Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Após divulgação da ata do Fed, Bolsa fecha no zero a zero e dólar sobe a R$ 4,82

Durante a maior parte do dia, Bolsa operou em terreno negativo

Data de publicação:25/05/2022 às 17:31 -
Atualizado um mês atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

Depois de passar a maior parte do dia em terreno negativo e subir no final da tarde, a Bolsa de Valores brasileira, a B3, fechou no zero a zero nesta quarta-feira, 25, aos 110.580 pontos. O Ibovespa só conseguiu devolver suas perdas do dia após a divulgação da ata do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que veio em linha com o esperado pelo mercado.

fed federal resreve bolsa
Fachada do Federal Reserve | Foto: Stefan Fussan

A autoridade monetária defendeu que aumentos de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros dos EUA provavelmente serão apropriados nas próximas reuniões do Fomc (Copom americano). Apesar de demonstrar preocupação com a inflação e sinalizar que os juros devem subir mais, especialistas explicam que o mercado já precificou essas medidas e, por isso, não reagiu mal ao conteúdo da ata.

Já o dólar, fechou cotado a R$ 4,82, após registrar uma alta de 0,18% nesta quarta. De acordo com Rodrigo Simões, especialista em Finanças e Economia e professor da FAC-SP, a valorização da moeda americana vem com os investidores buscando proteção para suas carteiras. "Por ser uma moeda de reserva de valor, o dólar é uma das primeiras opções para se proteger contra riscos e incertezas globais", explica.

Destaques do pregão

O bom desempenho das ações de empresas exportadoras de commodities, com destaque para Vale e Petrobras - que possuem as maiores participações no Ibovespa -, ajudaram a segurar o principal índice acionário do País no encerramento do pregão. As ações da mineradora avançaram 0,31%, enquanto a petroleira subiu 1,42%, acompanhando a valorização do minério de ferro e do petróleo, respectivamente, nos mercados internacionais.

Já no campo negativo, destaque para as ações de bancos, que tiveram forte recuo hoje com as perspectivas de altas nos juros americanos. Pela alta liquidez de seus papéis, o setor financeiro é a principal porta de entrada de investidores estrangeiros na Bolsa brasileira.

Assim, se os juros americanos sobem (elevando o rendimento das Treasuries, os títulos públicos dos Estados Unidos), a tendência é que haja uma migração das ações dos bancões para as Treasuries, considerados os títulos mais seguros do mundo, por parte dos estrangeiros. Os papéis do Itaú e do Banco do Brasil estiveram entre os mais negociados do pregão e recuaram 1,80% e 0,61%, nesta ordem.

O dia na Bolsa

Maiores altas do dia na Bolsa

EmpresaCódigoVariação
ViaVIIA3+6,27%
MRVMRVE3+3,83%
SulaméricaSULA11+3,65%
Rede D'OrRDOR3+3,46%
3R PetroleumRRRP3+3,10%
Fonte: B3

Maiores baixas do dia na Bolsa

EmpresaCódigoVariação
Banco InterBIDI11-6,43%
Banco PanBPAN4-5,28%
AmericanasAMER3-4,33%
CVCCVCB3-4,25%
AzulAZUL4-3,00%
Fonte: B3

Mercados internacionais

Além da divulgação da ata do Fed durante esta tarde, o dia também contou com falas de dirigentes dos bancos centrais da Europa sobre o cenário macroeconômico da região. Esses discursos, porém, não tiveram impacto negativo nas bolsas europeias, que fecharam em alta.

Membro do conselho executivo do Banco Central Europeu (BCE), Fabio Panetta disse nesta quarta que o caminho natural da instituição, mais adiante, seria começar a elevar juros e, ao mesmo tempo, manter os estoques de ativos comprados através dos programas conhecidos como APP e PEPP em níveis constantes. Panetta disse também que o plano atual do BCE é encerrar as compras líquidas do APP no terceiro trimestre.

Na Ásia, os mercados fecharam majoritariamente em alta após sinais de que a China dará mais estímulos para impulsionar a economia em meio à sua pior onda de covid-19. Reguladores financeiros no país asiático orientarem bancos domésticos a ampliar o apoio à economia real e atender demandas de crédito, em meio à desaceleração da segunda maior economia do mundo.

Fechamento das bolsas americanas

  • Dow Jones: alta de 0,60%
  • S&P 500: alta de 0,95%
  • Nasdaq 100: alta de 1,48%

Fechamento das bolsas europeias

  • Stoxx 600 (Europa): alta de 0,63%
  • FTSE 100 (Inglaterra): alta de 0,54%
  • DAX (Alemanha): alta de 0,63%
  • CAC 40 (França): alta de 0,73%

Fechamento das bolsas asiáticas

  • Xangai Composto (China): alta de 1,19%
  • Shenzhen Composto (China): alta de 1,17%
  • Nikkei (Japão): baixa de 0,26%
  • Hang Seng (Hong Kong): alta de 0,29%
  • Kospi (Coréia do Sul): alta de 0,44%
  • Taiex (Taiwan): alta de 0,88%

Com Agência Estado

Sobre o autor
Bruna Miato
Repórter na Mais Retorno