Logo Mais Retorno
termos

Alienação

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:06/02/2020 às 20:16 -
Atualizado 3 anos atrás
Compartilhe:

O que é Alienação

Alienação é um termo comum no universo jurídico. Ele se refere à transferência de propriedade de um bem.

Essa transferência pode ser realizada por meio da venda ou de outras transações, inclusive, negócios não onerosos – isto é, sem pagamento. Além disso, pode ser voluntária ou compulsória, isto é, com ou sem a vontade do proprietário atual.

Alienação de bens privados e públicos

A alienação de bens de propriedade privada pode ocorrer por várias formas. Alguns exemplos são venda, doação, dação em pagamento, permuta, penhora, usucapião.

Enquanto isso, a alienação dos bens públicos só pode ser realizada pelos meios previstos e seguindo os procedimentos determinados na legislação.

Observamos que a alienação dos bens privados costuma ser realizada com muito mais liberdade do que a alienação dos bens públicos.

Isso reflete um princípio básico do direito: a liberdade nas relações entre particulares e a regulamentação das relações com o Estado. Por isso, costuma-se dizer que, no Direito Civil, podemos fazer tudo que não é proibido; enquanto, no Direito Administrativo, só podemos fazer o que é permitido.

Essa diferença não é à toa. Sendo o Direito um fruto da evolução capitalista, ele se alinha frequentemente com ideais liberais. Por isso, tradicionalmente, ele dá liberdade para que as pessoas negociem seus bens como quiserem.

Por outro lado, ele quer evitar que a máquina estatal seja aparelhada e usada indevidamente, para benefício próprio de quem está no governo. Por isso, a necessidade de regulamentar como os bens públicos serão alienados.

Alienação fiduciária

A alienação fiduciária ocorre quando o bem é alienado para servir de garantia de uma dívida. Ela é muito comum nos casos de financiamento.

O banco empresta dinheiro ao cliente para a compra de um bem, como um imóvel. Pela alienação fiduciária, o próprio bem adquirido é dado como garantia da dívida. Então, a propriedade do imóvel fica com o banco, até que o financiamento seja pago, ainda que a posse e o uso sejam do indivíduo.

Quando o financiamento é quitado, a propriedade é transferida ao cliente. Por outro lado, se ele não conseguir pagar sua dívida, o banco retoma o imóvel, que ainda é seu. Então, realiza um outro procedimento de alienação (muitas vezes, o leilão) para recuperar as perdas.

Um fato importante é que, pelo entendimento dos tribunais brasileiros, quando existe um contrato de financiamento com alienação fiduciária, não se aplica a teoria do adimplemento substancial.

Essa teoria considera que, se o devedor pagar a maior parte do que deve, o credor não pode pedir o desfazimento do negócio. Ele só pode cobrar o que ainda está faltando para a quitação total.

Como ela não se aplica, o fato é que o banco pode pedir o desfazimento do negócio do financiamento. Assim, toma o bem dado em garantia, sem devolver nada do que o cliente já pagou.

Alienação de bens de terceiros

Em geral, pensamos na alienação como algo que só pode ser feito com os bens que são de nossa propriedade. Ou seja, qualquer alienação de bens alheios seria ilícita.

Na prática, não é bem assim. Se uma pessoa é representante de outra, ou desempenha o papel de tutora ou curadora, por exemplo, ela pode alienar bens do terceiro. No entanto, essa alienação deve ser feita no melhor interesse do proprietário. Do contrário, o negócio pode ser desfeito.

Um exemplo seria a situação em que uma pessoa precisa sair do país temporariamente. Suponha que João vai passar um ano estudando no Japão. Ele nomeia Antonio para agir no papel de seu representante legal nesse período.

Suponha, então, que Antonio faz a venda da casa de João (portanto, a alienação do imóvel), sem que isso tenha sido solicitado ou autorizado. Quando João retorna ao Brasil, poderá entrar na Justiça para solicitar que a venda seja anulada. Além disso, também poderá processar Antonio por sua conduta ilícita.

Sobre o autor
Autor da Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

® Mais Retorno. Todos os direitos reservados.

O portal maisretorno.com (o "Portal") é de propriedade da MR Educação & Tecnologia Ltda. (CNPJ/MF nº 28.373.825/0001-70) ("Mais Retorno"). As informações disponibilizadas na ferramenta de fundos da Mais Retorno não configuram um relatório de análise ou qualquer tipo de recomendação e foram obtidas a partir de fontes públicas como a CVM. Rentabilidade passada não representa garantia de resultados futuros e apesar do cuidado na coleta e manuseio das informações, elas não foram conferidas individualmente. As informações são enviadas pelos próprios gestores aos órgãos reguladores e podem haver divergências pontuais e atraso em determinadas atualizações. Alguns cálculos e bases de dados podem não ser perfeitamente aplicáveis a cenários reais, seja por simplificações, arredondamentos ou aproximações, seja por não aplicação de todas as variáveis envolvidas no investimento real como todos os custos, timming e disponibilidade do investimento em diferentes janelas temporais. A Mais Retorno, seus sócios, administradores, representantes legais e funcionários não garantem sua exatidão, atualização, precisão, adequação, integridade ou veracidade, tampouco se responsabilizam pela publicação acidental de dados incorretos.
É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos, ilustrações ou qualquer outro conteúdo deste site por qualquer meio sem a prévia autorização de seu autor/criador ou do administrador, conforme LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
® Mais Retorno / Todos os direitos reservados