Logo Mais Retorno
Fundos de Investimentos

ETFs de tecnologia: conheça 5 opções no mercado

Quem é entusiasta da inovação, ciência, informática e afins, pode ter interesse em um produto financeiro um pouco mais específico: os ETFs de tecnologia. Esse tipo…

Data de publicação:14/12/2021 às 09:00 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Quem é entusiasta da inovação, ciência, informática e afins, pode ter interesse em um produto financeiro um pouco mais específico: os ETFs de tecnologia.

Esse tipo de ativo financeiro, comercializado na Bolsa de Valores, costuma ter um baixo valor inicial e ajuda o investidor a ter certa participação em grandes companhias, como as big techs.

Nas próximas linhas, você vai conhecer as principais opções de ETFs do mercado da tecnologia e mais detalhes sobre essa aplicação financeira. Vamos lá?

Como funcionam os ETFs de tecnologia

Primeiro, vamos retomar o que é um ETF. Exchange Traded Fund é basicamente um fundo de índice, pois é um fundo de investimento cujos ativos financeiros seguem um benchmark. 

Um dos mais conhecidos é o BOVA11 — cesta de ativos com base no Ibovespa.

Ele pode ser de renda fixa ou renda variável e tem, necessariamente, uma gestão passiva. Ou seja, a sua composição segue o índice, não as preferências de um gestor. Os ETFs costumam ter pelo menos 95% do seu patrimônio no índice e o restante em posições compradas no mercado futuro, por exemplo.

E quando um ETF passa a ser considerado do setor da tecnologia?

É tão simples quanto você imagina: nesses ETFs, a maior parte dos ativos comprados são de empresas dessa área. Mas, na maioria dos casos, são empresas estrangeiras.

Por que tecnologia?

O ramo tecnológico sempre teve um ritmo acelerado de crescimento no mundo todo, mas os últimos anos mostraram uma evolução ainda mais exponencial. O que se deve também à pandemia e às soluções encontradas para o desafio do distanciamento social.

Entre as 50 maiores empresas do mundo, mais da metade têm base tecnológica (Tecnologia da Informação, e-commerce ou Comunicação).

E no Brasil a tendência é a mesma: a quantidade de empresas tecnológicas cresceu 210%, de 2011 a 2020. 

5 opções de ETFs de tecnologia para você investir

Você entendeu o sentido de comprar ETFs de tecnologia? Então, entre as 48 opções disponíveis na Bolsa, conheça as principais, da área tecnológica:

Investo FTSE Global Equities (WRLD11)

O WRLD11 contém mais de 9 mil empresas e ele replica um ETF estrangeiro, o VT (Vanguard Total World Stock). 

Isso significa que, em vez de acompanhar um índice nacional comum, esse ETF segue um fundo de índice estrangeiro — que, por sua vez, segue o índice FTSE Russell Global All-Cap. No VT, você encontra Apple, Microsoft e Amazon na maior parte da composição.

O porém é que ele ainda não começou a ser comercializado até a data deste artigo, mas a previsão é para outubro de 2021. Por esse mesmo motivo, ainda não há dados suficientes quanto à rentabilidade, histórico de cotas etc.

Mesmo assim, confira algumas das principais características do fundo:

  • taxa de administração: 0,3% a.a. + 0,8% (do ETF VT);
  • gestão: Investo;
  • administração: BNP Paribas Brasil.

Investo ETF MSCI US Technology (USTK11)

O USTK11, assim como o WRLD11, também replica um ETF estrangeiro. Inclusive, você vai perceber que isso é muito comum entre esses fundos de índice. 

O ativo acompanha o VGT (Vanguard Information Technology), composto por mais de 350 companhias americanas. Esse ETF segue o índice MSCI US IMI Information Technology 25/50, que tenta aproveitar o crescimento de diferentes subsetores da tecnologia, desde empresas de pequeno porte a mega corporações.

Conheça as características do USTK11:

  • taxa de administração: 0,64% a.a.;
  • gestão: Investo;
  • administração: BNP Paribas Brasil;
  • valor aproximado da cota: R$ 10.

