Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Mercado ao vivo: acompanhe as movimentações da Bolsa e do dólar nesta quarta-feira, 01 de junho

Bolsa opera em baixa e dólar sobe nas primeiras horas do pregão

Data de publicação:01/06/2022 às 11:28 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A Bolsa de Valores brasileira, a B3, iniciou o mês de junho com o Ibovespa, seu principal índice acionário, operando com volatilidade e oscilando entre altas e baixas pela manhã - às 14h20 , a alta era de 0,38%, aos 111.774 pontos. A principal influência positiva nesta quarta-feira, 01, vem das ações de empresas exportadoras de commodities, com destaque para petróleo e minério de ferro, que vivem dia de valorização.

No mesmo horário, os papéis da Vale, uma das empresas com maior peso na composição do Ibovespa, subiam 2,15%. A alta da cotação das commodities reflete a reabertura econômica de Xangai, na China, local que demanda grandes quantidades desses produtos. Já na ponta negativa aparecem as empresas ligadas ao consumo doméstico, como varejo e shoppings.

Bolsa
Sede da B3, a Bolsa de Valores brasileira | Foto: B3/Divulgação

O dólar, por sua vez, depois de abrir os negócios em baixa, passou a operar em alta e, às 11h24, registrava valorização de 1,09%, cotado a R$ 4,81, com investidores de olho na inflação, alta de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) e Banco Central Europeu (BCE) e os riscos à desaceleração da atividade econômica nos EUA e Europa.

O dia na Bolsa

Maiores altas da Bolsa

EmpresaCódigoVariação
HyperaHYPE3+6,42%
FleuryFLRY3+3,03%
TotvsTOTS3+4,16%
BraskemBRKM5+3,39%
Rede D'OrRDOR3+1,26%
Fonte: B3 | Dados atualizados às 11h20

Maiores baixas da Bolsa

EmpresaCódigoVariação
AzulAZUL4-5,47%
BRFBRFS3-2,56%
IguatemiIGTI11-0,79%
EcorodoviasECOR3-2,99%
EngieEGIE3-3,94%
Fonte: B3 | Dados atualizados às 14:48

Mercados internacionais

O primeiro pregão de junho está sendo marcado pela divulgação de diversos dados econômicos importantes em todo o mundo. Nos Estados Unidos, o Livro Bege, que é um relatório da situação econômica do País, será divulgado pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) às 15h. Enquanto os investidores aguardam o documento, as bolsas operam em alta, recuperando parte das perdas da véspera.

Na Europa, o índice gerente de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial do Reino Unido, da Alemanha e da zona do euro já foram divulgados. No primeiro, o número caiu de 55,8 em abril para 54,6 em maio. No segundo, o índice apresentou uma leve alta, de 54,6 para 54,8 na passagem do mês. Já na zona do euro, o PMI caiu de 55,5 em abril para 54,6 em maio, atingindo o menor patamar em 18 meses.

De acordo com a S&P Global, os resultados baixos e as perspectivas ainda pessimistas para os próximos meses são consequências da forte pressão inflacionária no continente, na esteira da guerra entre Rússia e Ucrânia e, também, refletindo o desaquecimento da economia chinesa depois de um longo período de medidas de isolamento duras contra a covid-19. Com esses dados, as bolsas europeias operam sem direção única.

Já na Ásia, os principais índices acionários fecharam sem direção definida. No radar dos investidores, o temor com medidas de aperto monetário nos Estados Unidos pesaram negativamente, enquanto a reabertura econômica em Xangai, maior potência do continente asiático, foi a principal influência positiva.

Desempenho das bolsas americanas

  • Dow Jones: alta de 0,29%
  • S&P 500: alta de 0,51%
  • Nasdaq 100: alta de 1,33%

Dados atualizados às 10h56

Desempenho das bolsas europeias

  • Stoxx 600 (Europa): baixa de 0,05%
  • FTSE 100 (Inglaterra): baixa de 0,70%
  • DAX (Alemanha): alta de 0,53%
  • CAC 40 (França): alta de 0,43%

Dados atualizados às 10h56

Fechamento das bolsas asiáticas

  • Xangai Composto (China): baixa de 0,13%
  • Shenzhen Composto (China): alta de 0,28%
  • Hang Seng (Hong Kong): baixa de 0,56%
  • Nikkei (Japão): alta de 0,65%
  • Taiex (Taiwan): baixa de 0,79%
Sobre o autor
Bruna Miato
Repórter na Mais Retorno