Renda Fixa

A partir de janeiro de 2022, vai ficar mais barato aplicar em títulos públicos porque a taxa de custódia do Tesouro Direto vai cair de 0,25% para 0,20% ao ano. A informação foi dada nesta quinta-feira, 7, pelo secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, no encerramento da Semana do Investidor, realizado pela B3, a bolsa do Brasil, em parceria com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A medida tem como objetivos atrair especialmente o investidor com valores mais baixos e tornar as aplicações em papéis da dívida pública mais acessíveis. O que não deixa de ser um novo atrativo para essas aplicações de renda fixa que já estão sendo beneficiadas com a alta dos juros.

Foto: Arquivo
Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real

“Um aspecto muito importante para garantir a mudança do perfil da pessoa física que investe no tesouro direto, com um ticket de entrada menor e um público jovem, é o custo dele, que é mais baixo”, afirmou Bittencourt. “Com isso, queremos fazer dele um produto que seja barato, acessível e seguro para o investidor”, complementou ele.

Trata-se de mais um passo na direção de tornar os papeis negociados pelo Tesouro Direto mais competitivos. Em agosto de 2020, a taxa de custódia para investimentos no Tesouro Selic, que era de 0,25%, foi zerada para aplicações de até R$ 10 mil. A taxa passou a ser cobrada somente à parcela excedente a esse limite.

Taxa de custódia é cobrada a cada semestre

A despesa, referente à guarda e controle dos títulos de cada investidor, é cobrada semestralmente, nos primeiros dias de julho ou janeiro, no pagamento de juros, na venda ou no encerramento da posição do investidor, no evento que acontecer primeiro.

A mudança está em linha com os esforços de aprimoramento do serviço pelas duas instituições, a Secretaria do Tesouro Nacional e a B3 que, recentemente, também anunciaram a liquidação dos produtos para D+0. Além disso, foi incorporado um chatbot no site do Tesouro Direto, com a intenção de aprimorar ainda mais a experiência do atendimento ao investidor.

A redução entrará em vigor a partir de 1º de janeiro de 2022 e é válida para todos os produtos do Tesouro Nacional. Negociados de forma 100% online, eles possuem ampla gama de tipos de rentabilidade, podendo ser prefixados, ligados à variação da inflação ou à taxa Selic. Eles possibilitam, ainda, de forma facilitada, o acesso do investidor pessoa física aos títulos públicos.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja mais Ver mais