Economia

Biden indica Powell para segundo mandato na presidência do Fed

A decisão, que ainda precisa ser chancelada pelo Senado, foi anunciada nesta segunda-feira, 22 pela Casa Branca

Data de publicação:22/11/2021 às 12:48 - Atualizado 2 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, indicou Jerome Powell para um segundo mandato na presidência do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano). A decisão, que ainda precisa ser chancelada pelo Senado, foi anunciada nesta segunda-feira, 22, por meio de um comunicado da Casa Branca. A disputa estava entre o atual líder da autoridade monetária e a diretora Lael Brainard, que será vice-presidente da instituição.

As especulações sobre o futuro comando do Fed cresceram nos últimos dias após a imprensa americana informar que Biden fez entrevistas separadas na Casa Branca com Powell e com Brainard.

Foto: Reprodução
Jerome Powell é indicado por Biden para estar à frente do Fed em mais um mandato - Foto: Reprodução

Republicano, Powell foi indicado ao cargo em 2018 pelo ex-presidente Donald Trump. O antecessor de Biden chegou a cogitar a demissão do banqueiro, em meio a discordâncias sobre elevações na taxa básica de juros, o que teria tido efeito sobre a independência do Fed.

Depois de sobreviver a Trump, liderar uma mudança na meta de inflação e lançar medidas monetárias sem precedentes para responder à crise da pandemia, Powell encerra seus primeiros quatro anos na chefia do Fed em janeiro de 2022.

Na nota divulgada nesta segunda-feira, a Casa Branca diz que o progresso feito na retomada da economia americana, após os choques causados pela pandemia de covid-19, foi resultado do "sucesso" da agenda do governo e da "ação decisiva" de Powell e do Fed para amortecer o impacto da crise e colocar a economia dos EUA "de volta nos trilhos".

"O presidente Powell proporcionou liderança estável durante um período desafiador sem precedentes, incluindo a maior recessão econômica da história moderna e ataques à independência do Federal Reserve", diz a nota.

De acordo com a Casa Branca, Biden tem "total confiança" na experiência, julgamento e integridade tanto de Powell quanto de Brainard, que substituirá Richard Clarida na vice-presidência da instituição.

Histórico

Durante a pandemia de covid-19, iniciada em 2020, Powell esteve à frente da resposta sem precedentes do Fed à crise. Em março daquele ano, quando a disseminação do coronavírus aumentou no mundo, a autoridade monetária fez dois cortes de juros extraordinários, levando a taxa dos Fed funds para a faixa entre 0% e 0,25%. Entre outras iniciativas, a instituição retomou as compras mensais de ativos, por meio do programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês), e estabeleceu diversas linhas de empréstimos a empresas em parceria com o Tesouro.

O dirigente também coordenou uma mudança na estrutura da política monetária do Fed. Em agosto de 2020, durante o tradicional Simpósio de Jackson Hole, Powell anunciou que a instituição passaria a perseguir uma meta de inflação média de 2%. Na prática, isso significava que o Fed deixaria os preços ultrapassarem a meta de 2% "por algum tempo", para compensar períodos em que haviam estado abaixo desse nível.

Powell assumiu uma vaga no Conselho de Governadores do Fed em 2012. Ele foi reconduzido ao cargo dois anos depois, para um mandato que terminaria em 31 de janeiro de 2028.

Antes de atuar no Fed, Powell foi professor visitante no Bipartisan Policy Center, com foco em questões fiscais. Ele também atuou como secretário adjunto e subsecretário do Departamento do Tesouro americano durante o governo de George H.W. Bush.

O dirigente era responsável, entre outros assuntos, por políticas voltadas para as instituições financeiras e o mercado de dívida do Tesouro.

Formado em direito pela Universidade de Georgetown em 1979, Powell trabalhou como advogado e banqueiro de investimentos na cidade de Nova York. Ele também concluiu um bacharelado em Política pela Universidade de Princeton em 1975.

Brainard na vice-presidência

A economista foi nomeada diretora do Fed em junho de 2014 pelo ex-presidente dos EUA Barack Obama. A dirigente fez carreira em governos democratas e é mais alinhada à agenda econômica do atual presidente, Joe Biden.

Antes de entrar no Fed, ela atuou como assessora econômica ajunta do ex-presidente Bill Clinton. De 1990 a 1996, foi professora associada de economia aplicada na Sloan School of Management do Massachusetts Institute of Technology (MIT). Brainard obteve em 1989 um PhD em economia pela Universidade de Harvard.

Nos últimos meses, Brainard emergiu como principal representante das ambições da ala progressista do Partido Democrata, que vê nela posições mais severas que as de Powell em relação a temas como regulação financeira e clima.

Em março deste ano, por exemplo, a economista alertou para o risco de que as mudanças climáticas levem a "perdas significativas" nos mercados financeiros, caso não haja uma preparação adequada.

"Gerenciamento de risco robusto, análise de cenário, divulgações consistentes e comparáveis, e planos futuros podem ajudar a garantir que o sistema financeiro seja resiliente aos riscos relacionados ao clima", afirmou na ocasião, durante um evento virtual. / com Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!
SG&A

SG&A

O que é SG&A? SG&A é uma abreviação para Selling General & Administrative Expense. Em tradução livre para o Português, o termo significa despesas administrativas de...

  CONTINUAR LENDO