Logo Mais Retorno
juros
Outros

Banco Central ainda não pensa em corte nos juros, afirma diretora

Diretora lembrou que o mercado estima o início dos cortes da Selic em junho de 2023

Data de publicação:30/09/2022 às 17:14 -
Atualizado 2 meses atrás
Compartilhe:

A diretora de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos do Banco Central, Fernanda Guardado, enfatizou nesta sexta-feira, 30, que o BC ainda não está pensando em cortar a Selic, após estacionar a taxa básica de juros em 13,75% na semana passada. "Nosso pensamento não está em cortes de Selic, ainda estamos avaliando riscos e como a desinflação vai acontecer", afirmou, em palestra no HSBCs virtual Global Emerging Markets Fórum.

Repetindo o que disse o presidente do BC, Roberto Campos Neto, na quinta-feira, a diretora lembrou que o mercado estima o início dos cortes da Selic em junho de 2023, possibilitando a convergência da inflação para a meta em 2024. "É difícil imaginar corte de juros antes de junho, já que isso aumentaria a nossa projeção de IPCA. Além disso, há incertezas no cenário, como hiato do produto. Precisamos de tempo para avaliar as incertezas no cenário", respondeu Fernanda.

Juros
Mercado estima corte de juros a partir de junho de 2023 | Foto: Reprodução

Ela lembrou que o BC brasileiro fez um ciclo de aperto monetário maior que o dos Estados Unidos, o que, segundo Fernanda, "dá certo alívio". "Não estamos olhando corte agora, mas observando se desinflação ocorre como esperado. Estamos olhando com bastante atenção mercado de trabalho, apesar de ser indicador defasado, e não queremos ver uma alta de salários muito elevada. Também estamos observando mercado de crédito, que pode dar sinais mais rápidos que emprego", repetiu.

Questionada sobre a decisão divida do Comitê de Política Monetária (Copom) na semana passada, a diretora respondeu que o entendimento da maioria do colegiado era de que a Selic já estava apertada e que já era hora de esperar os seus efeitos. O Copom manteve a Selic, embora dois diretores, incluindo Fernanda, tenham votado por um aumento residual de 0,25 ponto porcentual.

Gasolina

A diretora de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos do Banco Central repetiu também que tem havido uma queda forte nos preços de combustíveis no Brasil, mas questionou se essa queda será repassada para os demais preços da economia na velocidade que a alta foi transmitida nos últimos anos.

"Temos que ver se efeito desinflacionário de queda de gasolina será o mesmo do impacto inflacionário nos últimos anos. E há dúvida se essa percepção de inflação menor virá com uma alta de salários incompatível com meta de inflação", afirmou Fernanda.

Desaceleração do PIB e juros altos

A diretora destacou que a recuperação do setor de serviços e da taxa de investimentos têm sido as principais surpresas no desempenho positivo do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Por outro lado, lembrou que há desaceleração da atividade econômica contratada para o próximo ano como resultado do ciclo de alta de juros.

Na palestra no HSBCs virtual Global Emerging Markets Forum, ela repetiu que a deflação nos últimos meses está relacionada com as medidas tributárias do governo que reduziram os preços de combustíveis e das contas de luz. Mais uma vez, ela avaliou que o BC espera que o efeito do aperto monetário comece a aparecer de maneira mais evidente no segundo semestre de 2022.

Mercado de trabalho

A diretora admitiu que o BC ainda tem bastante incertezas em seu cenário, sobretudo relacionadas ao mercado de trabalho. "O setor de serviços é muito intenso em mão de obra e os efeitos da reforma trabalhista que tivemos há pouco tempo aparecerão agora. É algo que devemos observar bem de perto", afirmou. Apesar do aquecimento do mercado de trabalho, Fernanda destacou que ainda não há pressões significativas de salários, que continuam abaixo dos níveis observados no pré-pandemia.

Arcabouço fiscal

A diretora evitou comentar sobre as possíveis mudanças de arcabouço fiscal que devem ocorrer após as eleições deste ano. A incerteza fiscal é um dos principais riscos para a inflação citados pelo Copom. "Temos que esperar para ver. Vamos esperar para ver as mudanças no fiscal, para ver como elas impactam nosso trabalho e reagir a isso", firmou.

Ela admitiu que é difícil estimar o PIB potencial do Brasil e apontou que não enxerga grandes mudanças nessa estimativa mesmo após as reformas aprovadas nos últimos anos. "Essas reformas podem ter melhorado PIB potencial, mas as medidas de produtividade estão baixas. O crescimento de investimentos pode estar ajudando o PIB potencial, mas é difícil de quantificar", acrescentou./ Agência Estado.

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

Inscreva-se em nossa newsletter

,