Logo Mais Retorno
Mercado Financeiro

Dados de emprego nos EUA chamam a atenção em dia de agenda internacional e doméstica fraca

Números do emprego no mercado americano podem sinalizar o ritmo de atividade econômica

Data de publicação:17/02/2022 às 00:30 -
Atualizado 3 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

A ausência de novidades mais quentes na ata de política monetária divulgada pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) na véspera arrefeceu as expectativas em torno de uma possível elevação mais forte dos juros americanos. Porém, nesta quinta-feira, novas informações sobre o conflito geopolítico entre a Rússia e a Ucrânia podem trazer cautela para o mercado. Nos EUA, os futuros operam em baixa.

O mercado, contudo, permanece de prontidão. Um dos dados que devem atrair a atenção dos investidores hoje é a divulgação, pelo Departamento do Trabalho, dos pedidos de subsídio de desemprego nos Estados Unidos.

mercado fed
Mercado deve digerir melhor os recados do Fed na ata de sua última reunião - Foto: Reprodução

Dados de emprego servem para sinalizar o ritmo de atividade econômica que reflete maior ou menor pressão sobre a inflação. E por isso podem influenciar as decisões do Fed na condução dos juros ou na retirada de estímulos à atividade.

Futuros/bolsas americanas

  • S&P 500: -0,46%
  • Dow Jones: -0,54%
  • Nasdaq 100: -0,67% (dados atualizados às 7h32)

Safra de balanços no Brasil, vaivém das commodities e combustíveis

A agenda econômica mais fraca no exterior deve levar o investidor a redirecionar a atenção ao cenário doméstico, que tampouco tem programado eventos que teriam força para influenciar as decisões nos mercados. Um dos pontos de interesse, para especialistas, é a divulgação dos resultados corporativos da atual safra de balanços.

Nesse ambiente, de acordo com os especialistas, os mercados tendem a reagir mais a fatores pontuais do dia a dia, como a resultados de balanços ou ao vaivém das cotações de commodities no mercado internacional.

O noticiário político ou econômico também ficou esvaziado depois que foi abortada a proposta de redução de impostos para tornar o combustível mais barato. Medida de forte apelo popular, a ideia foi deixada de lado pelos impactos negativos que causaria nas contas públicas.

Nesse cenário de calmaria, o mercado de ações seguiu a toada de alta, ainda que discreta, impulsionado pela compra de ações por investidores estrangeiros. A Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, emplacou nesta quarta-feira a sétima valorização consecutiva e chegou à maior pontuação em cinco meses (115.181 pontos).

A chegada de capital externo para a compra de ações que favorece a bolsa empurra a cotação do dólar para patamares cada vez mais baixos. Cotado por R$ 5,13, com queda de 0,95%, o dólar chegou ao nível mais baixo de preço desde julho de 2021.

Exterior

Conflito geopolítico entre Rússia e Ucrânia: novas informações

Após circularem informações de que a Rússia estaria retirando seu contingente militar da fronteira com a Ucrânia, a mídia russa informou que rebeldes no leste da Ucrânia acusaram as forças do governo de Kiev de usar morteiros para atacar seu território.

Separatistas apoiados pela Rússia no leste da Ucrânia acusaram nesta quinta feira as forças do governo de abrir fogo em seu território quatro vezes nas últimas 24 horas e disseram que estavam tentando determinar se alguém foi ferido ou morto.

A notícia surge após a ex-URSS reunir mais de 100 mil soldados perto das fronteiras da Ucrânia, o que, por si só, já aumentaria o medo de uma invasão, apesar das recentes indicações de recuo dadas por Vladimir Putin.

Por enquanto, o preço do barril do petróleo parece não reagir a essa movimentação, apontando queda de mais de 1%.

Europa: bolsas mistas

  • Stoxx 600 (Europa): -0,14%
  • FTSE 100 (Londres): -0,62%
  • DAX (Frankfurt): +0,08%
  • CAC 40 (Paris): +0,25% (dados atualizados às 7h31)

Bolsas asiáticas fecham majoritariamente em alta

As bolsas asiáticas fecharam grande parte em alta nesta quinta-feira, um dia após a divulgação da ata do Fed, que não trouxe novidades sobre a política monetária. Porém, o apetite ao risco foi reduzido por desdobramentos da crise envolvendo a Rússia e a Ucrânia. / com Júlia Zillig e Agência Estado

Fechamento/bolsas asiáticas

  • Hang Seng (Hong Kong): +0,30% (24.792 pontos)
  • Kospi (Seul): +0,53% (2.744 pontos)
  • Taiex (Taiwan): +0,20% (18.268 pontos)
  • Xangai Composto (China continental): +0,06% (3.468 pontos)
  • Shenzhen Composto (China continental): +0,23% (2.302 pontos)
  • Nikkei (Tóquio): -0,83% (27.232 pontos)
  • S&P/ASX 200 (Sydney): +0,16% (7.296 pontos)
Sobre o autor
Tom Morooka
Colaborador do Portal Mais Retorno.