Fundos de Investimentos

A impressão corrente é que fundos multimercado com boa rentabilidade são exclusividade para investidores cacifados, os chamados qualificados, com volume de investimento acima de R$ 1 milhão. Mas quatro fundos dessa modalidade, que são abertos a investidores no varejo, portanto mais populares, ocupam posição de destaque no ranking da Mais Retorno nos primeiros seis meses de 2021. Na lista aparecem também 2 fundos mais apimentados, com criptomoedas.

No topo da lista, os dois multimercado mais rentáveis no primeiro semestre são abertos ao público em geral. O Itaú Ideias Investimento Estratégia Protegida III FIC FI Multi ficou em primeiro lugar, com rentabilidade acumulada de 28,78% no período. E a segunda posição na tabela é ocupada pelo Logos Total Return FIC FIM, com rendimento de 27,79%.

O rendimento acumulado por ambos os fundos supera por ampla margem a valorização de 6,54% do Índice Bovespa (Ibovespa) e o CDI, usado como referência na renda fixa, que acumula variação de 1,28%, no período.

A posição de destaque dos fundos de varejo não se limita à dupla que ocupa o topo do ranking. Outros dois abertos à captação para pequenos e médios investidores também não fizeram feio. O fundo Vinci Total Return FI FIM, na quinta posição, acumula rendimento de 24,92%, e o Solana Absolutto FIC FIM, garantiu a oitava colocação, com 20,02%.

O sucesso desses fundos, de acordo com especialistas, reflete a estratégia acertada de gestores na escolha de ativos que formam a carteira.

Itaú Ideias: campeão com cinco ações

O multimercado campeão, o Itaú Ideias Estratégia Protegida, teve um desempenho 20,87% superior à evolução do Ibovespa no mesmo período. Em relação ao CDI, a diferença é de 27,15%.

Leonardo Vasques, portfólio manager na Itaú Asset, explica que o fundo de capital protegido foi iniciado em maio de 2019, em cenário de queda e permanência de juros baixos, e perspectiva de recuperação econômica, com uma cesta de cinco ações: Cyrela, Multiplan, Rumo Localiza e Kroton. O resultado foi sempre composto pela evolução desses mais papeis mais um multiplicador de resultados.

Os papeis foram escolhidos a dedo, segundo ele, considerando análises de aspectos internacional, local e setorial. E o fundo estruturado com outras aplicações, de modo a garantir ao investidor ter de volta, no mínimo, o valor investido. Veio a pandemia e a carteira sofreu, assim como todo o mercado, mas conseguiu também uma rápida recuperação.

Fonte: Mais Retorno

Esse fundo foi encerrado no início de junho deste ano, portanto fechado para captação, e durante os dois anos o seu rendimento foi de 42,36%, considerado a valorização dos papeis mais o multiplicador, explica Mateus Hachul, especialista de portfólio da Itaú Asset.

Após o encerramento, quando os cotistas tiveram a possibilidade de resgate, os recursos passaram a ser remunerados por ativos vinculados ao DI.

De acordo com a análise de Virgílio Lage, especialista da Valor Investimentos, o fundo da Itaú Asset também aproveitou a elevação da curva de juros, com boa parte da carteira lotada em papeis atrelados à perspectiva de alta dos juros DI.

Fundo multimercado da Logos na segunda colocação

Com uma rentabilidade de 27,79%, ou 19,95% superior ao avanço do Ibovespa, nos primeiros seis meses do ano, o fundo Logos Total Return ocupa a segunda colocação do semestre entre os fundos de multimercado no ranking da Mais Retorno.

O fundo multimercado, aberto ao público em geral, tem uma estratégia que concentra 90% do patrimônio em ações, com os demais 10% em commodities, juros e câmbio. O desempenho no primeiro semestre é recebido com alívio pelos cotistas que, no ano passado, viram o fundo desabar em março de 2020, na esteira da crise gerada pela pandemia do coronavírus.

Foto: Envato
Os multimercado têm liberdade para compor a carteira com ações, juros, câmbio, mercados futuros, índices, etc.

Segundo a gestora, que é paulista, o fundo do poço foi visto antes do carnaval, com a primeira forte alta no dólar e o início dos sucessivos circuit brakers, que atingiriam a B3 até março de 2020.

