Logo Mais Retorno
Economia

China planeja fundo imobiliário de US$ 44 bilhões; vai conseguir tirar o setor da crise?

Fundo será usado para financiar a compra de projetos residenciais inacabados

Data de publicação:25/07/2022 às 12:57 -
Atualizado 24 dias atrás
Compartilhe:

A China lançará um fundo imobiliário para ajudar incorporadoras a resolver uma crise de dívida paralisante, visando um orçamento de até US$ 44 bilhões, ou 300 bilhões de iuanes, em uma tentativa de restaurar a confiança no indústria, segundo um funcionário do banco estatal com conhecimento direto do assunto, informa a agência Reuters de notícias.

A medida marcaria o primeiro grande passo do Estado para resgatar o setor imobiliário sitiado desde que os problemas da dívida se tornaram públicos no ano passado.

China fundo imobiliário
Analistas são céticos sobre soluções para o setor imobiliário na China - Foto: Reprodução

O tamanho do fundo seria inicialmente fixado em 80 bilhões de yuans por meio do apoio do banco central, o Banco Popular da China (PBOC), disse à Reuters a pessoa, que não quis ser identificada devido à sensibilidade do assunto.

Ele disse que o China Construction Bank, estatal, contribuirá com 50 bilhões de yuans para o fundo de 80 bilhões de yuans, mas o dinheiro virá das instalações de repasse do PBOC.

Se o modelo funcionar, outros bancos seguirão o exemplo com a meta de levantar de 200 a 300 bilhões de yuans, acrescentou.

Um pilar fundamental da segunda maior economia do mundo, o setor imobiliário da China tem passado de uma crise para outra e tem sido um grande obstáculo para o crescimento no ano passado. Uma revolta dos compradores de casas este mês acumulou mais dor de cabeça para as autoridades.

Alguns analistas disseram que um fundo forneceria apenas parte da solução.

"Ainda não sabemos detalhes do fundo. Mas apenas 80 bilhões não são suficientes para resolver o problema", disse Larry Hu, economista-chefe do Macquarie para a China. "Acredito que o fundo faria parte de um pacote maior para resolver a atual crise da dívida e das hipotecas, porque sozinho não resolveria todos os problemas... precisamos de uma recuperação imobiliária."

Os investidores globais acompanham com atenção quaisquer reviravoltas no mercado imobiliário da China, que, juntamente com setores relacionados, como construção, responde por mais de um quarto do produto interno bruto (PIB) do país.

A fonte disse que o fundo será usado para financiar a compra de projetos residenciais inacabados e concluir sua construção, e depois alugá-los a indivíduos como parte do esforço do governo para aumentar o aluguel de moradias.

Tal medida destacaria a importância que o governo central atribui ao fornecimento de casas mais acessíveis para jovens em um momento em que alguns governos locais estão relutantes em construir casas de aluguel porque a venda de terrenos é uma importante fonte de renda.

A Zhengzhou Real Estate, apoiada pelo governo de Henan, que criou um dos primeiros fundos locais de resgate no país na semana passada com a estatal Henan Asset Management em meio ao boicote às hipotecas, planeja usar 20 bilhões de yuans para adquirir 50.000 unidades e transformá-las em aluguel habitação, de acordo com um aviso das autoridades de Zhengzhou este mês, já divulgado pela Reuters.

Confiança abalada

A turbulência no mercado imobiliário da China, desde a crise da dívida até o aperto do crédito e o boicote às hipotecas, abalou a confiança no setor e viu as autoridades lutarem para evitar que os problemas se espalhassem pela economia em geral.

“Se o fund) puder ser formado em um futuro próximo, isso ajudará a evitar que mais incorporadores entrem em inadimplência e também ajudará a melhorar o sentimento do mercado, bem como as vendas dos incorporadores”, disse Raymond Cheng, chefe de pesquisa da China na CGS-CIMB Securities.

As últimas notícias impulsionaram o Hang Seng Mainland Properties Index com alta de mais de 5% nesta segunda-feira, e subiu 3,5% nas negociações no meio da tarde. O CSI 300 Real Estate Index subiu quase 2,0%.

O provedor de informações financeiras REDD divulgou pela primeira vez os detalhes do fundo imobiliário na segunda-feira.

O fundo apoiaria mais de uma dúzia de promotores imobiliários, incluindo o China Evergrande Group, informou o REDD, citando fontes não identificadas.

Reguladores e governos locais selecionariam os desenvolvedores elegíveis para apoio do fundo, disse REDD, acrescentando que o fundo poderia ser usado para comprar produtos financeiros emitidos pelos desenvolvedores ou financiar aquisições de seus projetos por compradores estatais.

Pequim também está considerando uma política nacional para a emissão de títulos especiais para a reconstrução de favelas, disse o relatório. /Agência Reuters

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!