Última modificação em 22 de abril de 2021

O que é o rebalanceamento de carteira?

Rebalanceamento de carteira é o nome dado à realocação de ativos de dentro de uma carteira de investimentos com o objetivo de manter a proporção estratégica definida pelo investidor. É uma ação importante para se manter o equilíbrio da carteira, colhendo os frutos planejados.

Para entender melhor o rebalanceamento, vamos nos afastar um pouco do mercado financeiro e usar outro cenário apenas para ilustrar. Assim você pode entender a lógica por trás do rebalanceamento.

Como o rebalanceamento funciona?

Vamos supor que você acaba de comprar uma pequena fazenda, onde, ao todo, existem 3 tipos diferentes de árvores frutíferas nas suas terras: uma macieira, um abacateiro e uma goiabeira. Estratégico como só você sabe ser, você já identificou aí uma baita oportunidade de negócio. Você vai vender esses frutos!

No entanto, o valor de cada um deles no mercado é diferente, assim como a tributação e a sazonalidade. A sua decisão, então, é investir 50% dos seus recursos na produção de abacate (que tem um retorno melhor) e 25% nas maçãs e nas goiabas. Assim, nos períodos de "vacas magras" do abacate, você ainda lucrará com as outras frutas.

Imagine que tudo começa como o planejado... 50% do seu capital, incluindo os funcionários, está concentrado no abacate, que rende o esperado. Contudo, de repente as macieiras começam a dar o dobro de frutos que o de costume e os funcionários designados para as macieiras já não estão dando conta... Você não tem interesse em aumentar o investimento em maçãs, já que a alta oferta acaba de derrubar o preço de venda delas. O que você faz? Diminui a porção de terra dedicada às macieiras, de modo que a produção volte ao nível previamente definido e os funcionários voltem a dar conta da colheita, sem desperdício de recursos.

O que você acaba de fazer é uma forma de rebalanceamento - uma "recalibragem" para manter o equilíbrio dentro das suas terras e do seu negócio.

É óbvio que esse é apenas um exemplo simples, bobo até, mas que te ajuda e muito a entender a lógica por trás do rebalanceamento de carteira. Ao invés de árvores frutíferas e frutas, temos ativos e rentabilidades. Você pode não designar 50% dos investimentos para abacates, mas para renda fixa ou variável. Como eles rendem de forma diferente, é comum que, às vezes, a rentabilidade de um desequilibre as proporções dentro da sua carteira. Para voltar ao patamar predefinido será preciso vender ou comprar novos ativos.

Quais são as formas de rebalanceamento de carteira?

Existem diversos métodos para se realizar o rebalanceamento de carteira. Os principais são: o rebalanceamento por faixas de tolerância e o rebalanceamento de calendário.

O rebalanceamento por faixas de tolerância é muito parecido com o exemplo que demos na seção acima. O investidor define uma proporção (por exemplo, 25% da carteira em títulos públicos) e faixas de tolerância (por exemplo, de 2 pontos percentuais). Sempre que a proporção é maior ou menor do que a faixa (com 2 pontos percentuais de margem, isso significa "sempre que a proporção é maior que 27% da carteira ou menor que 23%) ele realiza o rebalanceamento.

O rebalanceamento de calendário, por sua vez, é um pouco mais regular. Não existem faixas, mas datas. O investidor pode definir que a cada 2 meses ou mesmo a cada ano irá se debruçar sobre os seus investimentos e realizar a recalibragem necessária.

É óbvio que cada método conta as suas vantagens e desvantagens. E é justamente para te ajudar a entender todas elas que temos artigos completões no nosso Glossário Financeiro sobre rebalanceamento de calendário (clique aqui e leia!) e rebalanceamento por faixas de tolerância (disponível aqui). Didáticos e diretos como você gosta!

Termo do dia

NCG – Necessidade de Capital de Giro

O que é NCG – Necessidade de Capital de Giro? A NCG – Necessidade de Capital de Giro – corresponde ao volume de recursos que determinada empresa precisa…