Economia

FMI aponta para risco de reversão nos fluxos de capital para os emergentes

Com a pandemia, endividamento aumentou pelo mundo, tanto entre governos como empresas

Data de publicação:12/10/2021 às 06:15 - Atualizado 15 dias atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou para riscos à estabilidade financeira, durante entrevista coletiva de lançamento hoje de um relatório sobre o assunto. Entre as ameaças citadas estava o "risco de reversão nos fluxos de capital para os emergentes", segundo Tobias Adrian, diretor do Departamento de Mercados de Capital e Monetário do Fundo.

Adrian notou que o endividamento aumentou pelo mundo, com as medidas adotadas para lidar com o choque da pandemia da covid-19. Ele comentou que isso ocorreu tanto no setor corporativo quanto dos governos. "A alta alavancagem é uma vulnerabilidade", citou. Outro aspecto citado foi o nível das valorizações em alguns ativos, que segundo ele está elevado. Tudo isso pode prejudicar os fluxos de capital para os emergentes

Foto: acervo
Instabilidades recentes, como a da Evergrande, agravam a situação

Vice-diretor do mesmo departamento do FMI, Fabio Natalucci comentou o quadro recente com a instabilidade gerada na China pela Evergrande e potenciais problemas do setor imobiliário em geral no país. Segundo ele, as autoridades locais "possuem os instrumentos" para lidar com o caso da empresa, mas "ainda há riscos" nessa frente.

A equipe do FMI também destacou a inflação "elevada" no mundo, no quadro atual. A depender do contexto local, bancos centrais terão de subir juros para conter o quadro, o que já acontece em alguns casos, notou o fundo. Em alguns países, a inflação pode continuar a avançar "por um tempo", afirmou Adrian. Ele disse que nos países emergentes em geral há expectativas de perda de fôlego na inflação adiante, já incorporando o aperto monetário por parte de bancos centrais.

Criptoativos

Outro ponto comentado na coletiva foi sobre criptoativos. Adrian notou a singularidade deles, demandados "apenas pela promessa de que no futuro eles subirão", não por exemplo por um dividendo como uma ação ou os cupons dos bônus. Segundo ele, é difícil definir o valor dos fundamentos desses ativos, nesse quadro.

De qualquer modo, Adrian comentou que a correlação entre os criptoativos e o mercado acionário está aumentando, potencialmente pela presença de mais investidores institucionais nesse segmento. A autoridade do FMI também falou sobre a importância de haver regulação nessa área. Para Adrian, adotar o bitcoin como moeda, como fez El Salvador, "é um passo muito distante", já que a criptomoeda "é altamente volátil" e isso "poderia ter consequências macroeconômicas" e também para a estabilidade financeira./Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
Mais RetornoA Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!