Economia

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse no dia anterior, durante entrevista à TV Bloomberg, nos Estados Unidos, que a inflação no Brasil vai subir, mas que haverá crescimento neste ano e em 2022.

Um ano antes das eleições presidenciais, o chefe da equipe econômica também afirmou que teme o impacto do risco político nos mercados financeiros.

Foto: Edu Andrade/Ascom/Ministério da Economia inflação
Paulo Guedes | Foto: Edu Andrade/Ascom/Ministério da Economia

"Sim, a inflação vai subir, mas a política monetária está lá para conter a alta de preços", respondeu Guedes a uma pergunta sobre a pressão inflacionária no País. Segundo o ministro, metade da inflação brasileira vem atualmente dos preços de alimentos e da energia.

Guedes declarou que o Brasil tem uma democracia "vibrante", mas que há muito "barulho político". Ele disse que há no País uma "turma" que perdeu as eleições de 2018, mas "não aceita o resultado", em uma sugestão de que opositores tentam sabotar o governo.

Projeções econômicas

Durante a entrevista, o ministro criticou as projeções para a economia brasileira, disse que as estimativas se provarão erradas e previu que o Produto Interno Bruto (PIB) do país crescerá 5,5% este ano. "Crescimento não será problema. O problema é a inflação", declarou.

No Relatório Focus mais recente, divulgado nesta segunda-feira, 11, houve manutenção da mediana das previsões para o Produto Interno Bruto (PIB) de 2021, em 5,04%, mesma estimativa de quatro semanas atrás.

Já o Fundo Monetário Internacional reduziu um pouco a projeção do crescimento do Brasil para 2021, da estimativa de 5,3% divulgada em julho para 5,2% agora.

De acordo com Guedes, o Brasil terá uma recuperação forte, após os efeitos da pandemia de covid-19, porque o avanço da vacinação permitirá que as pessoas voltem ao trabalho de forma segura. Ele também disse que a estrutura regulatória do País mudou e que, por isso, o Brasil está agora "aberto a negócios".

Guedes está nos EUA para participar de reuniões do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do grupo das 20 maiores economias do mundo (G20), do qual o Brasil faz parte.

Mais cedo, o ministro também concedeu uma entrevista à CNN Internacional e falou sobre inflação, crescimento, pandemia e vacinação, empresas de offshore e o plano de crescimento verde para o País, que será apresentado na COP26, na Escócia, no mês que vem.

Discurso para o evento

A inflação será um dos principais temas que o ministro abordará durante o 44º encontro do Comitê Monetário e Financeiro Internacional do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Ele dirá que as novas restrições relacionadas à pandemia, combinadas com uma forte recuperação na demanda, levaram a gargalos de abastecimento global, reduzindo o ritmo de recuperação (principalmente para emergentes) e aumentando a pressão sobre a inflação.

Esta é uma das partes do discurso de Guedes, que se tornou público na véspera. Além do Brasil, ele também falará em nome de Cabo Verde, República Dominicana, Equador, Guiana, Haiti, Nicarágua, Panamá, Suriname, República Democrática de Timor-Leste e Trinidad e Tobago.

Vacinação e commodities

Segundo o discurso preparado pelo ministro, o progresso contínuo na vacinação é o fator mais importante por trás de uma forte e duradoura recuperação econômica.

"O apoio à política continua crítico, mas o foco deve mudar gradualmente em direção à sustentabilidade fiscal", considerará, acrescentando que a economia global continua a se recuperar, apesar das preocupações com o ressurgimento da pandemia.

Do lado positivo, de acordo com Guedes, os países exportadores de commodities inicialmente se beneficiaram da melhoria dos termos de troca, situação que, segundo ele, se inverteu parcialmente. "A lacuna de vacinação entre economias avançadas e emergentes está se fechando potencialmente e reduzindo cicatrizes nos emergentes", apontará.

O ministro comentará que, enquanto se veem revisões de alta no crescimento potencial para alguns países avançados, o grupo que representa chama a atenção para o impacto dinâmico das reformas estruturais em muitos emergentes, onde o foco está mudando da assistência de emergência para apoio direcionado e escopo fiscal de médio prazo.

"Dito isso, os países de baixa renda (PBR) ainda enfrentam uma implementação considerável de desafios de vacinação, incluindo acesso limitado a vacinas, e devem receber total apoio da comunidade internacional para melhorar suas perspectivas econômicas e de saúde, em última instância impactando a resiliência global à pandemia".

Trabalho

Um dos trechos da fala de Guedes salientará que o desempenho do mercado de trabalho deve melhorar. "Maior cobertura de vacinação e melhor apoio à renda direcionada aumentarão a participação no mercado de trabalho e abrirá oportunidades de emprego no setor de serviços. À medida que a mobilidade aumenta, os mercados de trabalho informais em emergentes e PBR provavelmente vão se recuperar a um ritmo forte, levando a uma redução do desemprego", dirá.

Consequentemente, conforme o ministro, com o trabalho melhorando o mercado de forma mais consistente, os governos devem buscar reformas estruturais para fechar a lacuna entre os segmentos informais e formais, aumentar as receitas fiscais e a cobertura de esquemas de proteção social.

Mais inflação

Voltando ao assunto da inflação, Guedes dirá que as pressões têm persistido em muitos países, em um contexto de uma recuperação ainda frágil.

"A inflação dos preços de bens e alimentos tem sido significativa e engloba itens essenciais da cesta de consumo. O aumento acentuado dos preços de energia está ampliando as pressões inflacionárias", enfatizará.

A resposta defasada da participação no mercado de trabalho, segundo o ministro, também poderá aumentar as pressões sobre a inflação do setor de serviços no futuro.

Ele lembrará que vários bancos centrais nos países emergentes estão apertando a política monetária, conforme necessário, para ancorar as expectativas de inflação e garantir que o crescimento potencial não seja afetado por dinâmicas inflacionárias adversas.

Já os bancos centrais nas principais economias têm destacado, até o momento, de acordo com Guedes, o caráter temporário da aceleração da inflação e sinalizando a intenção de reduzir os programas de compra de ativos em grande escala mais cedo do que o esperado.

O ministro ressaltará que as autoridades monetárias dos países avançados devem afinar a remoção do suporte quantitativo de forma cuidadosa, calibrada e comunicada para evitar "dinâmicas de mercado perturbadoras" e repercussões.

No entanto, alertará Guedes, os formuladores de políticas devem permanecer atentos a potenciais movimentos desordenados à medida que a economia mundial faz a transição de um período prolongado de condições financeiras extremamente frouxas. / com Agência Estado

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja mais Ver mais