Logo Mais Retorno
Fundos de Investimentos

Três fundos de ações parecidos, mas com estratégias distintas, lideram o setor no ano

Fundos investem em empresas do setor financeiro, óleo e gás e concessionárias de serviços públicos

Data de publicação:19/09/2022 às 05:00 -
Atualizado 5 dias atrás
Compartilhe:

Eles são parecidos e, ao mesmo tempo, totalmente diferentes. Três fundos de ações lideram o ranking da Mais Retorno para a categoria em 2022. Entregam rentabilidade acima de 20%, contra um Ibovespa que, no mesmo período, subiu 4,25%.

Eles se destacam por algumas coincidências. Todos têm hoje um portfólio recheado por empresas do setor financeiro, turbinada por uma porção generosa de companhias de óleo e gás, como Petrobras, e uma pitada ou outra de concessionária de serviços públicos, como Cemig ou Eletrobras.

Centro de Distribuição da Petrobras no SIA, Terminal Terrestre de Brasília, onde se armazena e distribui produtos da companhia para os postos de combustíveis do Distrito Federal.

No entanto, Clic FIA, XP Dividendos e Forpus Ações - o nome dos três líderes -, mantém estratégias que não poderiam ser mais distintas.

Enquanto o Clic, que rende 26,81% no ano, tem mandato que o obriga a investir ao menos 51% do seu patrimônio em ações da Cemig, a companhia energética de Minas Gerais, o fundo da XP (alta de 22,42% no ano), como o próprio nome diz, tem em seu portfólio somente empresas que são boas pagadoras de dividendos.

Já o produto da Forpus, que acumula alta de 21,71%, compra ações por setores, de olho nos cenários macroeconômicos, e neste ano está fazendo muito dinheiro com sua aposta nas empresas de petróleo, agitadas com a guerra na Ucrânia, setor financeiro, sempre uma oportunidade em meio e a ciclos de alta de juros, e as commodities agrícolas, onde ocorre recuperação de preço devido às expectativas de seca nos EUA e China.

"O fato de serem tão diferentes nas estratégias é o que é mais legal nesse ranking. Cada uma tem um foco distinto e, cada uma a seu modo, chegou nos mesmos ativos”, diz Clara Sodré, analista de alocações e fundos da XP.

Fundos de ações: Clic FIA

Fundos de ações: Gráfico de rentabilidade no ano de 2022 do fundo Clic Fia - FONTE: Mais Retorno
Fundos de ações: Gráfico de rentabilidade no ano de 2022 do fundo Clic Fia - FONTE: Mais Retorno

O Clic FIA tem a carteira alocada em papeis de empresas líderes na B3 que reúnem múltiplos atrativos: perspectiva de valorização, forte distribuição de dividendos e fluxo de caixa com fonte de receita ancorada, em maior ou menor escala, em utilities, empresas concessionárias de serviço público com tarifas controladas pelo governo.

Uma das companhias em que o gestor aposta nesse segmento e se destaca na carteira do fundo é a Cemig, tanto com ações ordinárias quanto preferenciais, analisa Rogério Vianna, especialista em investimentos na SVN. A companhia de energia elétrica vem resistindo a várias tentativas de privatização, uma proposta que voltaria à mesa agora, segundo o governador Romeu Zema, que concorre à reeleição.

"O resultado positivo do Clic, a meu ver, tem um componente de sorte", diz um gestor do mercado, que pede para não ser identificado. "Cemig cresce principalmente porque o PIB tem surpreendido. Qual gestor diria, no começo do ano, que o PIB teria a alta que estamos vendo", afirma.

No ano, a principal ação da Cemig, CMIG4, registra valorização de 20,17%. Nos últimos 30 dias, no entanto, o papel vem caindo 7,85%. Para alguns analistas, a aproximação das eleições pode impactar negativamente no desempenho do papel.

