Economia

Conheça 5 dicas para fugir e se proteger da inflação

O aumento dos preços é um velho inimigo do consumidor brasileiro. Confira algumas dicas de como se proteger da inflação e preservar o seu poder de compra.

Data de publicação:11/01/2022 às 11:37 - Atualizado 8 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O grande destaque econômico de 2021 foi uma velha conhecida do brasileiro: a inflação. Com o IPCA, principal índice inflacionário fechando o ano em 10,06%, segundo dados divulgados pelo IBGE nesta terça-feira, 11, - maior patamar para o indicador desde 2015 (10,67%) - é preciso se preparar para lidar com o aumento dos preços e se proteger da inflação.

É verdade que o Banco Central vem reagindo para tentar controlar a pressão inflacionária. A Taxa Selic, somente em 2021, saiu de um patamar de 2,0% ao ano para 9,25% ao ano. Entretanto, o IPCA segue em patamares elevados e sem uma previsão de retornar para a estabilidade.

proteger da inflação

Considerando que esse é um?desafio real para o Brasil, no artigo de hoje vamos discutir um pouco sobre esse ambiente econômico e como você pode proteger o seu dinheiro da inflação.

Qual é o impacto da inflação para o seu bolso?

A inflação é o nome do movimento de aumento de preços dentro de um determinado mercado.?Em outras palavras, é um efeito econômico em que o custo de vida fica mais caro, já que o valor dos produtos e dos serviços acaba se elevando.

Importante observar que o IPCA é um índice que monitora mais de 300 itens nas principais cidades brasileiras. E, nesse pacote, ainda que o resultado esteja crescente, não necessariamente tudo se eleva no nosso mercado. Para o consumidor, o que importa de fato é quanto ele pagou quando precisou adquirir algo.

Acontece que, em cenário de inflação alta, o custo de vida como um todo se eleva e isso é facilmente percebido no cotidiano. É o que vem acontecendo com a alimentação em 2021, por exemplo.

O grande problema da inflação é que, na prática, o consumidor perde poder de compra. Imagine que uma determinada camiseta era vendida por R$ 100 e que, em determinado período, o segmento de vestuário apresente um aumento de preços na casa de 5,0%. Esse mesmo produto passou a custar R$ 105. Portanto, ficou mais caro para comprá-lo.

Ou seja, a menos que o seu salário consiga acompanhar a própria inflação, você acaba prejudicado na medida em que consegue comprar menos com o mesmo ganho financeiro.

5 dicas para se proteger da inflação

Diante do impacto direto no seu bolso e no seu padrão de vida, é essencial buscar maneiras para se proteger da inflação. Ainda mais no Brasil, país em que esse é um tema recorrente há alguns anos.

Sendo assim, vamos conferir algumas dicas para atingir esse objetivo e preservar o seu patrimônio e o seu poder de compra.

1. Invista em ativos atrelados à inflação

A primeira e talvez mais óbvia dica para se proteger da inflação está em realizar investimentos com o seu dinheiro em ativos que estejam expostos a algum índice inflacionário. É o caso do IPCA, mas também do IGP-M, por exemplo.

Esses investimentos são, em sua maioria, de renda fixa, mas permitem que o capital aplicado replique o desempenho do seu indexador. Assim, em períodos de inflação elevada, o dinheiro vai replicar esse comportamento e garantir que o seu poder de compra seja protegido.

Abaixo, listamos alguns investimentos que podem ser realizados com esse objetivo:

  • Tesouro IPCA: são os títulos públicos (emitidos pelo governo) atrelados ao IPCA. Geralmente, pagam um prêmio adicional à inflação, garantindo assim juros reais ao investidor. Isto é, um ganho financeiro acima da inflação.
  • Debêntures: são títulos de renda fixa emitidos por empresas privadas e, geralmente, também utilizam índices inflacionários na definição dos juros pagos ao investidor. Importante notar que há maior risco no mercado de crédito privado de um modo geral.
  • LCA/LCI: as instituições financeiras também possuem produtos destinados a?oferecer uma rentabilidade próxima à inflação. É o caso da Letra de Crédito do Agronegócio (LCA)?e da Letra de Crédito Imobiliário (LCI). No entanto, fique de olho, pois esses ativos podem ser atrelados ao CDI também e, neste cenário, você não garante o seu objetivo de seguir um índice inflacionário.
  • ETFs: por fim, já existem fundos negociados em bolsa que replicam o desempenho de índices de inflação. A maior parte deles segue o IMA-B e suas variações. É o que acontece nos ETFs IMAB11, IMBB11 ou IB5M11, por exemplo.