Com uma estratégia de alocação que prioriza operações alavancadas em ações nacionais, o fundo sofreu com uma posição comprada em real contra o dólar.

"Antes da pandemia, o dólar era R$ 4 e pouco e a acreditava-se na moeda na casa dos R$ 3,50 no final do ano", conta Ricardo da Cruz Gouveia Vieira, sócio da Logos. "A gente desfez essa operação de dólar no carnaval, mas o estrago já estava feito", lembra.

Nos dias seguintes, o fundo perderia quase a metade de seus investidores. "Nós tivemos uma queda forte de rentabilidade, mas já recuperamos bastante e estamos bem acima do Ibovespa. Por ser um fundo alavancado, a volatilidade esperada também é maior", afirma Vieira.

Hoje, o fundo concentra quase 80% da carteira de ações em empresas como Intelbras, Sequoia, Eletrobras e JBS. "São empresas que ou se beneficiam do ciclo das commodities ou operam grandes eventos, como fusões, aquisições ou privatizações", diz.

Ao analisar a carteira do Logos Total Return, Lage da Valor Investimentos ressalta que o fundo foi bem-sucedido com uma estratégia que mesclou na carteira ativos como ações e títulos de renda fixa.

Pela renda variável, papeis de setores relacionados de alguma forma à perspectiva de retomada da economia e, pela renda fixa, títulos indexados ao CDI beneficiados pela curva de elevação dos juros futuros.

As demais carteiras de multimercado

O fundo Vinci Total Return, de acordo com o analista da Valor, rodou com uma carteira com ativos que miraram a perspectiva de recuperação econômica, ligados a serviços de aviação e turismo (Azul e CVC), consumo de varejo, industrial (Romi e Weg), além de parte dos recursos em ações de companhias de tecnologia estrangeiras, como Facebook, Tesla, Apple, dentre outras.

A estratégia do fundo multimercado Solana Absolutto apostou fichas em setores de bens industriais e de consumo cíclico, com boa parte da carteira também ancorada em papeis de petróleo, gás e biocombustíveis.

Foto: Envato
Fundos de criptomoedas são abertos a investidores qualificados Foto: Envato

A lista dos dez fundos mais rentáveis, elaborada na base dados da Mais Retorno, traz também dois fundos apimentados por criptomoedas, mas ainda restritos apenas aos investidores qualificados. A expectativa de especialistas, no entanto, é que esses fundos conquistem aos poucos popularidade e também destaque entre os de melhor desempenho nessa categoria de fundos.

Fundos de criptomoedas

Marcelo Miranda, CEO da Exchange FlowBTC, diz que os fundos de criptomoedas são ainda uma novidade, até certo ponto exótica para investidores conservadores, em relação aos produtos tradicionais. Mas está otimista. “A perspectiva é que ocorra uma institucionalização, como nos EUA e na Europa, e os investidores passem a olhar mais para esse mercado e aquecer a demanda.”

A colocação dos dois fundos no ranking – uma posição intermediária – reflete dois momentos do mercado no semestre, um de pico das criptomoedas, entre fevereiro e abril, e outro de queda, no período mais recente. “No agregado, porém, a performance tem sido muito boa.”

Segundo Miranda, o investimento é de altíssima volatilidade, em que uma variação de 10% ou mais é vista como normal. “É mesmo para quem tem apetite para o risco, mas a perspectiva é positiva, está só no começo.”  Miranda acredita que cada vez mais gestoras, até as mais tradicionais, devem abrir espaço para esse tipo de fundo.

“Os fundos são novos, os produtos são recentes”, reforça Lucas Schoch, CEO da Bitfy. Ainda assim, para ele, o resultado tem sido muito positivo, até com aumento de investidores nessa classe de ativos.

O interesse pela exposição a esse mercado deve crescer pela compra de ativos por meio de um fundo, em que tem um gestor que cuida de tudo. Isso deve fazer com que produtos lastreados em criptomoedas ganhem cada vez mais destaque entre os fundos de melhor desempenho, acredita./Com Renato Jakitas e Regina Pitoscia

Imagem do autor

Colaborador do Portal Mais Retorno.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Visualizar Comentários

Fundos de Investimentos
Fundos de Investimentos
Economia
Fundos de Investimentos
Veja mais Ver mais