Economia

Os juros futuros sobem neste início de semana, tanto nos contratos de vencimento mais próximos como nos mais longos. Veja quais são as razões e de quanto foi a alta de sexta-feira para hoje.

Alguns fatores podem explicar, em boa dose, a reação de alta dos mercados.

dólar em alta e juros futuros
Tensão nos mercados globais mantém dólar em alta e mexe com emergentes

Lá fora, a inesperada demissão do presidente do Banco Central da Turquia traz instabilidade aos mercados internacionais, provocando uma valorização do dólar diante de outras moedas.

O receio é que a troca no comando do BC traga fragilidade à condução da política econômica naquele país, que vinha conseguindo uma certa estabilidade elevando os juros. 

O temor de que isso provoque uma reação em cadeia em outros países emergentes respinga nos mercados globais. O investidor, por sua vez, costuma dar preferência para a segurança em momentos de tensão. Há uma corrida para os títulos do Tesouro americano, o que valoriza o dólar frente às demais divisas.

Os juros futuros sobem no mercado doméstico porque assimilam e embutem essa perspectiva nos contratos fechados no mercado à vista.

Internamente, mais uma pressão altista para os juros. Houve uma revisão na estimativa de juros pelo mercado, a que vai estampada no Boletim Focus do Banco Central. Toda segunda-feira, esse boletim traz as projeções de analistas de bancos e instituições financeiras para a inflação, os juros, o câmbio e a evolução do PIB (Produto Interno Bruto).

O mercado passou a apostar que a Selic chegará a 5% em dezembro deste ano, a projeção anterior era de 4,5%. O ajuste se deu diante de uma inflação também mais alta, de 4,71% na estimativa do último Focus, frente aos 4,60% da semana passada.

Projeções para os juros futuros

Pelos níveis de contratos fechados hoje no mercado futuro, o mercado espera por uma taxa de 5,59% para julho de 2022, diante de 5,49% na sexta-feira. E para julho de 2024, as taxas subiram de 7,32%, na sexta-feira, para 7,59% nesta segunda.

Nos prazos mais longos, o comportamento também foi de alta: para janeiro de 2027, as taxas passaram de 7,99% para 8,31%; para janeiro de 2028, de 8,15% para 8,48%, e para janeiro de 2029, de 8,28% para 8,60%.

Essas taxas refletem a expectativa de investidores de qual seria a Selic na data de vencimento do contrato. Enfim, quanto o mercado espera de alta dos juros nos próximos meses ou anos.

Imagem do autor

Editora do Portal Mais Retorno.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Economia
Economia
Economia
Economia