Logo Mais Retorno

Siga nossas redes

  • Instagram Mais Retorno
  • Youtube Mais Retorno
  • Twitter Mais Retorno
  • Facebook Mais Retorno
  • Tiktok Mais Retorno
  • Linkedin Mais Retorno
lojas-americanas.jpg
Empresa

Capitalização da Americanas tem impasse sobre valores propostos por acionistas

Empresários ofereceram injeção de R$ 6 bilhões na companhia, já os bancos avaliam ser necessário algo entre R$ 10 e R$ 15 bilhões

Data de publicação:16/01/2023 às 08:00 -
Atualizado um ano atrás
Compartilhe:

As conversas entre representantes da Americanas e dos bancos credores chegaram a um impasse após o trio de investidores Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira, acionistas de referência da empresa, indicarem uma injeção de R$ 6 bilhões na empresa

A medida foi anunciada na sexta-feira, 13, mesmo dia em que o juiz Paulo Assed, da 4ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, atendeu pedido da companhia e concedeu liminar para suspender a cobrança antecipada de débitos.

lojas americanas 2.jpg
Justiça do Rio concedeu liminar suspendendo cobrança antecipada de dívidas da Americanas

A cifra foi considerada insuficiente pelos bancos para sanar os problemas de caixa decorrentes da descoberta de "inconsistências" no valor de R$ 20 bilhões no balanço da varejista. A existência do rombo foi comunicada durante a semana por Sergio Rial, que estava no comando da Americanas havia menos de 15 dias. Os bancos avaliam que o trio precisaria colocar algo entre R$ 10 bilhões e R$ 15 bilhões para viabilizar uma capitalização que a varejista precisa fazer - e de forma urgente.

Criadores da gestora 3G Capital, Lemann, Telles e Sicupira estão por trás de outros grandes lances empresariais, como a Anheuser-Busch InBev, criada em 2004 a partir da fusão da belga Interbrew e da brasileira Ambev. O investimento na Americanas foi o primeiro fora do segmento financeiro feito pelo trio - que ficou na empresa por décadas, até sair do seu controle no fim de 2021.

Rial, que agora está como assessor da 3G, participou das conversas de sexta-feira e ouviu a demanda dos bancos. Eles colocam a capitalização como condição para suspender a cobrança das dívidas e ainda manter os créditos a fornecedores da varejista.

Recuperação judicial

A decisão do juiz da 4.ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, no entanto, impede a cobrança antecipada de débitos. No pedido encaminhado à Justiça, a Americanas afirmou que alguns credores já estavam notificando a empresa sobre o vencimento antecipado das dívidas. A empresa apontou "constrição de recursos" em valor "superior a R$ 1,2 bilhão, promovida pelo Banco BTG Pactual".

Paulo Assed determinou a restituição de valores que credores da Americanas tenham compensado ou retido. Após essa decisão, o Tribunal deu 30 dias corridos para a Americanas entrar com pedido de recuperação judicial.

O TJRJ se disse competente para processar e julgar eventual pedido de recuperação judicial da Americanas porque a sede da empresa fica no Rio de Janeiro. Além disso, ressalta que o mecanismo visa preservar a função social das companhias.

Leia mais:

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

® Mais Retorno. Todos os direitos reservados.

O portal maisretorno.com (o "Portal") é de propriedade da MR Educação & Tecnologia Ltda. (CNPJ/MF nº 28.373.825/0001-70) ("Mais Retorno"). As informações disponibilizadas na ferramenta de fundos da Mais Retorno não configuram um relatório de análise ou qualquer tipo de recomendação e foram obtidas a partir de fontes públicas como a CVM. Rentabilidade passada não representa garantia de resultados futuros e apesar do cuidado na coleta e manuseio das informações, elas não foram conferidas individualmente. As informações são enviadas pelos próprios gestores aos órgãos reguladores e podem haver divergências pontuais e atraso em determinadas atualizações. Alguns cálculos e bases de dados podem não ser perfeitamente aplicáveis a cenários reais, seja por simplificações, arredondamentos ou aproximações, seja por não aplicação de todas as variáveis envolvidas no investimento real como todos os custos, timming e disponibilidade do investimento em diferentes janelas temporais. A Mais Retorno, seus sócios, administradores, representantes legais e funcionários não garantem sua exatidão, atualização, precisão, adequação, integridade ou veracidade, tampouco se responsabilizam pela publicação acidental de dados incorretos.
É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos, ilustrações ou qualquer outro conteúdo deste site por qualquer meio sem a prévia autorização de seu autor/criador ou do administrador, conforme LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
® Mais Retorno / Todos os direitos reservados