Logo Mais Retorno
cartão
Finanças Pessoais

Presidente do BC diz acreditar que cartão de crédito vai acabar em breve

Integrador no celular vai controlar vida financeira virtual e física do cidadão

Data de publicação:12/08/2022 às 13:31 -
Atualizado 2 meses atrás
Compartilhe:

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nesta sexta-feira, 12, acreditar que o cartão de crédito deve deixar de existir em breve.

"Em algum momento você vai pegar o seu celular e vai ter um integrador. Ninguém vai ter cinco aplicativos de banco, temos o open finance para isso. O integrador vai montar toda a sua vida financeira virtual e física no mesmo lugar, fazendo Pix no débito e no crédito, com as taxas de cada banco. E outros serviços ligados a isso, com carteiras de dinheiro físico e digital", projetou Campos Neto para o cartão de crétito, em palestra sobre "A regulamentação das criptomoedas no Brasil e no mundo", promovida pelo Escritório Figueiredo & Velloso Advogados Associados.

cartão de crédito
Cartão de crédito deve sair de cena quando todas as funções do PIX estiverem no sistema - Foto: Reprodução

Campos Neto voltou a citar a possibilidade de pagamentos digitais offline, que também mexe com o segmento do cartão de crédito. "Não entendi ainda por que não fizeram. É como se fosse uma carteira de dinheiro digital dentro do celular, com um pouquinho de dinheiro, porque terá mais risco. Algumas empresas já estão desenhando isso", comentou.

Moeda digital

Campos Neto admitiu que a greve dos servidores da instituição - encerrada no dia 5 julho - atrasou o desenvolvimento da moeda digital (CBDC) em estudo pela autoridade monetária.

"Tivemos um pequeno atraso na CBDC por causa da greve, mas quero ver funcionando em 2024. Acho que dá para lançar isso", afirmou.

Ele repetiu que tem feito um amplo debate com outros bancos centrais sobre a criação de moedas digitais, e alertou que, se cada país seguir por um modelo diferente de CBDC, os arranjos de pagamentos internacionais com esses ativos serão pouco eficientes.

"Alguns BCs falam em pagamentos apenas de atacado, com moedas digitais que não atuem no varejo, como Europa, Cingapura e Suíça. Mas se o objetivo da moeda é apenas fazer pagamentos entre grandes empresas, fica um pouco aquém, tem pouco alcance. Eu acho que o importante é que as pessoas participem desse processo de tokenização da economia", afirmou o presidente do Banco Central.

Campos Neto citou que outros BCs estudam criar uma CBDC apenas como meio de pagamento. "Como já temos o Pix, não precisaríamos. No nosso caso, entendemos que a moeda digital emitida pelo BC será um fomento de novos negócios, com contratos inteligentes, internet das coisas", destacou. "Estamos trilhando um caminho diferente do mundo. O modelo de CBDC brasileiro tem vantagens sobre outras experiências internacionais e traz vantagens para os bancos", argumentou.

Regulação

O presidente do Banco Central repetiu também que a instituição é um pouco dissidente dos demais BCs que querem regular os criptoativos com "mão pesada". "Entendo, mas não concordo. Não deveríamos deixar para trás os avanços tecnológicos que veem com esse desenvolvimento. É verdade que houve grande perda de valor em alguns criptoativos. Mas não é verdade que perdas com criptomoedas são maiores que outros ativos de tecnologia", argumentou.

Para o presidente do BC, o caminho da regulação de criptoativos no Brasil é diferente de outros países e mais fixado na transparência. "O que precisamos fazer é ter certeza que os criptoativos têm transparência na forma como são negociados, criados e transacionados. Esse é o caminho que queremos seguir. Se você vai comprar um criptoativo que é uma mistura de outros dois, o algoritmo precisa ser aberto e o lastro transparente", completou.

Campos Neto admitiu ter preocupação com a concentração de custódia e transacional no mercado de criptoativos. "Hoje temos 80% dos criptoativos custodiados em quatro empresas, em alguns casos com servidores centralizados, sem abertura de estrutura de backup. Isso é sujeito a invasões. E temos uma ou duas plataformas com 20% ou 30% do mercado de transações. Esse é um ponto que o regulador precisa se preocupar, mais do que se as pessoas perderam dinheiro", avaliou.

Segregação patrimonial

O presidente do Banco Central disse ainda que há um entendimento para que a segregação patrimonial regresse ao projeto de lei dos criptoativos.

A segregação patrimonial entre os ativos de clientes e de empresas do setor de criptoativos estava no texto aprovado pelo Senado, mas acabou sendo retirada do projeto durante a tramitação na Câmara dos Deputados. "Há um entendimento para retornar ao PL", disse Campos Neto.

Não há data para a votação do texto pelos deputados. /Agência Brasil

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

Inscreva-se em nossa newsletter