Economia

O vice-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia (DEM) anunciou nesta sexta-feira, 9, que a partir de segunda-feira, dia 12, todas as regiões do Estado avançam para a fase vermelha do Plano São Paulo, e por isso, terão regras mais flexíveis de quarentena do que em relação à Fase Emergencial, atualmente em vigor. A nova etapa do plano vai até o dia 19.

De acordo com Garcia, a decisão foi tomada com base nos "avanços importantes na contenção da pandemia" que o Estado têm apresentado, destacando a vacinação, a abertura de leitos e as medidas de distanciamento e isolamento social adotadas pelo governo estadual.

São Paulo retorna para a Fase Vermelha a partir do dia 12 - Foto: Agência Brasil/Rovena Rosa

O governo vai manter o toque de recolher entre 20h e 5h. Os bares e restaurantes também poderão voltar a realizar o "take away", ou seja, permitir que os clientes retirem produtos no local.

Na prática, a mudança libera escolas públicas e particulares para abrir na segunda-feira. Números que mostram a desaceleração da ocupação de leitos de UTI, abaixo de 89%, justificariam a tese de integrantes do governo.

Segundo fontes, há ainda a intenção do governo de dar mais esperança e perspectiva para os setores fechados, como o comércio. Já os cientistas acreditam que os números são ainda altos demais para uma evolução e que ela passaria uma mensagem à população de que já se pode relaxar.

"A medida tomada nesta manhã, em diálogo com o Centro de Contingência, mostra claramente que a fase emergencial começa a dar resultados", justificou o vice-governador Rodrigo Garcia.

De acordo com Paulo Menezes, coordenador do Centro, a projeção do governo estadual é a de que algumas regiões possam regredir para a fase laranja, que prevê a abertura seletiva do comércio, a partir do final do mês, na transição entre abril e maio.

"Não estamos entendendo isso como um relaxamento, mas como um avanço em relação às medidas emergenciais da fase emergencial. Elas são tomadas com base nos dados, na ciência, mas principalmente nas projeções", afirmou Garcia.

Os índices utilizados por ele para fundamentar a regressão à fase vermelha são o aumento da vacinação no Estado, que teve o envase da Coronavac temporariamente paralisado este mês; a ampliação de leitos de UTI, que mesmo após a abertura de 6,5 mil novas vagas nos últimos 90 dias se manteve com taxa de ocupação acima dos 90% no início desta semana, chegando hoje a 88,3%; e o aumento do isolamento social, que ainda na quarta-feira, 7, estava em apenas 44% - bem abaixo do ideal de 60% almejado pelo governo.

Escolas

Com a Fase Vermelha, as escolas públicas e particulares podem voltar a receber 35% dos alunos por dia. Apesar de já poderem abrir na Fase Emergencial, porque um decreto estadual definiu Educação como setor essencial, muitos prefeitos barraram as escolas nesta etapa mais crítica da pandemia.

Na capital, o prefeito Bruno Covas (PSDB) já autorizou a volta na segunda-feira se o Estado sair da Fase Emergencial.

A Fase Emergencial começou no Estado de São Paulo no dia 15 de março, dias depois de ser decretada a fase vermelha porque houve piora nos números de casos, óbitos e risco de colapso no sistema de saúde por lotação de enfermarias e UTIs. / com Agência Estado

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja mais Ver mais