Economia

Após a criação de 177.352 vagas em março (dado revisado nesta quarta-feira), o mercado de trabalho formal brasileiro registrou um saldo positivo de 120.935 carteiras assinadas em abril, de acordo com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério da Economia.

desemprego
Mercado brasileiro fechou o mês de abril com saldo positivo de 120.935 carteiras de trabalho assinadas no período - Foto: Arquivo

O resultado veio abaixo da mediana das estimativas de analistas, mas dentro do intervalo. As projeções eram de abertura líquida de 40.000 a 220.000 vagas em abril, com mediana positiva de 161.440 postos de trabalho. O resultado do mês passado decorreu de 1,381 milhão de admissões e 1,260 milhão de demissões.

Em abril do ano passado, em meio ao lockdown nacional devido à primeira onda de covid-19, houve fechamento de 963.703 vagas com carteira assinada - o pior resultado em toda a pandemia.

Acumulado

No acumulado dos quatro primeiros meses de 2021, ao saldo do Caged é positivo em 957.889 vagas. No mesmo período do ano passado, houve destruição líquida de 763.232 postos formais.

Garantia provisória de emprego

De acordo com o ministério, 2,916 milhões de trabalhadores seguiam com garantia provisória de emprego em abril graças às adesões em 2020 ao Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm). Para cada mês de suspensão ou redução de jornada no ano passado, o trabalhador tem o mesmo período de proteção à sua vaga.

O programa foi relançado em abril deste ano pelo governo por mais quatro meses em 2021.

Metodologia

Desde janeiro do ano passado, o uso do Sistema do Caged foi substituído pelo Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial) para as empresas, o que traz diferenças na comparação com resultados dos anos anteriores.

Na metodologia anterior (de 1992 a 2019), o melhor resultado para abril na série sem ajustes havia sido em 2010, quando foram criadas 305.068 mil vagas no terceiro mês do ano.

XP analisa o resultado

De acordo com o relatório da XP de análise dos números do Caged, o agravamento da pandemia a partir de fevereiro, gerando o aperto nas restrições de mobilidade, é a principal razão por trás do arrefecimento dos resultados do cadastro nos últimos dois meses.

No entanto, os analistas esperam que a criação de emprego formal volte a acelerar, devido à reabertura da economia e à retomada do programa Bem, de preservação de emprego e renda.

“Este programa governamental garante estabilidade no emprego pelo dobro do tempo em que o governo federal paga (parte do) salário dos trabalhadores", avalia a XP.

Segundo a XP, o Ministério da Economia estima que a nova rodada do Bem atingirá mais de 4 milhões de trabalhadores em 2021, "contribuindo para um ritmo de geração de vagas mais elevado nos próximos meses”.

Para 2021, a empresa projeta a criação líquida de 1,75 milhão de ocupações com carteira assinada.

Imagem do autor

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Visualizar Comentários

Economia
Economia
Economia
Economia
Veja mais Ver mais