Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Conheça as ações recomendadas por especialistas de 4 casas para ter na carteira em janeiro

É hora de apostar na diversificação de portfólio, com empresas exportadoras e varejistas de alta renda

Data de publicação:04/01/2022 às 00:30 -
Atualizado 6 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Ainda que o calendário nos lembre que estamos em um novo ano, pelo menos pelos próximos meses, as expectativas para o mercado financeiro e a economia brasileira continuam as mesmas de 2021: um cenário bastante desafiador e de muita volatilidade. Além dos riscos já observados no ano passado, como a escalada dos preços e dos juros, o baixo crescimento e o risco fiscal, 2022 tem também eleições presidenciais, trazendo ainda mais incertezas.

Os desafios macroeconômicos, no entanto, não são exclusividade no País, mas estão presentes pelos quatro cantos do mundo, com a inflação subindo e os bancos centrais repensando suas políticas monetárias. Neste contexto, as carteiras recomendadas de diversas casas de investimento mostram que, mais do que nunca, é hora de apostar em diversificação de portfólio, optando por empresas que tendem a ser menos afetadas pela deterioração do cenário macro, como as exportadoras e as varejistas de alta renda.

carteiras recomendadas de ações
Carteiras recomendadas se apoiam na diversificação - Foto: Reprodução

A Mais Retorno reuniu e analisou as indicações de quatro casas para janeiro. Entre os papéis recomendados, o destaque fica por conta, principalmente, da PetroRio, Rede D'Or, Arezzo, Vale e Itaú Unibanco, todas indicadas por, pelo menos, três casas de investimento diferentes. Em contrapartida, as instituições reduziram suas exposições às empresas estatais, como Petrobras, que podem ser impactadas pelas incertezas eleitorais.

Cenário macroeconômico: inflação, juros e crescimento

De acordo com a equipe de Research do BTG Pactual Digital, há alguns fatores predominantes que devem acontecer ao longo do ano e devem, também, permanecer no radar dos investidores:

  • Aumento da inflação e da taxa de juros no Brasil, o que compromete a renda da população e tende a reduzir os níveis de consumo;
  • Maior consumo dos grupos de alta renda, menos impactada pela inflação e juros em alta;
  • Preços elevados do petróleo em todo o mundo;
  • Real mais fraco.

"Depois de um 2021 muito forte devido a reabertura das economias, os juros baixíssimos e a liquidez abundante, que levaram os mercados de ações globais a níveis recordes, o ano de 2022 começa com grandes desafios. O ano começa com as economias globais em modo de recuperação total e forte atividade econômica em quase todas as regiões. Mas, à medida que a recuperação segue seu curso, a inflação global está se tornando uma preocupação real em vários países, principalmente nos Estados Unidos, onde a inflação atingiu 6,8% ao ano em novembro (a maior em 40 anos). Os bancos Centrais, e o FED, em particular, devem começar a aumentar as taxas de juros em breve, reduzindo parte do principal catalisador da performance dos mercados globais."

BTG Pactual Equity Research

Em análise, a Genial Investimentos acrescenta, ainda, que o ano para o Ibovespa também pode ser impactado pelo rumo da corrida eleitoral e pelo crescimento da economia chinesa. A China é a maior demandante de diversos produtos brasileiros e o avanço ou retração do consumo do país influenciam diretamente a receita de algumas empresas domésticas, com destaque para as siderúrgicas.

Projeções para a economia brasileira

Nesta segunda-feira, 03, o Banco Central (BC) divulgou o primeiro Relatório Focus do ano, reunindo as projeções de dezenas de economistas do mercado para a economia brasileira. Para 2022, as expectativas são de um Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 5,03%, acima do teto da meta de inflação do BC, de 5%.

Em relação à Selic, taxa básica de juros, os especialistas projetam que ela deve fechar o ano em 11,50% e caía para 8% ao ano em 2023. As projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro neste ano continuam em queda e as expectativas são de um crescimento modesto de 0,36%.

Oportunidades de crescimento para a Bolsa

Para a Ativa Investimentos, a Bolsa de Valores "realmente parece muito assimétrica, com um potencial de ganho significativamente maior do que de perda". Os analistas explicam que, com exceção do setor de commodities, que concentra os maiores descontos em suas ações, o Ibovespa não estaria tão "barato" quanto parece atualmente.

A corretora afirma ainda que, "olhando o prêmio de risco atual, parece que o mercado já precificou as notícias e eventos mais recentes, deixando alguns exageros pelo caminho". Mesmo assim, a primeira metade de 2022 deverá ser bastante volátil, puxada pelas incertezas políticas e externas.

"Portanto, indicamos cautela, um portfólio equilibrado com uma boa dose de diversificação e composto por empresas de qualidade, que possuam um bom histórico de execução. Além disso, estamos evitando, por hora, estatais e empresas muito endividadas devido à conjuntura macroeconômica e política atual dificultar a delineação de um cenário mais visível no longo prazo."

Ativa Investimentos

Os cinco papéis mais indicados nas carteiras recomendadas

PetroRio

"Promovemos a entrada de PetroRio em nosso portfólio por gostarmos da dinâmica atual do setor de óleo e gás, uma vez que o preço internacional do petróleo deve permanecer sustentavelmente alto em função do desarranjo entre a demanda energética global, que segue crescente, e a oferta, sobretudo de combustíveis fósseis, cujo incremento ao longo da próxima década deverá ser limitado", afirma a Ativa.

