Logo Mais Retorno

Siga nossas redes

  • Instagram Mais Retorno
  • Youtube Mais Retorno
  • Twitter Mais Retorno
  • Facebook Mais Retorno
  • Tiktok Mais Retorno
  • Linkedin Mais Retorno
endividamento
Empresa

Com Americanas, linha de crédito para varejistas seca entre bancos

Mercado está mais avesso ao crédito e linha de 'risco sacado' desaparece do mercado

Data de publicação:23/02/2023 às 08:00 -
Atualizado 5 meses atrás
Compartilhe:

O rombo de R$ 20 bilhões na Americanas já provocou diversas consequências no mercado de crédito, que ficou mais avesso ao risco. Uma linha específica, porém, sofreu mais que as outras: o risco sacado.

Expressão desconhecida do público geral, essa modalidade de crédito é comum no varejo. No entanto, como foi o pivô da crise que levou a Americanas à recuperação judicial, ela ficou escassa no mercado.

endividamento

Os maiores prejudicados, porém, devem ser os fornecedores que dependiam disso para girar seus negócios.

É comum que o risco sacado funcione como uma antecipação de recebíveis para os fornecedores: uma fábrica vende determinado produto a um varejista que combina um prazo de 60 dias para o pagamento. Esse varejista, por sua vez, tem um convênio com um banco que faz antecipação de recebíveis.

Assim, o fabricante pode receber o dinheiro antes, pagando juros ao banco que faz a operação.

Nesse mecanismo, o varejista apenas confirma à instituição financeira que o fabricante tem, de fato, um pagamento a receber naquela quantia, que será a garantia do banco.

Dívida bancária

No caso da Americanas, o que acontecia era que a companhia usava o risco sacado para postergar os vencimentos que havia combinado com os fornecedores e, assim, a varejista pagava juros aos bancos. Essa operação também é possível, mas, nesse caso, o comum é que ela seja reconhecida como dívida bancária, o que a Americanas não fez.

A consequência tem sido uma espécie de pânico no mercado de crédito. Por causa disso, fornecedores que faziam uso do risco sacado como forma de ter caixa mais rapidamente, viram esse recurso se tornar mais raro.

"Criou um pânico tão grande no mercado que esse crédito está escasso e isso prejudica muito mais os fornecedores pequenos do que as grandes companhias", afirmou o presidente do Assaí, Belmiro Gomes, em entrevista ao Estadão.

A rede apresentou bons resultados no quarto trimestre de 2022 e não sente efeitos negativos do caso Americanas em seu negócio de forma direta.

O executivo explica, porém, que há fornecedores com menor poder econômico que dependem dessas linhas e podem se prejudicar por essa seca. "Desconto de recebíveis é tão antigo quanto o comércio", complementa Gomes.

Fontes do setor de varejo de vestuário também relataram a escassez desse tipo de linha de crédito, o que tem prejudicado produtores têxteis.

"Ficou tão difícil que estamos buscando outras instituições financeiras para tentar conseguir essa antecipação", relatou uma das fontes, que contou que bancos que tradicionalmente forneciam essa operação passaram a se recusar a fazê-la.

Até quem conseguiu manter os convênios de risco sacado funcionando normalmente relata ter tido de explicar novamente aos bancos e investidores que suas operações estavam devidamente registradas.

Assim, ainda há quem consiga realizar a operação, enquanto muitos, que também reportavam os números corretamente, ainda buscam outras alternativas. /Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

® Mais Retorno. Todos os direitos reservados.

O portal maisretorno.com (o "Portal") é de propriedade da MR Educação & Tecnologia Ltda. (CNPJ/MF nº 28.373.825/0001-70) ("Mais Retorno"). As informações disponibilizadas na ferramenta de fundos da Mais Retorno não configuram um relatório de análise ou qualquer tipo de recomendação e foram obtidas a partir de fontes públicas como a CVM. Rentabilidade passada não representa garantia de resultados futuros e apesar do cuidado na coleta e manuseio das informações, elas não foram conferidas individualmente. As informações são enviadas pelos próprios gestores aos órgãos reguladores e podem haver divergências pontuais e atraso em determinadas atualizações. Alguns cálculos e bases de dados podem não ser perfeitamente aplicáveis a cenários reais, seja por simplificações, arredondamentos ou aproximações, seja por não aplicação de todas as variáveis envolvidas no investimento real como todos os custos, timming e disponibilidade do investimento em diferentes janelas temporais. A Mais Retorno, seus sócios, administradores, representantes legais e funcionários não garantem sua exatidão, atualização, precisão, adequação, integridade ou veracidade, tampouco se responsabilizam pela publicação acidental de dados incorretos.
É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos, ilustrações ou qualquer outro conteúdo deste site por qualquer meio sem a prévia autorização de seu autor/criador ou do administrador, conforme LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
® Mais Retorno / Todos os direitos reservados