It Now Tech (TECK11)

O TECK11 replica o NYSE FANG, que representa empresas como Facebook, Amazon e Netflix e Google, além de Tesla, Nvidia, Twitter e outras.

Veja só alguns detalhes do ETF:

  • taxa de administração: 0,25% a.a.
  • gestão: Itaú Unibanco;
  • administração: Itaú Unibanco;
  • valor aproximado da cota: R$ 56,40.

Trend ETF Nasdaq 100 (NASD11)

Esse ETF segue o desempenho das maiores empresas da Nasdaq, uma das bolsas americanas, por meio do NASDAQ 100 Index. 

Vale lembrar que ela, que é a segunda maior bolsa de valores do mundo, negocia as ações das principais organizações tecnológicas existentes.

Na composição do NASD11, também entram as tradicionais Amazon, Google e Microsoft, bem como Intel e PayPal.

Algumas das suas características são:

  • taxa de administração: 0,3% a.a.
  • gestão: XP Allocation Asset Management LTDA.;
  • administração: BNP Paribas Brasil;
  • valor aproximado da cota: R$ 11,99.

Ações Tech Brasil (TECB11)

Sentiu falta das empresas de tecnologia nacionais? Então TECB11 pode ser a sua escolha. 

O nome já diz tudo: o ETF replica o índice Ações Tech Brasil, que é uma carteira de organizações com sede — ou, pelo menos, com as suas operações mais importantes — em território brasileiro.

As empresas com maior peso no fundo são: Mercado Livre, PagSeguro e Stone.

O TECB11, que é o primeiro fundo de índice do mercado financeiro com foco no Brasil, tem os seguintes atributos:

  • taxa de administração: 0,6% a.a.;
  • gestão: Magnetis;
  • administração: BTG Pactual;
  • valor aproximado da cota: R$ 8,9.

Vale ressaltar que todos esses ETFs, por serem de renda variável, são tributados em 15% sobre os lucros obtidos na venda (Imposto de Renda). Além das taxas de administração, é importante considerar as de custódia e emolumentos, cobradas pela B3.

Outro ponto em comum, para a maioria deles, é que o investimento mínimo é de 10 cotas.

Possíveis riscos de ETFs de tecnologia

Todo ETF tem dois riscos principais: liquidez e performance. 

Se você precisar vender um fundo de índice, a diferença entre a cotação de compra e venda pode ser significativa. 

Outro cuidado que é interessante você ter ocorre no momento da análise da performance. O número que você observa nos documentos do produto pode não refletir a realidade devido à flexibilização na gestão da carteira. O que é algo normal e autorizado pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

Considerando o setor o qual o ETF faz parte, como é o caso da tecnologia, existem alguns cuidados a mais.

No geral, empresas que crescem muito rápido não sustentam esse crescimento no longo prazo. Esse é um ponto importante para você estar ciente, principalmente se o seu objetivo com esse produto de renda variável é garantir sua aposentadoria ou uma renda passiva.

Uma forma de amenizar essa desvantagem, é escolher ETFs com a composição mais equilibrada. Assim, em muitos casos, as ações mais caras são vendidas e as mais baratas, compradas.

Outra limitação dos fundos de índice, especificamente os da bolsa brasileira, é que eles unem empresas altamente lucrativas (como as FANG) junto a lojas físicas e outras empresas mais antigas, de tecnologia. 

O que é diferente de investir nos ETFs americanos, onde há opções de cestas mais homogêneas e com menos riscos. Por exemplo, um fundo de índice apenas com startups do ramo da comunicação.

Todos os benefícios dos ETFs, como a dolarização e a diversificação, podem ser potencializados quando se dá preferência pelo setor da tecnologia. Esse mercado escala os ganhos de forma ágil o que, normalmente, tende a refletir de forma positiva no bolso dos investidores.

Gostou de conhecer essa fatia do mercado dos ETFs? Acesse nossa plataforma e saiba como podemos ajudar você a otimizar os seus investimentos! 

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!