2. Revise os hábitos de gastos pessoais

Não tem jeito: em período de inflação alta, as nossas contas mensais acabam pressionadas. É normal que a cada mês sobre menos dinheiro se você não mudar qualquer hábito —?afinal, os preços estão aumentando.

Dessa forma, além de investir em ativos ligados à inflação, é recomendado também revisar o modelo de consumo. Aqui, não falamos necessariamente de cortes de itens superficiais (embora, claro, possa ser necessário eventualmente), mas sim da substituição.

Se você tem o hábito de comprar chocolate importado, por exemplo, talvez valha a pena checar as opções nacionais. O mesmo vale para qualquer tipo de produto ou serviço. A pesquisa de preço é essencial para não estourar o orçamento doméstico durante um período de inflação elevada.

3. Aumente a prática da negociação

Conforme comentamos neste mesmo artigo, um dos grandes inimigos do consumidor é a inflação justamente porque ela reduz o nosso poder de compra. No entanto, o problema é mitigado se você conseguir manter o seu salário em linha com o aumento dos preços.

Uma forma de fazer isso é negociar o ganho mensal com a empresa para a qual você trabalha ou presta serviços. No caso de empresários, geralmente o preço acaba sendo repassado ao consumidor final, mas é preciso cuidado para não deixar o custo muito acima dos?concorrentes.

Nem sempre a simples negociação será convertida em um reajuste salarial, porém a tentativa é válida. Além disso, a dica se estende também às compras. Peça descontos e prazos para pagar mais barato pelos produtos.

4. Tenha exposição à moeda estrangeira forte

Você já reparou que em períodos de crise o dólar tende a se valorizar diante do real? Isso não é uma simples coincidência: se há uma recessão, é natural que os investidores busquem ativos mais seguros. E os países emergentes acabam penalizados.

Desta forma, um caminho para se proteger da inflação é manter uma parte do seu patrimônio posicionado em uma moeda estrangeira forte, como é o dólar. Assim, durante esses movimentos mais defensivos da economia, essa parcela tende a se valorizar junto com o dólar.

Hoje em dia, é bem fácil de fazer esse tipo de investimento. Existem ETFs que replicam o desempenho da bolsa americana (IVVB11 e SPXI11, por exemplo), além de fundos de investimentos com foco no mercado estrangeiro.

Podemos mencionar ainda os?Brazilian Depositary Receipts?(BDRs), que são ativos emitidos pelas instituições financeiras replicando o desempenho de ações específicas de bolsas de valores internacionais.

5. Cuidado com investimentos atrelados aos juros

Por fim, durante período de inflação elevada, cuidado com os ativos que estão atrelados às taxas de juros. Isso porque, nesse ambiente econômico, é comum que elas não consigam compensar a inflação — e é justamente por isso que o Banco Central começa um movimento de elevação da Taxa Selic, principal referência do setor, como ferramenta de política monetária.

Imagine que, por exemplo, o seu investimento no Tesouro Selic tenha rendido 8,5% em 2021. Considere ainda que, neste mesmo período, a inflação seja de 10,0%. Perceba que, neste cenário, o seu ganho não foi suficiente para preservar o poder de compra.

Não significa que os ativos atrelados aos juros sejam ruins. Eles são válidos para outras estratégias, como a manutenção de liquidez. No entanto, para o objetivo de proteção diante da inflação crescente, esses investimentos podem não ser suficientes. Portanto, saiba diversificar o seu patrimônio.

Seguindo essas dicas, você estará melhor preparado para lidar com períodos de pressão inflacionária e reduzir o impacto desse movimento econômico para o seu bolso.

Sobre o autor
Stéfano Bozza
Formado em Administração pela PUC-SP. Trabalhou em empresas do segmento financeiro (Itaú BBA) e varejo (BRMALLS) até 2016, quando iniciou a jornada de produção de conteúdo para a internet com foco em finanças.
ITBI

ITBI

O que é o ITBI? O Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) é um tributo municipal que incide, conforme determinação da própria Constituição Federal...

  CONTINUAR LENDO