Logo Mais Retorno
Renda Fixa

Pré, Pós ou híbrido? Qual título de renda fixa devo investir?

Qualquer formação de riqueza passa necessariamente por 3 pontos: Uma renda que cresce ao longo do tempo; Permitindo receitas acima das despesas; Cuja diferença é investida…

Data de publicação:25/07/2019 às 16:08 -
Atualizado 14 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Qualquer formação de riqueza passa necessariamente por 3 pontos:

  1. Uma renda que cresce ao longo do tempo;
  2. Permitindo receitas acima das despesas;
  3. Cuja diferença é investida para aumentar o patrimônio.

Dito isso, um investidor precisa selecionar as suas prioridades em função da ordem cronológica da vida. As necessidades de curto prazo devem ser supridas antes dos objetivos de médio e longo prazo para que sobre dinheiro sempre.

Para novos investidores encontrar tantas opções de títulos no mercado pode parecer uma tarefa difícil. Mas investir é muito mais fácil do que você imagina. E é isso o que você vai descobrir na sequência.

O que é um título de renda fixa?

Um título de renda fixa é uma aplicação com as seguintes características:

  • Principal – o montante investido;
  • Juros – a taxa de remuneração (prefixada, pós-fixada ou atrelada a um índice);
  • Vencimento – por quanto tempo o dinheiro ficará investido.

Sua tributação é em função do prazo:

  • 22,50% para valores (juros e principal) creditados em 6 meses;
  • 20,00% para valores (juros e principal) creditados entre 6 e 12 meses;
  • 17,50% para valores (juros e principal) creditados entre 12 e 18 meses;
  • 15,00% para valores (juros e principal) creditados após 24 meses;

Transações com títulos, realizadas em um período inferior a 30 dias, sofrem ainda a incidência do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) que segue uma tabela regressiva própria.

Conhecer o seu emissor é fundamental, visto que ele pode ser tanto um agente público (governo) como privado (empresas e bancos).

Título público

Investir em um título público nada mais é do que emprestar dinheiro para o governo financiar atividades como saúde e educação. Como garantia para o pagamento do empréstimo, ele conta com os impostos e as taxas que arrecada, além dos dividendos das estatais.

É por isso que o título público é considerado o investimento mais seguro do mercado.

Adquiri-lo não é difícil. Basta entrar na plataforma do Tesouro Direto e escolher em função de:

  • Vencimento – prazo;
  • Taxa de rendimento (% ao ano) – é a taxa de juros;
  • Valor mínimo – 1% do valor do título, valor mínimo para investir;
  • Preço unitário – quando custa adquirir cada título.

Em relação à rentabilidade, cada título tem a sua própria forma de remuneração:

  • Tesouro IPCA+ - remunera pela taxa oficial de inflação, além de uma taxa de juros adicional (exemplo típico de um papel híbrido);
  • Tesouro Prefixado – os juros (nominais) são indicados no momento da aplicação;
  • Tesouro Selic – remuneração pós-fixada, conforme taxa definida pelo Banco Central (BC).

Caso não seja possível comprar um título inteiro, pode-se estipular mensalmente um valor para cobrir o valor mínimo e selecionar a data para a opção de aplicação automática junto à corretora.

Título privado

O título privado, por oferecer um retorno maior que o título público, é mais arriscado. Isso se deve ao fato de depender, entre outras coisas, da saúde financeira da empresa ou instituição financeira que o emite.

Portanto, para quem o adquire, é importante conhecer a dinâmica do setor e quão experiente é a sua gestão.

Os elementos que identificam um título privado são parecidos com o título público, contendo algumas informações a mais:

  • Emissor - a empresa ou banco que está emitindo o papel;
  • Preço – o valor necessário para a compra de um título:
  • Juros – a remuneração prometida ao investidor:
    • Fixa - taxa nominal prefixada;
    • Variável - segue o CDI para os papéis pós-fixados ou um índice de preço (IPCA) acrescido de uma remuneração para os papéis híbridos.
  • Vencimento – prazo para a devolução do montante investido;
  • Rating – nota que indica a capacidade de pagamento do emissor.

Os títulos privados mais comuns do mercado de capitais, emitidos por empresas, são:

  • Debêntures – financiam os projetos de investimentos das empresas ou reestruturam o perfil de suas dívidas;
  • Debêntures de infraestrutura - semelhantes às debêntures, servem para os projetos de longo prazo; ou seja, os de infraestrutura portuária, rodoviária, de energia elétrica, entre outros;
  • Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) – direcionados às operações de empresas de construção civil, seja diretamente na construção ou no financiamento em si;
  • Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA) – semelhantes ao item anterior, financiam os agentes de qualquer parte da cadeia do agronegócio.

Sendo papéis com liquidez menor e mais sujeitos a grandes oscilações de preços, o investidor deve dar preferência para empresas que já acessam o mercado de títulos com frequência como também para as grandes emissões.

Excluindo-se as debêntures, todas as demais opções oferecem isenção de imposto de renda para a pessoa física.

No caso dos títulos bancários, temos:

  • Certificado de Depósito Bancário (CDB) – aplicação tradicional e bastante conhecida do público investidor;
  • Letra Financeira - é a “debênture dos bancos”;
  • Letra de Crédito Imobiliário (LCI) - semelhante ao CRI;
  • Letra de Crédito do Agronegócio (LCA) - semelhante ao CRA;
  • Letra de Câmbio (LC)– papéis de emissão das financeiras, que viabilizam o consumo a prazo.

