Logo Mais Retorno
China
post

FMI projeta alta de 3,2% no PIB da China em 2022 e de 4,4% em 2023

O crescimento chinês desacelerou com novos surtos de covid-19 e restrições de mobilidade, e problemas no setor imobiliário

Data de publicação:24/11/2022 às 05:00 -
Atualizado 5 dias atrás
Compartilhe:

O crescimento do PIB da China é projetado em 3,2% para 2022, melhorando para 4,4% em 2023 e 2024, segundo o estudo mais recente do Fundo Monetário Internacional (FMI). O relatório aponta que, após a impressionante recuperação do impacto inicial da pandemia, o crescimento chinês desacelerou e continua sob pressão.

China
Foto: Reprodução

No curto prazo, uma mudanças da estratégia de zero-covid incluindo uma aceleração na vacinação, e outras ações para acabar com a crise do setor imobiliário, apoiariam o crescimento, aponta o Fundo.

"Embora a estratégia zero-covid tenha se tornado mais ágil ao longo do tempo, a combinação de variantes da covid-19 mais contagiosas e lacunas persistentes na vacinação levaram à necessidade de bloqueios mais frequentes, pesando no consumo e no investimento privado, inclusive na habitação", aponta a vice-diretora do FMI Gita Gopinath.

"O aperto regulatório no setor imobiliário, embora bem-intencionado para conter a alta alavancagem, aumentou as graves tensões financeiras para os desenvolvedores, levando a uma rápida desaceleração nas vendas e investimentos imobiliários, juntamente com um declínio acentuado nas receitas de venda de terras do governo local", avalia ainda a diretora.

Em 2023, na sequência dos apoios prestados este ano, a política orçamental deverá proteger a recuperação e facilitar o reequilíbrio na China, avalia o FMI. "Uma postura de política fiscal neutra voltada para o apoio às famílias ajudará no reequilíbrio para o consumo e impulsionará o crescimento de forma mais eficaz. A política monetária deve permanecer acomodatícia e basear-se mais em medidas calcadas na taxa de juros", diz o organismo.

A longo prazo, as crescentes tensões geopolíticas representam riscos de fragmentação por meio de pressões de dissociação financeira e limites ao comércio, investimento estrangeiro direto e troca de conhecimento em torno da tecnologia, avalia o Fundo. / Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

Inscreva-se em nossa newsletter

,