Economia

A produção industrial nacional caiu 1,3% em abril frente a março de 2021, contabilizando a terceira queda seguida, com perda de 4,4% no período. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, 2.

Já em relação a abril de 2020, a indústria avançou 34,7%, oitava taxa positiva consecutiva nessa comparação e a mais elevada da série histórica, iniciada em janeiro de 2002.

Foto: Unsplash
Uma das maiores influências negativas do resultado de abril veio de produtos derivados de petróleo e biocombustíveis - Foto: Unsplash

A indústria acumula alta de 10,5% no ano, intensificando a alta frente ao último quadrimestre de 2020 (3,5%). O acumulado em doze meses voltou a ficar positivo (1,1%) após 22 taxas negativas.

Petróleo e combustíveis

Na comparação com o mês anterior, as influências negativas mais importantes vieram de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-9,5%), que voltou a recuar após ter interrompido, em março (1,9%), um ciclo de cinco resultados negativos, e pela de produtos alimentícios (-3,4%), que eliminou o ganho de 3,3% acumulado nos três primeiros meses do ano.

Outras contribuições negativas importantes vieram de impressão e reprodução de gravações (-34,8%), de produtos de metal (-4,0%), de couro, artigos para viagem e calçados (-8,9%), de celulose, papel e produtos de papel (-2,6%), de confecção de artigos do vestuário e acessórios (-5,2%), de produtos têxteis (-5,4%) e de móveis (-6,5%).

Já entre as oito atividades em alta, os destaques foram as indústrias extrativas (1,6%), com dois meses seguidos de expansão acumulando ganho de 7,4%, máquinas e equipamentos (2,6%), que voltou a crescer após recuar 0,8% em março, e veículos automotores, reboques e carrocerias (1,4%), que interrompeu três meses de queda, acumulando redução de 16,6%.

Entre as grandes categorias econômicas, frente a março de 2021, as taxas negativas foram registradas em bens de consumo semi e não-duráveis (-0,9%), pelo terceiro mês seguido e acumulando recuo de 11,7%, e bens intermediários (-0,8%), eliminando o ganho de 0,4% acumulado em fevereiro e março de 2021.

Média móvel retrai 1,5%

Ainda na série com ajuste sazonal, a média móvel trimestral da indústria caiu 1,5% no trimestre encerrado em abril de 2021 frente ao mês anterior, acentuando a queda observada em março último (-1,0%), quando interrompeu a série de altas iniciada em junho de 2020

Abril de 2020

Ante abril de 2020, houve altas nas quatro grandes categorias econômicas, em 23 dos 26 ramos, em 67 dos 79 grupos e 76,0% dos 805 produtos pesquisados.

Entre as atividades, as principais influências no total da indústria vieram de veículos automotores, reboques e carrocerias (996,5%), máquinas e equipamentos (94,3%), metalurgia (54,5%), produtos de minerais não-metálicos (81,3%), bebidas (88,2%) e produtos de borracha e de material plástico (64,0%).

Acumulado

No índice acumulado para janeiro-abril de 2021, frente a igual período do ano anterior, a indústria cresceu 10,5%, com altas em todas as grandes categorias econômicas, 20 dos 26 ramos, 65 dos 79 grupos e 71,6% dos 805 produtos pesquisados.

Imagem do autor

Repórter do Portal Mais Retorno.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Visualizar Comentários

Economia
Economia
Economia
Economia
Veja mais Ver mais