um dos advogados na ligação disse que seu destino são os Emirados Árabes Unidos, que surgiu como um ponto de acesso para criptomoedas.

Apostas alavancadas

Os credores do fundo, recentemente registrados nas Ilhas Virgens Britânicas, apresentaram documentos dizendo que são devidos mais de US$ 2,8 bilhões em ações sem garantia. 

Até o momento, os liquidatários que supervisionam a insolvência ganharam o controle de ativos no valor de pelo menos US$ 40 milhões .

Zhu e Davies, considerados vozes vociferantes em uma indústria conhecida por seus extremos, fizeram negócios alavancados que colocaram o 3AC no centro de uma série de fortes quedas que convulsionaram o mercado de criptomoedas, à medida que os preços recuavam neste ano

 “Nós nos posicionamos para um tipo de mercado que acabou não acontecendo”, disse Zhu. 

Zhu, da Three Arrows Capital

“Acreditamos em tudo ao máximo”, acrescentou Davies. “Tínhamos todos os nossos, quase todos os nossos ativos lá. E então, nos bons tempos, fizemos o melhor. E então, nos maus momentos, perdemos mais.”

Sem discrepância

Ao mesmo tempo, Zhu e Davies apontaram uma confluência de apostas unidirecionais inter-relacionadas e acordos de empréstimos acomodatícios que explodiram de uma só vez, levando não apenas ao fim do fundo, mas à falência e resgates em empresas como Celsius, Voyager  e BlockFi . "Não é surpresa que a Celsius e nós mesmos tenhamos problemas ao mesmo tempo", disse Zhu. 

“Temos nosso próprio capital, temos nosso próprio balanço patrimonial, mas também recebemos depósitos desses credores e geramos rendimento sobre eles. Então, se estamos no negócio de receber depósitos e gerar rendimento, isso significa que acabamos fazendo negócios semelhantes.”

Difamação ou verdade?

Os esforços de Zhu e Davies para desviar a culpa são um forte contraste com a campanha anteriormente implacável da dupla de investidores em criptoativos

Os nervos foram abalados esta semana por alegações de credores de que os fundadores deram um adiantamento em um iate de US$ 50 milhões antes que o fundo falisse, uma alegação que Zhu disse ser parte de uma campanha de difamação.

O barco “foi comprado há mais de um ano e encomendado para ser construído e usado na Europa”, disse Zhu, acrescentando que o iate “tem um rastro de dinheiro completo”. 

Ele rejeitou a percepção de que desfrutava de um estilo de vida extravagante, observando que ia de bicicleta para o trabalho e voltava todos os dias e que sua família “só tem duas casas em Cingapura”. 

“Nunca fomos vistos em nenhum clube gastando muito dinheiro. Nunca fomos vistos dirigindo Ferraris e Lamborghinis por aí”, disse Zhu. 

Braço da Luna

Na entrevista, Davies e Zhu reconheceram grandes perdas relacionadas a negociações em Luna e na agora extinta stablecoin algorítmica TerraUSD, dizendo que foram pegos de surpresa com a velocidade do colapso desses tokens. 

“O que não percebemos foi que a Luna era capaz de cair para zero em questão de dias e que isso catalisaria um aperto de crédito em todo o setor que pressionaria significativamente todas as nossas posições ilíquidas”, disse Zhu.

Em retrospecto, disse Zhu, a empresa pode ter sido muito próxima do fundador da Terra, Do Kwon.

“Começamos a conhecer Do Kwon pessoalmente quando ele se mudou para Cingapura. E nós apenas sentimos que o projeto iria fazer coisas muito grandes - e já tinha feito coisas muito grandes”, disse ele ao descrever os erros de cálculo da empresa. 

Uma dessas negociações envolveu um token vinculado ao ethereum chamado Staked ETH, ou stETH – projetado para ser um proxy negociável para o ether e amplamente utilizado em finanças descentralizadas (DeFi).

Após a implosão de Luna, Zhu disse que os credores estavam “confortáveis” com a situação financeira da 3AC e que permitiram que eles continuassem negociando como “como se nada estivesse errado”. 

Como os processos judiciais revelaram recentemente, muitos desses empréstimos exigiam apenas uma quantidade muito pequena de garantia.

Bloqueado no GBTC

Outra negociação de alta que voltou a morder o 3AC foi através do Grayscale Bitcoin Trust , ou GBTC. O fundo fechado permite que pessoas que não podem ou não querem manter o bitcoin diretamente comprem ações de um fundo que investe neles. 

Por um tempo, o GBTC foi um dos poucos produtos de criptografia regulamentados pelos EUA, e com isso tinha um mercado já conquistado. Era tão popular que suas ações eram negociadas com um prêmio em relação ao valor do bitcoin que mantinha no mercado secundário.

Grayscale permitiu que grandes investidores como 3AC comprassem ações diretamente. Esses detentores de GBTC poderiam então vender as ações para o mercado secundário. 

Esse prêmio significava que qualquer venda poderia gerar um lucro atraente para os grandes investidores. Na época de seu último depósito no final de 2020, o 3AC era o maior detentor do GBTC, com uma posição de US$ 1 bilhão.

No entanto, a estratégia tinha um problema: as ações compradas diretamente da Grayscale eram trancadas por seis meses a cada interrupção. E a partir do início de 2021, essa restrição se tornou um entrave. 

O preço do GBTC caiu de um prêmio para um desconto – uma ação valia menos do que o bitcoin que a apoiava – pois enfrentava uma concorrência mais acirrada de produtos semelhantes. 

Com o passar dos meses, o desconto ficou cada vez mais amplo e a chamada negociação de arbitragem GBTC não funcionou mais, prejudicando especialmente os investidores que usaram alavancagem para tentar aumentar os retornos.

Sem retornos, sem risco

Em resposta a perguntas sobre o que deu errado na empresa, Zhu citou o excesso de confiança nascido de um mercado altista de vários anos que infundiu não apenas ele e Davies, mas quase toda a infraestrutura de crédito do setor, no qual os credores viram seus valores aumentarem em virtude do financiamento de empresas como a dele.

“Sempre houve uma compreensão do que eles estavam se metendo – essa era uma empresa arriscada”

Zhu

“Para nós, se você for ao nosso site, sempre pontuamos nossa isenção de responsabilidade sobre o risco de criptomoedas. Nunca nos apresentamos como livres de risco e como um rendimento simples.”

Quando os mercados de criptomoedas começaram a ceder em maio, “atingimos todas as chamadas de margem”, disse ele. “E, então, as pessoas entenderam que havia um risco envolvido", conclui.

Leia mais

Fundos que investem na queda de Petrobras, conheça 7 deles (maisretorno.com)
Big techs: balanços surpreendem, mas perspectivas ainda não são boas (maisretorno.com)
Bolsa sobe, puxada por Vale e empresas de mineração e siderurgia (maisretorno.com)
Empresas de valor: o que são e por que podem proteger o patrimônio (maisretorno.com)

Sobre o autor
Julia Zillig
Repórter do Portal Mais Retorno.