Logo Mais Retorno
Copom e ata
Economia

Ministério da Economia eleva projeção de PIB em 2022 de 1,50% para 2,00%

Para o ano seguinte, a Pasta manteve a estimativa para o indicador em 2,50%

Data de publicação:14/07/2022 às 11:48 -
Atualizado 2 anos atrás
Compartilhe:

Enquanto o mercado tem revisado para cima suas expectativas para o crescimento da atividade econômica em 2022 e para baixo as projeções para 2023, o Ministério da Economia aumentou seu otimismo para a alta do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano e manteve as premissas para o próximo.

Na grade de parâmetros divulgada nesta quinta-feira, 14, pela Secretaria de Política Econômica (SPE), a estimativa para a expansão da atividade em 2022 passou de 1,50% para 2,00%. A projeção anterior havia sido mantida no relatório de maio.

PIB
Ministério de Economia subiu as estimativas para o PIB de 2022 - Foto: Reprodução

Segundo o Boletim Macrofiscal, a revisão da atividade econômica de 2022 decorreu das pesquisas mensais do IBGE já divulgadas, como a Pesquisa Industrial Mensal, a Pesquisa Mensal de Serviços e a Pesquisa Mensal de Comércio.

"Outro fator que fundamenta a mudança da projeção do PIB neste ano se deve às alterações no mercado de trabalho e na massa de rendimento real".

Ministério da Economia, em documento

Na contramão do mercado, porém, o ministério manteve as projeções de crescimento da economia de 2023, 2024, 2025 e 2026: todas em 2,50%.

"Os dados de mercado de trabalho e de investimento auxiliam na fundamentação das projeções de crescimento para 2022 e 2023. Ao mesmo tempo, existem riscos neste ano a serem monitorados, notadamente a guerra na Ucrânia e seus impactos na economia brasileira e no crescimento global, tais como possíveis quebras de cadeias globais de valor afetando a oferta, deterioração das condições financeiras e efeitos do conflito sobre o comércio internacional e o balanço de pagamentos do Brasil. Além disso, os impactos decorrentes da pandemia sobre o crescimento econômico e a inflação continuam sendo avaliados".

Ministério da Economia

No último Boletim Focus, os analistas de mercado consultados pelo Banco Central estimaram uma alta de 1,59% para o PIB de 2022. Para 2023, a estimativa no Focus é de alta de apenas 0,50%. As estimativas de mercado para os anos de 2024 e 2025 estão em 1,80% e 2,00%, respectivamente.

IPCA

O Ministério da Economia revisou para baixo sua projeção para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2022. De acordo com a nova grade de parâmetros macroeconômicos da pasta, a estimativa para a alta de preços neste ano passou de 7,90% para 7,20%. Para 2023, no entanto, a projeção aumentou de 3,60% para 4,50%.

De acordo com a SPE, as projeções de inflação para 2022 incorporam o impacto de medidas legislativas aprovadas nos preços de combustíveis, energia elétrica e comunicação.

No último relatório Focus, os analistas de mercado consultados pelo Banco Central estimaram que o IPCA deve acumular alta de 7,67% em 2022 e de 5,09% em 2022.

Todas as projeções para a inflação em 2022 estão bem acima do centro da meta deste ano, de 3,50%, que tem uma margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (índice de 2,00% a 5,00%). No caso de 2023, a meta é de 3,25%, com margem de 1,5 ponto (1,75% a 4,75%).

O Ministério da Economia também atualizou a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) - utilizado para a correção do salário mínimo. De acordo com a nova grade de parâmetros macroeconômicos da pasta, a estimativa para a alta do indicador neste ano passou de 8,10% para 7,41%. Para 2023, a projeção passou de 3,70% para 4,86%.

Já a estimativa da Economia para a alta do IGP-DI em 2022 passou de 11,40% para 11,51%. Para o próximo ano, a projeção passou de 4,57% para 4,55%. / com Agência Estado

Leia mais

Fundos multimercado: os maiores não protegem o patrimônio do cotista (maisretorno.com)
Entenda por que os fundos de ações globais estão caindo em 2022 (maisretorno.com)
CVM edita novo marco regulatório para simplificar ofertas públicas (maisretorno.com)
Bolsa opera em queda com risco fiscal, commodities e exterior; dólar sobe (maisretorno.com)

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

® Mais Retorno. Todos os direitos reservados.

O portal maisretorno.com (o "Portal") é de propriedade da MR Educação & Tecnologia Ltda. (CNPJ/MF nº 28.373.825/0001-70) ("Mais Retorno"). As informações disponibilizadas na ferramenta de fundos da Mais Retorno não configuram um relatório de análise ou qualquer tipo de recomendação e foram obtidas a partir de fontes públicas como a CVM. Rentabilidade passada não representa garantia de resultados futuros e apesar do cuidado na coleta e manuseio das informações, elas não foram conferidas individualmente. As informações são enviadas pelos próprios gestores aos órgãos reguladores e podem haver divergências pontuais e atraso em determinadas atualizações. Alguns cálculos e bases de dados podem não ser perfeitamente aplicáveis a cenários reais, seja por simplificações, arredondamentos ou aproximações, seja por não aplicação de todas as variáveis envolvidas no investimento real como todos os custos, timming e disponibilidade do investimento em diferentes janelas temporais. A Mais Retorno, seus sócios, administradores, representantes legais e funcionários não garantem sua exatidão, atualização, precisão, adequação, integridade ou veracidade, tampouco se responsabilizam pela publicação acidental de dados incorretos.
É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos, ilustrações ou qualquer outro conteúdo deste site por qualquer meio sem a prévia autorização de seu autor/criador ou do administrador, conforme LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
® Mais Retorno / Todos os direitos reservados