Última modificação em 9 de junho de 2021

O que é operador financeiro?

Operador financeiro é o termo dado às instituições presentes na estrutura do Sistema Financeiro Nacional (SFN), com exceção das organizações de pagamento, que cumprem diversas atividades de aspecto monetário, como bancos, cooperativas e administradoras. 

Quem tem conta em uma corretora de valores para realizar pequenos investimentos, já é cliente de um destes operadores financeiros. Outro exemplo comum de cliente é o indivíduo que já realizou algum financiamento na Caixa.

O que faz o operador financeiro?

Os operadores financeiros podem ser integrantes dos seguintes grupos:

Cada grupo de operador financeiro faz parte, respectivamente, do Conselho Monetário Nacional, Conselho Nacional de Seguros Privados e Conselho Nacional de Previdência Complementar. Esses grupos definem as políticas gerais do sistema financeiro brasileiro e dão continuidade ao outro nível, o das entidades supervisoras. 

Esses entes têm funções executivas, como fiscalizações, e algumas de cunho normativo. São exemplos o Banco Central do Brasil e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Além disso, conduzem a estrutura do terceiro nível, que é o dos operadores financeiros.

Quais são as características de cada operador financeiro?

A principal entidade executiva e supervisora é o Banco Central do Brasil (BACEN) que possui como operadores as instituições financeiras captadoras de depósitos à vista, exemplificadas pelas seguintes organizações:

Bancos e Caixas Econômicas

São os principais operadores, com atuação direta entre os doadores e os tomadores de recursos do SFN. Oferecem os serviços de: poupança, investimentos, empréstimos, saques etc. Também são subdivididos em:

Já as Caixas Econômicas são empresas públicas com funções de bancos comerciais, tendo como prioridades a concessão de empréstimos e financiamentos de programas, como os de moradia e auxílios. O único representante, no país, é a Caixa Econômica Federal. 

Administradoras de Consórcios 

Cada administradora de consórcio funciona como o operador financeiro de um grupo de pessoas que se reúnem para adquirir cotas de bens ou serviços por todos os outros participantes, sob um regime de autofinanciamento. 

Cooperativas de Crédito

São instituições financeiras formadas por pessoas que são, simultaneamente, donas e usuárias das cooperativas — entidades alternativas aos bancos. As principais atividades das cooperativas de crédito são os serviços de empréstimos, financiamentos e afins aos associados, sem obtenção de lucro.

Corretoras e Distribuidoras

Esses operadores, por sua vez, fazem a intermediação de títulos e valores mobiliários entre os tomadores de recursos e os investidores. São elas que oferecem o serviço de home broker, clubes de investimentos, entre outros. Ambas são supervisionadas pelo BACEN e pela CVM. 

Instituições de Pagamento

São as responsáveis pelos arranjos dos pagamentos, ou seja, viabilizam compras, vendas e outras movimentações dos recursos financeiros. Exemplos: emissoras de moeda eletrônica, credenciadoras etc. Assim como as corretoras, são reguladas pelo BACEN, mas, apesar disso, não fazem parte do SFN.

Demais instituições não bancárias

São todas as alternativas aos bancos e caixas econômicas para acesso aos serviços financeiros com ativos não monetários, como ações, certificados de depósito, letras de câmbio e debêntures. Exemplos dessa classe de operador financeiro: agências de fomento, sociedades de crédito imobiliário, companhias hipotecárias e similares.

Termo do dia

Black & Scholes

O que é Black & Scholes Os economistas Fischer Black e Myron Scholes foram os responsáveis pelo modelo de precificação de opções conhecido como Black &…