termos

Zero Lower Bound

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:05/07/2021 às 02:00 - Atualizado 5 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O que é Zero Lower Bound?

O Zero Lower Bound - ou "limite inferior a zero", quando traduzido para o português - representa uma estratégia aplicada pelo Banco Central à política monetária de seu país, com objetivo de estimular o crescimento ou a desaceleração econômica.

O Zero Lower Bound está diretamente relacionada a taxa de juros no curto prazo. Como a tradução sugere, essa estratégia consiste na redução das taxas para um limite inferior a zero.

É certo que, quanto mais baixo for um percentual inflacionário, mais propício será o aumento nos níveis de consumo, uma vez que os bancos poderão ofertar empréstimos sem que a população precise pagar por altas taxas de juros nesse processo.

Do contrário, quando há consumo excessivo e determinada moeda se torna hipervalorizada, o Zero Lower Bound pode ser aplicado como forma de contenção a essa flutuação cambial. Afinal, uma moeda muito cara pode ser prejudicial as atividades de exportação e importação de um país, afetando todo o comércio internacional de bens e serviços.

Portanto, o Zero Lower Bound é uma estratégia que busca equilíbrio econômico, seja pelo mercado financeiro estar muito parado, ou excessivamente acelerado.

Históricos de Zero Lower Bound

O primeiro país a aderir tal estratégia foi o Japão, através do Bank of Japan (BOJ), na década de 90. Na época, e economia global estava enfraquecida, portanto o Zero Lower Bound foi aplicado com objetivo de estimular os níveis de consumo.

Posteriormente, estimulado pela Crise de 2008, o Banco Central da Suécia (Sveriges Riksbank) adotou a mesma medida, reduzindo as taxas de juros para -0,25%. Na mesma época, o Banco Central Europeu (BCE) também adotara o Zero Lower Bound.

Não há como negar que, para aquele momento, foi uma medida eficaz - mesmo trazendo outros riscos e consequências a política monetária no longo prazo. Sendo assim, outros bancos passaram a utilizam o Zero Lower Bound além de qualquer crise financeira.

O Banco Central da Suíça (Swiss National Bank - SNB), por exemplo, foi um dos primeiros a utilizar o limite inferior a zero como medida de contenção contra a hipervalorização da moeda local, mantendo as taxas de juros em -0,75% durante certo período.

Como o Zero Lower Bound funciona?

Para que dê certo, o Zero Lower Bound precisa estar permeado por outras estratégias a fim de que não tenha um efeito negativo a longo prazo. Entre tais estratégias estão a forward guidance (orientação futura) e as balance sheet policies (políticas de balanço).

forward guidance consiste no posicionamento que o Banco Central oferece ao público quando reduz as taxas de juros num limite inferior a zero. Esse posicionamento é feito através de um comunicado ou de uma nota oficial, justificando a aplicação do Zero Lower Bound e gerando expectativas para o futuro.

Essas expectativas ajudam a manter o fluxo econômico, uma vez que diversos tipos de investimentos, por exemplo, são feitos a partir de especulações sobre situações futuras. De certa forma, o mercado se prepara para funcionar de acordo com o posicionamento do Banco Central.

As balance sheet policies, por sua vez, são opções secundárias utilizadas para que os bancos mantenham seus balanços considerando composições variadas. Nessa estratégia, utiliza-se o que chamamos de expansão quantitativa (Quantitative Easing - QE).

De acordo com a QE, incrementos na base monetária que estão sob controle do Banco Central, devem estimular a uma demanda agregada, como o resgate de dívidas de longo prazo, por exemplo. Essa ação seria eficaz para a expansão econômica.

Por essa razão, é comum que bancos em situação de Zero Lower Bound se restrinjam a comprar apenas títulos do governo, objetivando a expansão deliberada de sua base monetária.

Sobre o autor
Equipe Mais RetornoA Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!
Mais sobre

Inscreva-se em nossa newsletter