Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Halving do Bitcoin: o que é, como funciona e qual sua importância

O processo é de redução na emissão da moeda digital e sua finitude deve manter potencial de valorização

Data de publicação:23/03/2022 às 00:30 -
Atualizado 2 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Um dos grandes diferenciais do bitcoin, enquanto criptomoeda, está na sua característica finita. Isto é, não será possível emitir novas unidades eternamente, pois em um determinado momento as negociações serão única e exclusivamente com as moedas digitais que já tenham sido emitidas e estejam em circulação.

finanças descentralizadas
Halving significa redução na produção de bitcoins - Foto: Envato

Embora esse cenário ainda esteja um pouco distante de acontecer, essa dinâmica em relação ao bitcoin ocorre em função de um processo pré-definido desde o lançamento da criptomoeda: o halving. No artigo de hoje, vamos entender o que é esse evento e qual a sua importância para garantir que não serão emitidas moedas eternamente no longo prazo.

O que é o halving do bitcoin?

O termo "halving", em inglês, significa reduzir pela metade. E é justamente o que acontece quando chega o momento do efeito ser aplicado sobre a criptomoeda mais popular do nosso planeta.

Para que isso fique mais claro, você primeiramente precisa entender que os bitcoins são produzidos pelos usuários em um processo de mineração. Cada bitcoin gerado por um minerador deve se encaixar em uma sequência de blocos, que é conhecido como o sistema blockchain.

É justamente esse encaixe, que ocorre em formato de código, que confere uma das principais características da criptomoeda: a segurança e a dificuldade em invadir o sistema. Tudo foi projetado minuciosamente pelo inventor dessa moeda digital, inclusive a proposta de ter um esgotamento das suas unidades fixado em 21 milhões de ativos.

É neste ponto que entra o processo de halving. A cada quatro anos, a produção de novos bitcoins cai pela metade. E isso vai se repetir ao longo dos próximos ciclos, até que essa meta proposta seja atingida — e, então, a produção será encerrada.

O halving do bitcoin na prática

Inicialmente, a emissão diária de bitcoins foi definida em 7.200 moedas digitais. Esse número acaba sofrendo uma divisão de acordo com a efetiva realização do halving.

Até a última atualização deste artigo, em março de 2022, o halving do bitcoin aconteceu em três oportunidades:

  • Novembro/12: a produção de bitcoins sofreu sua primeira redução, passando de 7.200 para 3.600 moedas diárias.
  • Julho/16: novamente houve uma queda em 50% das produções diárias de bitcoin, com uma redução de 3.600 para 1.800 moedas digitais.
  • Maio/20: o último halving do bitcoin aconteceu no dia 11 de maio de 2020, quando a produção diária de Bitcoin desceu de 1.800 para 900 moedas digitais.

A tendência é que o próximo halving ocorra no ano de 2024. Seguindo a lógica que você já aprendeu hoje, portanto, a produção diária dessa criptomoeda deve ser ajustada de 900 para 450. E assim sucessivamente, até que ela seja zerada. As estimativas apontam que isso deva acontecer no ano de 2140.

Como funciona o halving do bitcoin?

Conforme adiantamos no tópico anterior, a produção de bitcoins é feita por meio da mineração dessa criptomoeda. Entretanto, ao contrário de ativos tradicionais, como o ouro, esse processo não é físico. Ele acontece por meio de computadores com tecnologia avançada, pois não se trata de uma operação simples.

Quando a máquina consegue identificar um código exato para encaixar um novo bloco na cadeia blockchain, então o responsável pela mineração recebe essa moeda virtual como uma espécie de premiação. Não por acaso, diversos investidores adquiriram máquinas potentes e com capacidade de executar esse processamento em busca da criptomoeda.

É por meio dessa recompensa financeira que o halving acontece. A premiação por bloco minerado, afinal, cai pela metade. Ou seja, a quantidade de blocos de cada halving não se altera. O que muda, na prática, é a remuneração por cada unidade cujo valor é reduzido em 50% a cada ciclo.

Como essa é a única forma de adicionar novos bitcoins ao mercado, a redução na recompensa é suficiente para garantir que as criptomoedas sejam controladas a cada quatro anos, permitindo uma menor oferta do ativo conforme o passar dos anos. Atualmente, a recompensa para cada bloco minerado é de 6,25 bitcoins.

Qual é o efeito do halving sobre o preço do bitcoin?

Uma curiosidade comum em relação ao halving está no entendimento sobre como essa prática do mercado da moeda digital impacta no seu preço. Afinal, é natural que uma condição mercadológica tenha influência sobre as negociações dos investidores, não é mesmo?

Geralmente, há sim um efeito positivo sobre o valor da criptomoeda, oferecendo um forte potencial de valorização para quem possui bitcoins em carteira. Nos dois primeiros eventos de redução na produção da moeda, o seu preço subiu acima de 2.000%. O aumento de valor, claro, não é imediato, mas acaba se verificando ao longo do próximo ciclo.

No último halving, que ocorreu em 2020, a valorização foi mais tímida. Desde então, o bitcoin aumentou seu preço acima de 500%. No entanto, as quedas recentes pelo cenário econômico adverso reduziram os ganhos para próximo de 300% desde então — o que não deixa de ser um resultado espetacular, especialmente quando comparamos com ativos tradicionais do mercado financeiro.

Esse efeito de valorização é normal na medida em que o corte na produção de bitcoins gera uma escassez da criptomoeda. No entanto, nunca compre uma moeda digital apenas por isso, pois os fundamentos precisam ser mantidos para que a valorização seja verificada. Existem, afinal, inúmeras variáveis que influenciam a sua precificação.

Qual é a importância do halving para o mercado de bitcoins?

A principal função do halving está no controle da oferta do bitcoin, algo que afeta diretamente a inflação dessa criptomoeda. Ou, no caso, impede que ela sofra de maneira tão brusca com os efeitos negativos desse efeito econômico.

Na prática, um dos grandes responsáveis pela inflação (ou pela desvalorização cambial de uma moeda) é a emissão de dinheiro em circulação por parte do governo. Isso é feito com frequência como estímulo econômico, conforme aconteceu até mesmo durante a pandemia, por exemplo.

Como há uma limitação na produção de bitcoins e isso torna a criptomoeda finita, a tendência é justamente a oposta. Isto é, uma vez que não serão emitidos novos bitcoins eternamente, a expectativa é que o ativo se valorize ao longo do tempo (ao invés de ser depreciado) em função da sua demanda limitada.

Portanto, o halving tem uma grande importância dentro do ecossistema do bitcoin e contribui para algumas das características que despertam a atenção dos investidores com essa criptomoeda. Para seguir aprendendo sobre os investimentos em ativos digitais, não deixe de acompanhar o nosso portal, pois seguiremos trazendo conteúdo sobre esse universo.

Sobre o autor
Stéfano Bozza
Formado em Administração pela PUC-SP. Trabalhou em empresas do segmento financeiro (Itaú BBA) e varejo (BRMALLS) até 2016, quando iniciou a jornada de produção de conteúdo para a internet com foco em finanças.