O BTG Pactual Digital compartilha da mesma opinião e complementa que o mundo deve passar por um período de forte atividade econômica, elevando a demanda por petróleo. A PetroRio foi recomendada, também, pela Genial.

Rede D'Or

O Banco Safra voltou a ganhar exposição aos papéis da Rede D'Or em sua carteira recomendada de janeiro, após as ações da companhia reportarem uma queda de cerca de 11% no último mês. O banco explica que enxerga essa desvalorização como "exagerada, uma vez que as estimativas para os seus resultados (Rede D'Or) são totalmente alcançáveis".

O Safra comenta também que está "confiante" de que a alocação de capital da rede de hospitais vai gerar frutos nos próximos anos. Além do banco, a Genial e a Ativa mantiveram suas posições em Rede D'Or.

Arezzo

Os analistas do BTG Pactual Digital ressaltam que, em 2022, "com a economia agora reabrindo totalmente, esperamos que os grupos de alta renda (menos sensíveis à inflação e às taxas de juros) aumentem seu consumo". Neste contexto, as varejistas de alta renda, caso da Arezzo, devem ganhar força em suas vendas ao longo do ano, apresentando bom crescimento. Outra corretora que indica as ações da companhia é a Genial.

A Ativa também tem exposição à varejista em seu portfólio e destaca que "no mês de dezembro, a Arezzo anunciou um programa de recompra de até 5 milhões no mês - equivalente a 10% do total dos papéis em circulação, com o objetivo de gerar valor para o acionista, o que indica, em nossa visão, que a companhia enxerga um desconto no valor atual de mercado de suas ações".

Vale

Para o Banco Safra, as incertezas sobre o crescimento da China e a volatilidade no preço do minério de ferro não impactam a visão para os papéis da Vale. "A empresa deve continuar a gerar um fluxo de caixa sólido e manter níveis atrativos de remuneração aos acionistas. Adicionalmente, o prêmio de qualidade para o minério tende a se manter próximo do nível atual, devido à busca por maior eficiência e elevados padrões ambientais das siderúrgicas", comenta.

A Ativa também recomenda as ações da mineradora e destaca que a companhia foi um dos destaques da carteira recomendada de dezembro. A Genial manteve sua exposição aos papéis da Vale em janeiro.

Itaú Unibanco

Em análise, o BTG Pactual Digital explica que o setor financeiro é um dos poucos beneficiados com o aumento da taxa de juros no País, já que com a Selic elevada, os juros de empréstimos, financiamentos e créditos para pessoas físicas ou empresas também sobem, aumentando a receita das empresas do setor. Entre diversas instituições, a mais indicada pelas carteiras recomendadas foi o Itaú Unibanco, aparecendo no portfólio do BTG, Genial e Ativa.

Os analistas da Ativa ressaltam que a preferência pelo Itaú se deve ao fato de que "apesar dos desafios que os bancos tradicionais atravessarão nos próximos anos com a modernização e aumento de competitividade no sistema financeiro nacional, o Itaú possui boa qualidade em sua carteira de crédito e uma diretoria proativa à estes desafios, buscando trazer tecnologia ao banco ao mesmo tempo que conserva seus diferenciais".

Ações mais escolhidas entre as carteiras recomendadas

EmpresaCódigoSegmento
PetroRioPRIO3Petróleo e Gás
Rede D'OrRDOR3Saúde
ArezzoARZZ3Varejo
ValeVALE3Mineração
Itaú UnibancoITUB4Bancos
SulAméricaSULA11Saúde
GerdauGGBR4Siderúrgicas
Fontes: Ativa Investimentos, Banco Safra, BTG Pactual Digital, Genial Investimentos

Carteiras recomendadas de Small Caps

As small caps são as empresas "pequenas" da Bolsa de Valores, ou seja, as ações de companhias com uma baixa capitalização de mercado (abaixo de US$ 1 bilhão). Especialistas explicam que esses papéis podem oferecer bastante rentabilidade a portfólio.

Ações de Small Caps presentes nas carteiras recomendadas da Genial e do BTG Pactual Digital

EmpresaCódigoSegmento
CBACBAV3Alumínio
LocawebLWSA3Tecnologia
3R PetroleumRRP3Petróleo e Gás
Santos BrasilSTBP3Logística
3tentosTTEN3Agronegócio
ABC BrasilABCB4Bancos
Track & FieldTFCO4Varejo
ClearSaleCLSA3Tecnologia
DesktopDESK3Telecomunicações
SinqiaSQIA3Tecnologia
FleuryFLRY3Saúde
PetroRioPRIO3Petróleo e Gás
Grupo SomaSOMA3Varejo
VamosVAMO3Logística
AssaíASAI3Varejo
Jalles MachadoJALL3Agronegócio
IntelbrasINTB3Tecnologia
AerisAERI3Infraestrutura
Fontes: BTG Pactual Digital e Genial Investimentos
Sobre o autor
Bruna Miato
Repórter na Mais Retorno