Na semana passada, um relatório assinado pela Guide Investimento destacou riscos para os papeis das empresas estatais, com destaque para as concessionárias de energia elétrica Eletrobras (ELET6/ELET3) e Cemig.

"A performance das ações das empresas estatais tem sido superior no período eleitoral deste ano em comparação com as duas últimas eleições presidenciais. Mas a realidade pode sinalizar pouco espaço para novos ganhos caso o resultado do pleito seja considerado positivo pelo mercado. Por outro lado, há o risco dos papéis das companhias sofrerem fortes quedas caso os candidatos eleitos surpreendam o mercado de forma negativa", disse o relatório.

Fundos de ações: XP Dividendos

Fundos de ações: Gráfico de rentabilidade no ano de 2022 do fundo XP Diviientos - FONTE: Mais Retorno
Fundos de ações: Gráfico de rentabilidade no ano de 2022 do fundo XP Dividentos - FONTE: Mais Retorno

Já no fundo da XP, o foco do produto são boas pagadoras de dividendos. No entanto, Clara Sodré, da XP, diz que a equipe acrescenta um filtro a mais nesse processo: "os gestores buscam empresas resilientes, defensivas e pouco expostas a fatores macroeconômicos", diz ela.

A novidade neste ano e que, segundo a analista de fundos foi determinante para esse resultado apimentado, foi a alocação no setor de óleo e gás, que conta hoje com participação de 3,28% do total do fundo, a terceira maior alocação, abaixo de bancos e empresas financeiras (7,56%), e serviços essenciais (3,31%).

Marcos Peixoto, gestor do núcleo de ações da XP Asset, aponta que essa é a primeira vez que a ação PETR4, da Petrobras, entra no portfólio do fundo. Para ele, as perspectivas para o papel são positivas, sobretudo quando se olha para a relação de preço, risco e retorno.

Neste ano, pela primeira vez, o Índice Global de Dividendos da gestora Janus Henderson apontou as ações da Petrobrás como a “maior pagadora de dividendos do mundo”. A petrolífera foi a única empresa brasileira a figurar na lista das 10 maiores pagadoras de dividendos após distribuir aos seus acionistas US$ 9,7 bilhões no segundo trimestre de 2022.

Fundos de ações: Forpus

Fundos de ações: Gráfico de rentabilidade no ano de 2022 do fundo Forpus FIC - FONTE: Mais Retorno
Fundos de ações: Gráfico de rentabilidade no ano de 2022 do fundo Forpus FIC - FONTE: Mais Retorno

Já a Forpus — uma gestora paulista ‘top down’ que compra setores da Bolsa com muita proteção —, seu fundo de ações tem o portfólio concentrado em papeis de empresas de utilities, com boa fatia dos recursos alocada ainda em ações do setor financeiro, beneficiado pelo ciclo de alta dos juros.

A Forpus analisa o cenário político e macroeconômico e seleciona uma cesta de ações que expressam essa visão macro. A empresa opera com um sistema de alocação de 130/30. Ou seja, a gestora opera com 130% da carteira em posições compradas e 30% em posições vendidas, gerando com isso uma exposição líquida de 100%.

A estratégia de gestão reserva bom espaço da carteira para investimentos em ações de companhias brasileiras, em amplo segmento de setores e empresas, de commodities, como Petrobras e Vale, e energia.

Futuro

O crescimento desses fundos pode animar os investidores, mas segundo especialistas não é suficiente para remover o sentimento de incertezas sobre o desempenho da atividade em 2023, quando a economia tenderia a sentir o efeito contracionista da política monetária dura do Banco Central este ano.

Joga a favor de expectativas otimistas, para alguns analistas, o cenário de juros e inflação em queda, previstos para o próximo ano. Uma perspectiva que embala, para uma corrente de especialistas, apostas positivas para a renda variável no próximo ano. / COM TOM MOOROKA

Sobre o autor
Renato Jakitas
Editor-chefe do Portal Mais Retorno.