Logo Mais Retorno
Economia

Dirigentes do Fed avaliaram que em breve será apropriado elevar juros, mostra ata

Decisão será analisada, no entanto, a cada reunião do Comitê

Data de publicação:16/02/2022 às 17:07 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Os dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) avaliaram que a taxa de juros segue como principal ferramenta para ajustar a política monetária e que em breve será apropriado elevá-la, de acordo com a ata da última reunião, divulgada nesta quarta-feira, 16. A avaliação será feita, no entanto a cada reunião do Comitê de Mercado Aberto (Fomc).

O documento destaca entre os fatores para tanto a inflação bem acima da meta de 2% ao ano e um mercado de trabalho forte.

fed

Segundo a ata, os membros do Fed concordaram que os indicadores de atividade econômica e emprego continuaram se fortalecendo, sendo que os setores mais afetados pela pandemia melhoraram nos últimos meses.

"Os ganhos de emprego foram sólidos nos últimos meses, e a taxa de desemprego caiu substancialmente", diz o texto.

No entanto, os membros reconheceram que o caminho da economia continua dependendo do curso do vírus.

"Esperava-se que o progresso nas vacinações e a redução das restrições de oferta apoiassem os ganhos contínuos na atividade econômica e no emprego, bem como a redução da inflação, mas os riscos para as perspectivas econômicas permaneceram, inclusive de novas variantes do vírus."

Outras indicações do Fed

Os dirigentes do Federal Reserve também ressaltaram em ata que as leituras de inflação nos Estados Unidos continuaram a exceder "significativamente" a meta da autoridade, e que a elevação de preços vem persistindo mais do que eles haviam antecipado. E tal movimento está refletindo na oferta e em desequilíbrios de demanda relacionados à pandemia, além da reabertura da economia.

No entanto, alguns participantes do encontro comentaram que a inflação elevada se expandiu para além dos setores mais diretamente afetados por esses fatores, impulsionada em parte pela forte demanda do consumidor, segundo a ata.

Além disso, vários dirigentes citaram outros desenvolvimentos com potencial para exercer pressão adicional sobre a inflação, incluindo o crescimento dos salários reais acima da produtividade e aumentos nos preços dos serviços de habitação, aponta o documento.

Os participantes do encontro geralmente esperam que a inflação se modere ao longo do ano, à medida que os desequilíbrios de oferta e demanda diminuam e que a acomodação da política monetária seja removida, de acordo com a ata.

Alguns dirigentes observaram que as medidas de longo prazo das expectativas de inflação pareciam permanecer bem ancoradas, o que apoiaria o retorno da inflação ao longo do tempo a níveis consistentes com as metas do Fed, diz a publicação.

No panorama, os dirigentes concordaram que a incerteza quanto à trajetória da inflação é elevada e que os riscos foram ponderados para cima. Entre os elementos, a política de tolerância zero da China para a covid-19, os riscos de turbulência geopolítica pesando nos preços de energia, uma persistência no crescimento do salário real superior ao crescimento da produtividade e a possibilidade de que as expectativas de inflação de longo prazo tornem-se desancoradas.

Reflexos na atividade

Os dirigentes do Federal Reserve temem que um grande ajuste em ativos pese na atividade adiante, de acordo com a ata da última reunião de política monetária da instituição. Segundo o documento, alguns dirigentes comentaram sobre o risco de que as condições financeiras possam apertar indevidamente em resposta a uma rápida remoção da acomodação política.

Esse risco, segundo o texto, poderia ser mitigado por meio da comunicação clara e eficaz sobre as perspectivas econômicas, os riscos em torno das perspectivas e o caminho adequado para a política monetária.

As compras líquidas de ativos, informa a ata, devem ser concluídas em breve. Segundo o texto, a maioria dos dirigentes preferiu continuar reduzindo as compras líquidas de ativos de acordo com o cronograma anunciado em dezembro, encerrando-as no início de março.

"A maioria dos participantes observou que, se a inflação não cair como eles esperam, seria apropriado que o Comitê removesse a acomodação de política em um ritmo mais rápido do que eles antecipam atualmente", diz o texto. /Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!