Empresa

O presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, participou pela primeira vez, nesta quinta-feira, 5, da apresentação de um resultado financeiro da empresa a analistas de mercado.

"Seguiremos a trajetória de desalavancagem e retorno financeiro", disse Silva e Luna, demonstrando que dará continuidade às premissas das gestões que o antecederam e priorizaram as finanças da empresa, após um período de crise.

Marcada pela tensão, assembleia define novo conselho de administração da Petrobras e a destituição de Castello Branco
Joaquim Luna e Silva participa pela primeira vez da apresentação de um resultado financeiro da Petrobras - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em sua fala, destacou o caráter técnico da sua gestão, como já havia afirmado na mensagem divulgada ontem junto do balanço. Ele ressaltou também o foco no retorno aos acionistas e a continuidade do programa de redução da dívida.

Como consequência nesse modelo de administração, a companhia reduziu seu endividamento bruto a um patamar inferior à meta de US$ 67 bilhões de 2021.

Neste ano ainda, a marca de US$ 60 bilhões deve ser alcançada, reiterou o presidente. Com isso, a Petrobras deve rever sua política de pagamento de dividendos e privilegiar ainda mais o mercado financeiro.

Segundo Silva e Luna, essa decisão é compatível com a geração de caixa e com a sustentabilidade financeira da petrolífera.

Proventos

O conselho de administração da petroleira aprovou na última quarta-feira, 4, o pagamento de duas antecipações da remuneração aos acionistas relativa ao exercício de 2021, no valor total de R$ 31,6 bilhões (cerca de US$ 6 bilhões).

A primeira parcela terá pagamento total de dividendos de R$ 21 bilhões, com valor bruto por ação ON ou PN de R$ 1,609911 e negociadas até dia 16 de agosto de 2021 e a record date para os detentores de American Depositary Receipts (ADRs) de 18 de agosto.

A segunda parcela será paga em forma de juros sobre capital próprio (JCP) com valor total de R$ 10,6 bilhões, correspondente a valor bruto R$ 0,812622 por ação ON ou PN.

A data de corte será no dia 1º de dezembro e a record date para os detentores de ADRs será o dia 3 de dezembro de 2021. As ações serão negociadas ex-direitos a partir de 2 de dezembro de 2021. / com Agência Estado

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja mais Ver mais