Última modificação em 14 de junho de 2021

O que é moeda digital?

Uma moeda digital é um tipo de câmbio que não é utilizado no plano físico. Isto é, essa moeda existe apenas no ambiente digital, algo que proporciona características exclusivas em relação a outros câmbios tradicionais — como real, dólar ou euro, por exemplo.

Esse é um assunto que vem ganhando importância ao longo dos últimos anos como uma alternativa ao mercado financeiro tradicional. É bem provável que o tema siga em evidência nas próximas décadas. Há quem defenda, inclusive, que o dinheiro físico (em papel) deixe de existir em algum momento.

A moeda digital também é muito conhecida como criptomoeda em função das sua tecnologia defensiva e que permite o sistema de Blockchain, o modelo de transação em blocos que permite a segurança por meio de criptografia.

Como funciona a moeda digital?

A primeira característica da moeda digital você já sabe: ela é negociada no ambiente online e, ao menos por enquanto, não é tangível. Ou seja, ela não existe no meio físico.

No entanto, essa é apenas a primeira característica desse novo tipo de câmbio. Outro fator extremamente relevante é a sua descentralização. Isso significa que a transação é realizada apenas entre duas partes, removendo o intermediário do mercado financeiro tradicional — representado principalmente pelo banco e pelo governo.

Em outras palavras, a moeda digital também tem por intuito romper algumas burocracias. Isso inclui, por exemplo, as taxas cobradas nessas operações financeiras.

Quais são os tipos de moedas digitais?

Assim como o dinheiro físico, não existe apenas um tipo de moeda digital. Na atualidade, existem dezenas de projetos da categoria. Alguns são muito bem sucedidos e já pertencem ao mercado financeiro, com alta liquidez, enquanto outros não passam de uma ideia mal executada.

Isso é importante para que o investidor não aloque seu capital em qualquer tipo de criptomoeda acreditando que está fazendo um bom negócio. Assim como investir em ações, escolher moedas digitais exige conhecimento do mercado.

A mais conhecida delas é o Bitcoin, algo que certamente você já sabe dada a notoriedade de valor que essa moeda atingiu ao longo dos últimos anos. Um crescimento exponencial que nenhuma outra classe de ativo conseguiu acompanhar.

No entanto, o Bitcoin é apenas um dos projetos bem sucedidos entre as moedas digitais. O Ethereum é outro exemplo, com especialistas defendendo uma tecnologia de segurança ainda melhor. Ripple e Litecoin são exemplos adicionais de criptomoedas bem populares.

Além delas, existem inúmeros projetos ainda pequenos e em processo de desenvolvimento. Neste caso, elas são agrupadas em uma classificação de se chama de Altcoin (moeda alternativa).

Moeda digital é segura?

Por mais que o tema ainda seja uma novidade e desperte muita incerteza por parte dos investidores, a verdade é que o ponto forte das moedas digitais é justamente a sua segurança.

Os principais projetos investem fortemente na segurança das suas moedas. A criptomoeda possui mecanismos de proteção que são definidos até como melhores do que muitos dos maiores bancos.

No entanto, a segurança aqui se refere à perda da moeda — e não necessariamente ao seu valor de mercado. A volatilidade de precificação das criptomoedas, afinal, é extremamente elevada.

Vale a pena comprar moedas digitais?

A pergunta mais repetida entre investidores ao longo dos últimos anos é: vale a pena investir em uma moeda digital? A resposta ainda é feita com uma série de questionamentos.

Para começar a conversa, como vimos, está a volatilidade. O mercado é extremamente instável e a precificação acompanha as próprias dúvidas do mercado. Há quem defenda que o Bitcoin já pode ser considerado como uma reserva de valor, enquanto críticos alegam que não passa de uma bolha.

A verdade é que, ainda que você seja um amante das moedas digitais, deve ter cautela com o segmento. E, se entender que se trata de uma boa oportunidade, investir uma pequena parcela do seu patrimônio.

Termo do dia

Endomarketing

Você com certeza conhece o marketing, mas e o endomarketing? Descubra o que é e como ele se relaciona com o mercado financeiro!