Logo Mais Retorno
termos

Inadimplência

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:29/07/2019 às 19:20 -
Atualizado 5 anos atrás
Compartilhe:

O que é inadimplência?

Qualquer economia é formada pela interação entre os seus agentes.  Estes firmam acordos, ou contratos, entre si quando realizam os seus negócios.  A inadimplência, que muitos associam exclusivamente a um não pagamento, nada mais é do que o descumprimento de uma obrigação contratual.

Quando ela ocorre, traz prejuízos para as outras partes envolvidas, que buscarão um ressarcimento dos danos.  Avaliada de forma mais ampla, a inadimplência prejudica a sociedade de um modo geral, dado o custo que sua imprevisibilidade impõe a todos.

Qualquer um está sujeito a um evento dessa natureza, seja ele o governo, uma empresa ou até mesmo uma pessoa física.  No caso de governo e empresas, o não pagamento ocorre em função das condições do mercado monetário, de crédito e de capitais enquanto no caso de pessoas, é a falta de oportunidades de trabalho.

Alguns dados da Serasa confirmam esse fato:

  • 50,9% são homens;
  • 39,1% ganham entre 1 e 2 salários mínimos;
  • 19,4% estão na faixa entre 41 e 50 anos.

Percebe-se então que são chefes de famílias que perderam a principal fonte de renda, o emprego formal.

 

Quais as principais consequências da inadimplência?

Na ocorrência de um evento de não pagamento, a credibilidade em relação a aquele tomador é abalada, sendo isso registrado de alguma forma.  Governos e empresas sofrem o temido downgrade, ou rebaixamento da sua qualidade de crédito, enquanto as pessoas físicas são inseridas nos cadastros de inadimplentes, ficando com o “nome sujo”.

Para esse segundo grupo, emprestar novamente fica praticamente impossível, restando apenas as opções pouco recomendadas de pedir para parentes e amigos ou, na pior das alternativas, cair nas mãos de agiotas.

A realidade para o outro grupo é um pouco diferente.  As operações de crédito bancário e os títulos de renda fixa emitidos por governos e empresas continuam presentes, mas passam a embutir um juro substancialmente mais alto pois:

  • Poucos se propõem a tomar esse risco;
  • Os emissores dificilmente apresentam garantias de qualidade.

Isso explica porque é tão importante o investidor avaliar previamente o ativo em que pretende colocar o seu dinheiro.  Uma vez ocorrida a inadimplência, o papel que está na carteira perde o seu valor, não só porque ele é descontado à uma nova taxa, mas também porque passará a ter menos liquidez.

Por que governos e empresas entram em default?

Default é a terminologia adotada pelo mercado financeiro para indicar o que chamamos de “calote”.  Ao contrário de pobres mortais como nós, governos e empresas se financiam com frequência e não só quando precisam de dinheiro.

Dependendo da fase do ciclo econômico, as taxas de juros podem estar abaixo da taxa dos outros compromissos assumidos por esses agentes.  Nessas circunstâncias, fica mais fácil não só trocar a dívida mais “cara” por outra mais “barata” como as condições bastante líquidas na economia permitem um endividamento maior.

Na maioria dos casos, o inadimplemento ocorre por uma mudança repentina no cenário: o processo inverso é muito mais brusco e rápido.

Os agentes perdem a liquidez, porque outros participantes do mercado enfrentam as mesmas dificuldades econômicas, e as instituições financeiras, além dos investidores de um modo geral, ficam mais exigentes para emprestar.

O que fazer em uma situação de inadimplência?

Apesar das diferenças apontadas acima, a receita para sair da inadimplência é a mesma para todos.  Aumentar as receitas ao mesmo tempo em que se corta as despesas.  Essa é a coisa mais difícil de se fazer.

Governos são depostos e famílias são desfeitas em função dos sacrifícios que são exigidos.  Não porque alguém fica responsável por colocar as contas em ordem, mas porque quem faz esse controle é um agente externo.

Países que se submetem a programas de ajuda do Fundo Monetário Nacional (FMI) e empresas que acessam os mercados bancários e de capitais sofrem transtornos da mesma forma que as pessoas comuns.

Não gastar além do que se ganha, guardar sempre e investir para o crescimento são itens que fazem parte da cartilha de educação financeira de qualquer um, seja uma nação, uma empresa ou até mesmo você.

 
Sobre o autor
Autor da Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!

® Mais Retorno. Todos os direitos reservados.

O portal maisretorno.com (o "Portal") é de propriedade da MR Educação & Tecnologia Ltda. (CNPJ/MF nº 28.373.825/0001-70) ("Mais Retorno"). As informações disponibilizadas na ferramenta de fundos da Mais Retorno não configuram um relatório de análise ou qualquer tipo de recomendação e foram obtidas a partir de fontes públicas como a CVM. Rentabilidade passada não representa garantia de resultados futuros e apesar do cuidado na coleta e manuseio das informações, elas não foram conferidas individualmente. As informações são enviadas pelos próprios gestores aos órgãos reguladores e podem haver divergências pontuais e atraso em determinadas atualizações. Alguns cálculos e bases de dados podem não ser perfeitamente aplicáveis a cenários reais, seja por simplificações, arredondamentos ou aproximações, seja por não aplicação de todas as variáveis envolvidas no investimento real como todos os custos, timming e disponibilidade do investimento em diferentes janelas temporais. A Mais Retorno, seus sócios, administradores, representantes legais e funcionários não garantem sua exatidão, atualização, precisão, adequação, integridade ou veracidade, tampouco se responsabilizam pela publicação acidental de dados incorretos.
É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos, ilustrações ou qualquer outro conteúdo deste site por qualquer meio sem a prévia autorização de seu autor/criador ou do administrador, conforme LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
® Mais Retorno / Todos os direitos reservados