Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Twitter: como a Big Tech voltou a ser uma empresa privada após a entrada de Elon Musk

Em abril de 2022, Elon Musk oficializou a compra do Twitter. Entenda quais são os objetivos do empresário ao adquirir essa rede social.

Data de publicação:27/04/2022 às 11:01 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A grande notícia do final de abril na área dos negócios é a compra do Twitter pelo empresário Elon Musk, dono também de outros negócios relevantes no mercado financeiro, como a Tesla ou a SpaceX.

Twitter
Foto: Flickr

Dono de um perfil polêmico, que quase sempre traz debates interessantes sobre os ativos sobre os quais se posiciona, Musk despertou muita curiosidade sobre a sua mais recente aquisição. Afinal, quais são os objetivos do milionário ao adquirir essa rede social?

No artigo de hoje, vamos te explicar tudo que envolveu a compra do Twitter por parte do Elon Musk, o que muda na dinâmica desse rede social e quais as perspectivas futuras para ambas as partes.

Elon Musk compra o Twitter

No dia 25 de abril de 2022, Elon Musk oficializou a aquisição de 100% das ações do Twitter, tornando-se o novo dono dessa rede social. A negociação já vinha sendo noticiada há algum tempo, faltando apenas entender qual o percentual de participação seria adquirido e os valores pagos.

A formalização trouxe respostas para essas curiosidades. Musk pagará 54,20 dólares por ação do Twitter, de modo que o negócio será fechado no valor total de 44 bilhões de dólares — aproximadamente 220 bilhões de reais.

Como a totalidade dos papéis estará com o dono, outro fato relevante é que as ações da companhia deixarão de ser negociadas na bolsa de valores. Ou seja, o Twitter deixará de ser uma empresa de capital aberto e volta a ser um negócio fechado, sem acesso direto aos investidores da renda variável.

Importante mencionar também que algumas questões regulatórias seguem pendentes de aprovação. Portanto, a transação ainda não tem efeitos imediatos, aguardando uma definição que deve sair ainda neste ano de 2022.

Musk usou o próprio Twitter para movimentar a negociação

O anúncio da aquisição do Twitter não foi exatamente uma novidade. Elon Musk, afinal, postou diversos tweets que já sinalizavam o seu interesse na plataforma. O noticiário começou a prestar atenção no dia 25 de março, quando o empresário questionou aos usuários sobre a liberdade de expressão — e recebeu um retorno bem negativo.

Alguns dias depois, com uma negociação mais quente, Musk também apelou para uma enquete junto aos usuários para especular sobre os valores que pretendia pagar por ação para comprar o Twitter. O perfil "falastrão", contudo, não permitia grandes conclusões até o anúncio oficial da negociação.

Por que Elon Musk comprou o Twitter?

Sendo um personagem contraditório e que acumula fãs e haters, é natural que a nova compra de Elon Musk não passaria batido pelo público geral. Ainda mais considerando que a aquisição é justamente de uma rede social marcada pelo acompanhamento de questões em tempo real, como é o Twitter.

Não demoraram, portanto, para aparecerem críticas e memes. Podemos mencionar, por exemplo, debates sobre os valores pagos pela aquisição de uma rede social em confronto com outros desafios globais (como a miséria ou a fome, por exemplo). Usuários bem humorados também questionaram por que pagar tanto por um aplicativo que pode ser baixado de graça no celular.

Comentários à parte, é natural tentar entender quais são as principais motivações de Elon Musk com essa aquisição. O próprio empresário, afinal, já sinalizou que não tem como objetivo o ganho financeiro, mas sim ter uma plataforma de livre discurso, onde a liberdade de expressão seja respeitada.

Há também uma promessa do novo proprietário do Twitter de tornar a plataforma de código aberto. Essa ação permitiria que programadores entendam melhor o algoritmo e ofereçam uma boa personalização do conteúdo. A ver, ao longo dos próximos meses, se essa proposta será mantida na prática.

O que deve mudar no Twitter após a negociação?

Uma vez que os órgãos reguladores aprovem a aquisição do Twitter por Elon Musk, o que pode mudar na plataforma? A primeira medida que deve ser adotada está na defesa da liberdade de expressão, reduzindo a moderação sobre o que é publicado pelos usuários.

Musk, inclusive, brincou em seu perfil sobre eventuais críticas justamente como forma de sinalizar a sua posição sobre o tema: "eu espero que até os meus piores críticos permaneçam no Twitter, porque é o que a liberdade de expressão significa". Seguidores, no entanto, questionaram sobre bloqueios em contas que discordaram do empresário.

Outro ponto que já foi mencionado por Musk está no combate de contas "fakes" ou robôs, algo que se tornou popular na plataforma. O anúncio ainda não é oficial, mas é provável que seja necessário informar que o usuário não é um robô e exista uma limitação de apenas uma conta por usuário.

Por fim, podemos esperar ainda novas funcionalidades dentro do Twitter. Usando do seu perfil, Musk questionou aos seus seguidores sobre uma ferramenta de editar um tweet (atualmente, não é possível alterar uma postagem já publicada). 73,6% dos seguidores sinalizaram que gostariam da novidade.

Como a compra do Twitter foi vista pelo mercado?

A aquisição do Twitter, como adiantamos, trouxe uma grande repercussão dentro do mercado financeiro. Há um debate interessante sobre os ajustes esperados, mas também um receio sobre o que seria essa liberdade de expressão defendida pelo novo proprietário. O temor é de que exista uma liberação excessiva para discurso de ódio, que não é saudável.

Por outro lado, há quem pense que a experiência de Musk pode contribuir para o crescimento da rede social que, ao menos até o atual momento, não emplacou usuários como concorrentes. Os usuários do Twitter, por exemplo, representam pouco mais de 10% da quantidade de usuários do Facebook.

Em termos de receitas, o Twitter segue bem abaixo de outras redes sociais. Em 2021, o faturamento da empresa ficou na casa de 5 bilhões de dólares. Enquanto isso, o Facebook ultrapassou a marca de 100 bilhões de dólares, quantia superior a vinte vezes os ganhos da nova propriedade de Musk.

Esse fato também impactou negativamente outros negócios geridos por Elon Musk. As ações da Tesla, por exemplo, caíram acima de 10% no dia seguinte ao anúncio de aquisição do Twitter. Os acionistas passaram a demonstrar preocupação tanto com o foco do empresário em seus negócios, como também com a origem dos recursos para o pagamento da rede social.

A verdade é que, por ora, tudo não passa de especulação. A compra do Twitter deve ser aprovada e, somente então, vamos comprovar o que é verdade e o que é apenas engajamento dos tweets recentes publicados por Elon Musk.

LEIA MAIS:

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!