Logo Mais Retorno
INCC-M
Economia

INCC-M sobe 2,81% em junho, ante 1,49% em maio, aponta FGV

Avanço no indicador foi puxado pelo aumento do custo com mão de obra, que saltou de 1,43% para 4,37%

Data de publicação:27/06/2022 às 10:38 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) subiu 2,81% em junho, após alta de 1,49% em maio, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta segunda-feira, 27. Com o aumento na margem, a taxa acumulada em 12 meses pelo índice avançou de 11,20% para 11,75% no período.

A aceleração do INCC-M foi puxada por itens como mão de obra, que saltou de 1,43% para 4,37% em junho. O índice de materiais, equipamentos e serviços, por sua vez, arrefeceu de 1,55% para 1,40%, com alívio disseminado entre materiais e equipamentos (1,67% para 1,58%) e serviços (0,92% para 0,50%).

INCC-M
INCC-M sobe 2,81% em junho, aponta FGV, impulsionada pela alta em mão de obra - Foto: Reprodução

Nas aberturas, todos os componentes da mão de obra registraram avanço expressivo: auxiliar (1,50% para 4,40%), técnico (1,39% para 4,60%) e especializado (1,29% para 3,41%).

Já em materiais e equipamentos, houve decréscimo da taxa em materiais para instalação (0,11% para -0,01%) e equipamentos para transporte de pessoas (2,37% para 0,33%), enquanto materiais para estrutura (2,39% para 2,62%) e materiais para acabamento (1,04% para 1,05%) aceleraram.

Todos os componentes do índice de serviços arrefeceram: aluguéis e taxas (1,35% para 0,58%), serviços pessoais (0,78% para 0,53%) e serviços técnicos (0,49% para 0,37%).

Influências

As maiores pressões para cima sobre o INCC-M partiram de ajudante especializado (1,26% para 4,58%), servente (1,89% para 4,13%), vergalhões e arames de aço ao carbono (3,49% para 6,76%), pedreiro (1,05% para 5,08%) e carpinteiro (fôrma, esquadria e telhado, 1,43% para 4,56%).

Em contrapartida, pressionaram o índice para baixo condutores elétricos (-0,52% para -4,33%), tubos e conexões de ferro e aço (0,07% para -0,74%) e placas cerâmicas para revestimento (0,47% para -0,37%), seguidos por pias, cubas e louças sanitárias (1,38% para -0,14%) e rodapé de madeira (1,32% para -0,23%).

Alta em quase todas as capitais

Na passagem de maio para junho, o INCC-M acelerou em cinco das sete capitais acompanhadas pela FGV: Brasília (1,94% para 2,47%), Recife (1,98% para 5,28%), Rio de Janeiro (1,87% para 2,80%), Salvador (1,00% para 1,42%) e São Paulo (1,56% para 4,11%). Já Belo Horizonte (1,06% para 0,50%) e Porto Alegre (1,08% para 0,43%) tiveram alívio na margem. / com Agência Estado

Leia mais

Crise econômica: quais os melhores setores para investir na recessão? (maisretorno.com)
Petrobras: risco político pode afetar suas ações (maisretorno.com)
XP lança faculdade com graduação a custo zero, MBAs e cursos livres (maisretorno.com)

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

Inscreva-se em nossa newsletter