Por serem de responsabilidade das instituições financeiras, são amparados pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC), com exceção da Letra Financeira.

Qual título de renda fixa escolher?

O seu projeto de vida é que define qual o melhor título. Isso porque cada objetivo de curto, médio e longo prazo implica necessariamente em dois elementos:

  • Custo: o quanto que você vai precisar para realizá-lo;
  • Tempo: o prazo para alcançá-lo, dado o valor necessário e a sua disponibilidade financeira.

Seguindo a ordem da meta mais recente para a mais distante, vamos analisar qual título seria mais adequado para cada caso.

Reserva para emergências

É o dinheiro que precisa ser acessado a qualquer momento. A escolha recai sobre o Tesouro Selic 2025, título público bastante conservador, com remuneração pela Selic, e facilmente vendido no mercado.

Férias

Se elas estiverem programadas para ocorrer em até um ano e meio, o exemplo anterior também é aplicável, podendo ainda ser substituído por um CDB pós-fixado de mesmo prazo, atentando sempre para a alíquota de imposto de renda (IR).

Uma ressalva é feita para os períodos sabáticos no exterior. Por envolverem moedas estrangeiras, títulos de renda fixa não são os mais adequados.

Educação

São os cursos previstos para no máximo 5 anos.

As opções são maiores, podendo ser:

  • Título público prefixado (Tesouro Prefixado 2022) ou, caso seja mais conservador, um título público híbrido atualizado pela inflação (Tesouro IPCA+ 2024);
  • Qualquer título privado pós-fixado com vencimento em 5 anos ou isento de imposto de renda como os CRIs/LCIs e os CRAs/LCAs.

Para a formação dos filhos, todos os títulos híbridos são aplicáveis, tanto os públicos como os privados, pois garantem o poder de compra ao longo do tempo. O que vai definir a escolha é a:

  • Qualidade do emissor;
  • Taxa oferecida;
  • Preferência pela garantia do FGC (presente apenas nos títulos bancários);
  • Tributação (isenção de IR ou não).

Mobilidade

Financiamentos de 60 meses ou planos de consórcio de prazo similar podem ser substituídos por uma compra planejada. Os valores mensais a serem investidos são bastante acessíveis pois não incluem as taxas e os impostos cobrados nas operações de crédito. Suas aplicações incluiriam:

  • Títulos públicos: híbridos como o Tesouro IPCA+ 2024 ou pós-fixados como o Tesouro Selic 2025;
  • Títulos privados: híbridos como as debêntures de infraestrutura ou pós-fixados, como os bancários.

Moradia própria

A casa própria é o maior ativo que as famílias possuem. Dado que poucos podem pagá-la à vista, o recomendado, financeiramente falando, é dar a maior entrada possível.

Um título público híbrido (Tesouro IPCA+ 2024 ou de vencimento maior) ou qualquer debênture de infraestrutura, que possui prazos mais longos além da isenção de imposto, são as opções mais adequadas.

Aposentadoria

Você pode bancar a sua própria aposentadoria, desde que atente para essas 2 etapas:

  1. Formação da reserva – o hábito da aplicação mensal, onde incidirão os juros;
  2. Retirada mensal ou periódica – momento em que a reserva passa a ser consumida como renda.

Para a reserva, quanto mais longo o prazo em que os recursos permanecerem aplicados, melhor. Assim, o título a ser escolhido precisa:

  • Ter qualidade;
  • Manter o poder de compra;
  • Remunerar a taxas atrativas.

Não havendo a necessidade de receber o dinheiro até a data da aposentadoria, você pode ainda descartar os papéis que pagam juros intermediários, evitando assim qualquer tributação ao longo do caminho.

Para prazos muito extensos, o mercado só oferece títulos públicos (Tesouro IPCA+ 2035 e Tesouro IPCA+ 2045), o que não impede que sejam complementados por títulos privados de qualquer natureza.

Isso vai fazer a diferença na hora de usufruir a aposentadoria: a combinação de papéis públicos e privados, que pagam juros em meses diferentes, garante um fluxo de receitas durante todo o ano. Isso obviamente dependerá dos títulos escolhidos, mas é possível usar um exemplo a título de ilustração:

  • 50% do patrimônio aplicado em papéis Tesouro IPCA+ com vencimento em anos pares (finais 2, 4, 6, etc) – o pagamento de juros semestrais ocorre em fevereiro e agosto;
  • 50% restantes aplicados em papéis Tesouro IPCA+ com vencimento em anos ímpares (finais 1,3, 5, etc) – o pagamento de juros ocorre em maio e novembro.

Seguindo o cronograma, o investidor tem a sua renda depositada a cada 3 meses.

Conclusão

Seus objetivos e metas definem os títulos de renda fixa mais adequados e não o contrário. Enquanto todos estão tentando vender a “melhor aplicação”, seja por blog, “live” ou vídeo, ninguém está vendo o que o principal interessado (você) realmente quer.

Sobre o autor
Nohad Harati
Possui MBA em Finanças e LLM em Direito do Mercado Financeiro (ambos pelo Insper/SP). É gestora de uma carteira proprietária, além de ser responsável por um Family Office.