Logo Mais Retorno
balanços das empresas
Economia

Vendas do varejo caem 0,1% em agosto ante julho, mas mostra estabilidade em momento de baixa, afirma IBGE

Inflação dos alimentos, crédito caro e inadimplência afetam o setor

Data de publicação:07/10/2022 às 15:33 -
Atualizado um ano atrás
Compartilhe:

As vendas do comércio varejista caíram 0,1% em agosto ante julho, na série com ajuste sazonal, informou nesta sexta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado mostrou recuo menor que a mediana (-0,3%) das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, cujo intervalo ia de uma queda de 1,6% a alta de 1,4% para o varejo.

Na comparação com agosto de 2021, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 1,6% em agosto de 2022. Nesse confronto, as projeções iam de uma queda de 2,0% a alta de 2,9%, com mediana positiva de 0,4%.

varejo
São três meses de queda no varejo, aponta IBGE I Foto: Reprodução

As vendas do varejo restrito acumularam crescimento de 0,5% no ano, que tem como base de comparação o mesmo período do ano anterior. Em 12 meses, houve queda de 1,4%.

Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas caíram 0,6% em agosto ante julho, na série com ajuste sazonal. O resultado veio pior que a mediana (-0,2%) das estimativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que esperavam de uma queda de 1,5% a um avanço de 2,2%.

Na comparação com agosto de 2021, sem ajuste, as vendas do varejo ampliado tiveram queda de 0,7% em agosto de 2022. Nesse confronto, as projeções variavam de uma redução de 2,8% a expansão de 1,3%, com mediana negativa de 0,8%.

As vendas do comércio varejista ampliado acumularam queda de 0,8% no ano e redução de 2,0% em 12 meses.

Média móvel

O índice de média móvel trimestral das vendas do comércio varejista restrito teve queda de 0,8% em agosto, de acordo como o IBGE. No varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos e material de construção, o índice de média móvel trimestral das vendas registrou redução de 1,1% em agosto.

Revisões

O IBGE revisou o resultado das vendas no varejo em julho ante junho, de um recuo de 0,8% para uma queda de 0,5%. No varejo ampliado, a taxa de julho ante junho passou de redução de 0,7% para queda de 0,8%.

Estabilidade do setor

Afetado pela inflação de alimentos, alta inadimplência e crédito caro, o varejo manteve em agosto a trajetória negativa nas vendas, se estabilizando em patamar baixo, apontou Cristiano Santos, gerente da Pesquisa Mensal de Comércio, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). "Temos três meses em que não há crescimento no comércio varejista brasileiro como um todo", disse Santos. "É estabilidade em um momento de baixa."

O volume vendido pelo comércio varejista caiu 0,1% em agosto ante julho, com recuos em três das oito atividades: Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-1,4%), Outros artigos de uso pessoal e doméstico (-1,2%) e Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (-0,3%). Houve avanços em Tecidos, vestuário e calçados (13,0%), Combustíveis e lubrificantes (3,6%), Livros, jornais, revistas e papelaria (2,1%), Móveis e eletrodomésticos (1,0%) e Hiper, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (0,2%).

No comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de veículos e material de construção, as vendas caíram 0,6% em agosto ante julho. O segmento de Veículos, motos, partes e peças registrou alta de 4,8%, enquanto Material de construção caiu 0,8%.

A queda no preço dos combustíveis em julho e agosto aumentou o volume vendido pelo setor no varejo. A receita nominal da atividade de combustíveis e lubrificantes tinha recuado 4,2% em julho ante junho, seguida de nova queda de 4,5% em agosto. Quando descontada a queda nos preços dos combustíveis, via deflator da pesquisa, esse desempenho se transformou em uma alta de 12,6% em julho no volume vendido e avanço de 3,6% em agosto.

O corte no preço dos combustíveis também impulsionou o resultado do varejo como um todo via deflator, já que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), também apurado pelo IBGE. registrou dois meses de recuos. A receita nominal do varejo restrito caiu 1,6% em julho, seguido de queda de 0,3% em agosto, resultado que se transformou, em volume, em -0,5% em julho e -0,1% em agosto.

Se por um lado a inflação deu trégua nos combustíveis, o aumento de preços dos alimentos ainda pressiona os supermercados, apontou Cristiano Santos.

"Ela (inflação) ainda contribui ainda no sentido de reduzir o poder de compra, o orçamento disponível das pessoas para o consumo", complementou.

A inadimplência também continua em crescimento, e os juros em alta detêm a expansão do crédito, formando um conjunto de fatores que mantém o varejo "andando de lado" em agosto, explicou Santos.

"São fatores que se mostram nesse momento que alguns fundamentos da economia estão influenciando para uma redução desse consumo em volume", justificou.

Pelo lado positivo, ele menciona que houve elevação na massa de rendimento do trabalho em circulação na economia. O aumento no valor pago pelo governo no Auxílio Brasil também pode ter ajudado em agosto o desempenho dos supermercados, confirmou Santos.

"Isso pode ter ajudado, sim. Não temos um acompanhamento claro do que foi injetado na economia e a distribuição do que foi injetado desse recurso extra", contou Santos. "Esses são alguns dos vetores que fazem esse contrabalanço nessa trajetória de pouco dinamismo da economia frente ao comércio varejista", disse. /Agência Estado

Sobre o autor
Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

® Mais Retorno. Todos os direitos reservados.

O portal maisretorno.com (o "Portal") é de propriedade da MR Educação & Tecnologia Ltda. (CNPJ/MF nº 28.373.825/0001-70) ("Mais Retorno"). As informações disponibilizadas na ferramenta de fundos da Mais Retorno não configuram um relatório de análise ou qualquer tipo de recomendação e foram obtidas a partir de fontes públicas como a CVM. Rentabilidade passada não representa garantia de resultados futuros e apesar do cuidado na coleta e manuseio das informações, elas não foram conferidas individualmente. As informações são enviadas pelos próprios gestores aos órgãos reguladores e podem haver divergências pontuais e atraso em determinadas atualizações. Alguns cálculos e bases de dados podem não ser perfeitamente aplicáveis a cenários reais, seja por simplificações, arredondamentos ou aproximações, seja por não aplicação de todas as variáveis envolvidas no investimento real como todos os custos, timming e disponibilidade do investimento em diferentes janelas temporais. A Mais Retorno, seus sócios, administradores, representantes legais e funcionários não garantem sua exatidão, atualização, precisão, adequação, integridade ou veracidade, tampouco se responsabilizam pela publicação acidental de dados incorretos.
É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos, ilustrações ou qualquer outro conteúdo deste site por qualquer meio sem a prévia autorização de seu autor/criador ou do administrador, conforme LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
® Mais Retorno / Todos os direitos reservados