Logo Mais Retorno

Siga nossas redes

  • Instagram Mais Retorno
  • Youtube Mais Retorno
  • Twitter Mais Retorno
  • Facebook Mais Retorno
  • Tiktok Mais Retorno
  • Linkedin Mais Retorno
termos

ORTN

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:20/11/2020 às 15:31 -
Atualizado 4 anos atrás
Compartilhe:

O que é ORTN?

A Obrigação Reajustável do Tesouro Nacional, mais conhecida pela sigla ORTN, era um título público federal emitido entre os anos de 1964 e 1986.

O título garantia ao detentor uma correção monetária, evitando que a inflação corroesse o valor das aplicações futuras. De fato, o recrudescimento inflacionário da época poderia fazer com que tais aplicações perdessem seu valor de mercado

Na época, para cobrir o deficit financeiro, o Banco Central era obrigado emitir moedas não lastreadas em detrimento da emissão de títulos federais. Essa decisão gerou altas inflacionárias, o que impactou negativamente o país nos anos 80.

O principal objetivo da ORTN, portanto, era atrair os investidores estrangeiros, que se mostravam pouco interessados em investir em títulos da dívida pública brasileira. 

Qual era o valor ORTN?

A Obrigação Reajustável do Tesouro Nacional foi criada pela Lei nº 4357 de 16 de julho de 1964. O valor pago pelo título era corrigido acima da inflação

A ORTN deixou de ser emitida no final dos anos 80. Isso ocorreu porque em 1986 os preços foram congelados pelo plano Real quando o título passou a se chamar Obrigação do Tesouro Nacional, OTN, e teve o seu valor fixado em Cz$ 10,64.

A política de congelamento praticada nesse período acarretou sérios problemas para a economia nacional e para o consumidores. Produtos de primeira necessidade, praticamente, sumiram dos supermercados e passaram a ser vendidos no “mercado negro” por preços muito mais altos do que os previstos na tabela de congelamento.

Esse cenário fez com que a OTN passasse a ser resgatada com deságio sobre o valor da face, afastando novamente os investidores, que deixaram de apostar em títulos da dívida nacional. 

Qual era o objetivo da ORTN?

Como antecipamos acima, a Obrigação Reajustável do Tesouro Nacional tinha o objetivo de corrigir o valor resgatado de acordo com a inflação, de modo a tornar os títulos da dívida pública atraentes para os investidores.  

Isso permitiu que o governo pudesse diminuir a base monetária nacional e emitir um título público para pagar suas despesas. 

Os últimos lotes das ORTN e das OTN venceram no início da década de 90 e prescreveram em 1999. No entanto, embora prescritos, esses títulos ainda eram utilizados na quitação de dívidas junto à União. 

Com a edição da Lei n. 11.079 que trata das licitações, em dezembro de 2004, os certificados de crédito em ORTNs ao portador passaram a ser recebidos como garantia dos contratos firmados com a administração pública.

Já segundo o texto do da Lei 8.666/93 Lei de Licitações, o contratado poderia aceitar como garantia, entre outras “I - caução em dinheiro ou em títulos da dívida pública, devendo estes ter sido emitidos sob a forma escritural, mediante registro em sistema centralizado de liquidação e de custódia autorizado pelo Banco Central do Brasil e avaliados pelos seus valores econômicos, conforme definido pelo Ministério da Fazenda”.

Assim, as ORTN e as OTN saíram das gavetas e passaram a ser usadas como garantia de contratos ou licitações com órgãos públicos, estados e municípios.

Sobre o autor
Autor da Mais Retorno
A Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!
Mais sobre

® Mais Retorno. Todos os direitos reservados.

O portal maisretorno.com (o "Portal") é de propriedade da MR Educação & Tecnologia Ltda. (CNPJ/MF nº 28.373.825/0001-70) ("Mais Retorno"). As informações disponibilizadas na ferramenta de fundos da Mais Retorno não configuram um relatório de análise ou qualquer tipo de recomendação e foram obtidas a partir de fontes públicas como a CVM. Rentabilidade passada não representa garantia de resultados futuros e apesar do cuidado na coleta e manuseio das informações, elas não foram conferidas individualmente. As informações são enviadas pelos próprios gestores aos órgãos reguladores e podem haver divergências pontuais e atraso em determinadas atualizações. Alguns cálculos e bases de dados podem não ser perfeitamente aplicáveis a cenários reais, seja por simplificações, arredondamentos ou aproximações, seja por não aplicação de todas as variáveis envolvidas no investimento real como todos os custos, timming e disponibilidade do investimento em diferentes janelas temporais. A Mais Retorno, seus sócios, administradores, representantes legais e funcionários não garantem sua exatidão, atualização, precisão, adequação, integridade ou veracidade, tampouco se responsabilizam pela publicação acidental de dados incorretos.
É proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotos, ilustrações ou qualquer outro conteúdo deste site por qualquer meio sem a prévia autorização de seu autor/criador ou do administrador, conforme LEI Nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998.
® Mais Retorno / Todos os direitos reservados