Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Perspectiva de alta dos juros faz Bolsa cair 0,86%, e dólar sobe a R$ 5,68 no primeiro pregão de 2022

Curva de juros futuros fecha majoritariamente em alta e afeta o mercado de ações

Data de publicação:03/01/2022 às 18:56 -
Atualizado 5 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

No primeiro pregão de 2022, a Bolsa de Valores fechou em baixa, em um dia de bastante volatilidade para os mercados, e o dólar avançou mais um pouco. Nesta segunda-feira, 03, o Ibovespa caiu 0,86%, aos 103.922 pontos, enquanto a moeda americana registrou alta de 2,01% e fechou o dia cotada a R$ 5,68. Esse movimento foi influenciado, principalmente, pela alta na curva de juros futuros ao longo do dia e preocupação com a política fiscal.

O ano começou com os investidores atentos e cautelosos em relação às taxas de juros no Brasil e no mundo. Por aqui, o Banco Central (BC) mantém em curso o ciclo de aperto monetário, que deve se estender até meados deste ano. Na edição de hoje do Relatório Focus, a mediana das expectativas dos economistas ouvidos pelo BC indica que a Selic, taxa básica de juros, deve encerrar o ano no patamar de 11,50%, a fim de controlar os avanços da inflação.

Bolsa de Valores
Bolsa fechou em baixa no primeiro dia útil de 2022

A escalada de preços, aliás, não é tema de preocupação apenas no cenário doméstico. Especialistas do BTG Pactual Digital afirmam que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) deve elevar os juros ainda em 2022, uma vez que a inflação de novembro no país, de 6,8%, foi a maior em 40 anos.

Em um cenário onde os juros estão mais altos, a tendência é que os investidores priorizem os investimentos em renda fixa, considerada mais segura, o que prejudica os ativos de risco da renda variável, principalmente em países emergentes, como o Brasil.

A questão fiscal é outra preocupação que pesa sobre o mercado de ações, com a ameaça de greve por servidores públicos que reivindicam aumento salarial, concedido até agora somente a policiais e militares. A pressão sobre aumento dos gastos públicos será grande ao mesmo tempo em que líderes políticos da base do governo acenam com a disposição de elevar as despesas públicos em ano eleitoral.

Relatório Focus: inflação acima da meta

Além da Selic em 11,50% ao ano no fim de 2022, o primeiro Focus do ano também projetou que a taxa de juros deve fechar 2023 e 2024 em 8% e 7% ao ano, respectivamente. O patamar elevado para a taxa é uma tentativa de controlar o avanço da inflação, que deve passar o segundo ano consecutivo acima do teto da meta do BC, de acordo com as projeções apresentadas no relatório.

Para este ano, as expectativas dos economistas são de um Índice de Preços ao Consumidor Amplos (IPCA) de 5,3%, enquanto o BC tem como teto da meta 5%. Em 2023, a inflação deve cair para 3,41% e, em 2024, para 3%. As projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro neste ano continuam em queda, passando de um avanço de 0,42% há sete dias para uma alta menos expressiva, de 0,36%, nesta semana.

Após a divulgação do Focus, a curva de juros futuros avançou e fechou majoritariamente em alta neste pregão. O avanço mais expressivo veio dos contratos com vencimento em janeiro de 2027, que subiram 0,29%.

O dia na Bolsa

Com a alta nos juros futuros e as expectativas de inflação e Selic em patamares elevados ao longo do ano, as maiores baixas do Ibovespa nesta segunda-feira vieram das empresas que mais dependem do consumo doméstico, como as construtoras, varejistas e redes de shoppings.

Em contrapartida, os bancos e companhias exportadoras ligadas às commodities lideraram as altas do dia. O setor financeiro tende a se beneficiar, pelo menos no curto prazo, de juros mais altos, já que pode lucrar mais com empréstimos e financiamentos. Enquanto isso, as exportadoras avançaram na esteira da valorização das commodities nos mercados internacionais, com os investidores na expectativa de uma demanda maior por esses produtos ao longo de 2022.

Maiores altas da Bolsa no dia

EmpresaCódigoVariação
CSN MineraçãoCMIN3+3,71%
BradescoBBDC4+3,07%
BRFBRFS3+3,02%
PetrobrasPETR4+2,87%
Itaú UnibancoITUB4+2,77%
Fonte: B3

Maiores baixas da Bolsa no dia

EmpresaCódigoVariação
CyrelaCYRE3-7,98%
AlpagartasALPA4-6,94%
Magazine LuizaMGLU3-6,93%
MultiplanMULT3-6,78%
JHSFJHSF3-6,63%
Fonte: B3
Sobre o autor
Bruna Miato
Repórter na Mais Retorno