termos

Lei Gramm-Leach-Bliley

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:16/11/2021 às 02:37 - Atualizado 11 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O que foi a Lei Gramm-Leach-Bliley?

A Lei Gramm-Leach-Bliley — ou Lei de Modernização de Serviços Financeiros — foi uma norma que permitiu os bancos, as corretoras e as empresas de seguro a trabalharem com investimentos, além dos produtos usuais, como empréstimos.

A legislação entrou em vigor em 1999, no mandato de Bill Clinton. Ela revogou a Lei Glass-Steagall, que proibia os bancos tradicionais de prestarem serviços no ramo dos investimentos, devendo se limitar apenas a receber depósitos e emprestar dinheiro aos clientes.

Por que foi criada a Lei Gramm-Leach-Bliley?

Como o nome indica, a lei foi criada por Phil Gramm, Jim Leach e Thomas Bliley, ambos ex-membros da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos.

Os principais argumentos para a criação da lei foram:

Comodidade para os clientes

Os investidores, no geral, investem quando o mercado está em alta e depositam os recursos na poupança, na baixa. Com a Lei Gramm-Leach-Bliley, eles poderiam poupar e investir na mesma instituição — o que seria positivo para ela, tanto na alta quanto na baixa.

Infrações da Lei Glass-Steagall

Mesmo com as limitações da Glass-Steagall, haviam inúmeros casos de empresas oferecendo ambos os serviços. Era o caso do Norwest Corporation, American Express e, no fim das contas, a fusão do Citibank com o The Travellers foi, provavelmente, o estopim para a revogação dessa lei.

Dificuldades de adaptação

A separação proposta pela lei vigente, Glass-Steagall, também acabou se tornando um desafio para os empresários. 

Alguns bancos comerciais — os de varejo especificamente — não tinham perfil para comprar subscritores de seguros, já que o objetivo era um negócio mais lucrativo, como a venda de produtos de outras seguradoras.

Outros bancos expandiram-se para bancos de investimento, mas não conseguiram ‘empacotar’ seus serviços bancários adequadamente. E assim por diante.

O que significou a vigência da Lei Gramm-Leach-Bliley?

Essa lei trouxe como maior impacto a desregulamentação. Ela ajudou a aumentar a participação dos serviços financeiros no PIB norte-americano em 2,6%, no período de 1985 a 2007.

O “descontrole” do mercado financeiro, naturalmente, levou ao crescimento dele. Mas nem todo crescimento é ordenado, não é mesmo? É isso que alguns economistas defendem, a volta da regulamentação. 

Inclusive, enquanto a Lei Glass-Steagall veio para ser um “antídoto” da crise de 29, a Lei Gramm-Leach-Bliley ficou vista como vilã, por ter contribuído para a crise de 2008, segundo alguns especialistas.

Gramm chegou a rebater uma das críticas, afirmando que se a lei tivesse realmente provocado a crise, ela teria começado na Europa, onde há critérios para a aplicação da Glass-Steagall. Outro ponto interessante que ele levantou foi que as instituições que faliram, como o Lehman Brothers, eram as menos diversificadas, em termos de produtos e serviços financeiros.

Bill Clinton também se posicionou a favor da legislação de Gramm, Leach e Bliley, afirmando que ela suavizou a crise. Ele e outros economistas argumentaram que se a lei tivesse sido a causadora da recessão, os bancos comerciais teriam sofrido mais que os de investimento.

No entanto, a tendência ainda é a regulamentação do sistema financeiro americano. Em 2010, por exemplo, foi aprovado um projeto de lei (PL) que, entre suas medidas, limitava o tamanho e os riscos que os bancos poderiam assumir nos investimentos. A PL também propunha um controle maior sobre as agências de rating — aquelas que informam os riscos de crédito dos títulos.

O que a Lei Gramm-Leach-Bliley trouxe de vantagens aos investidores?

Apesar das críticas, a segurança foi um dos maiores benefícios do Gramm-Leach-Bliley Act (GLBA). 

Com ela, o governo passou a exigir que as instituições financeiras que ofereciam empréstimos, consultorias financeiras ou de investimento e seguros explicassem suas práticas de compartilhamento de informações aos clientes. 

Além disso, graças à Lei Gramm-Leach-Bliley, as instituições deveriam dar a possibilidade do cliente cancelar o compartilhamento desses dados, tais como saldos bancários e número de contas correntes.

Sobre o autor
Equipe Mais RetornoA Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

Inscreva-se em nossa newsletter

Swap Simples

Swap Simples

O que é swap simples? O swap simples é uma operação financeira na qual as partes envolvidas trocam fluxos de caixa, com valor e prazo estabelecidos previamente....

  CONTINUAR LENDO