termos

IPA (Índice de Preços no Atacado)

Autor:Equipe Mais Retorno
Data de publicação:12/03/2021 às 12:28 - Atualizado 9 meses atrás
Compartilhe:
  • Facebook
  • Linkedin
  • Twitter Mais Retorno
  • Telegram Mais Retorno
  • WhatsApp Mais Retorno
  • Email Mais Retorno

O que é IPA?

IPA é uma abreviação para Índice de Preços no Atacado. Esse é o antigo nome do Índice de Preços ao Produtos Amplo, nomenclatura válida desde o ano de 2010. A abreviação e a sua função, contudo, permanecem inalteradas.

Esse indicador, assim como o índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), é utilizado como referência para o aumento de preços. Isto é, uma medida sobre inflação.

A diferença entre eles, claro, está no foco da medição. O IPCA envolve o consumidor final e como os preços variam em função de um período de tempo específico. O IPA tem essa mesmo objetivo, mas orientado para o mercado de atacado.

E o que seria o atacado? Diferentemente do varejo, o mercado de atacado é aquele que ocorre entre empresas, sem envolver o consumidor final. Essa é, portanto, a grande diferença entre os dois indicadores de inflação acima mencionados.

Suponha uma empresa de alimentação. Se ela vende seus produtos apenas para outras organizações (como supermercados), elas pertencem ao grupo de atacado. Já esses supermercados, como atuam junto ao consumidor final, pertencem também ao mercado de varejo.

Como funciona o IPA?

Desta forma, podemos concluir que o IPA é uma ferramenta que temos no Brasil para avaliar o aumento de preços praticados nas negociações entre as empresas. Ele é utilizado desde 1947, ano da sua criação oficial.

O IPA é calculado pela Fundação Getúlio Vargas. A instituição é extremamente renomada no contexto do mercado financeiro do Brasil e oferece uma metodologia diversificada em três variações do índice. São elas:

  • IPA-DI: o DI é uma abreviação para "Disponibilidade Interna". O prazo utilizado para o cálculo é mensal, entre o primeiro e o último dia de cada mês. O período de 01 de janeiro a 31 de janeiro é um exemplo de uso no IPA-DI.
  • IPA-M: a segunda variação do índice é o IPA-M que remete a uma variação do prazo utilizado como base de cálculo. Ao invés do mês cheio, esse indicador analisa a variação de preços atacadistas entre o dia 21 de um mês e o dia 20 do mês seguinte — como, por exemplo, 21 de janeiro até 20 de fevereiro.
  • IPA-10: por fim, essa versão do índice oferece um prazo complementar para análise entre o décimo primeiro dia de um mês e o décimo dia do mês seguinte. Exemplo: 11 de janeiro até 10 de fevereiro.

Vale observar ainda que o acompanhamento do IPA é feito mensalmente. Assim, cria-se uma base de dados para monitoramento em relação ao seu desempenho — ou seja, o controle sobre o aumento dos preços praticados no mercado atacadista.

Qual é a importância do IPA?

Conforme mencionamos ao longo do texto, o IPA é um indicador de inflação orientado para o mercado atacadista. Sendo assim, ele possui uma ampla relevância no contexto da economia brasileira, permitindo o entendimento sobre o comportamento do nosso cenário.

Isso porque, como sabemos, o mercado atacadista antecede o mercado varejista. Assim, se há um aumento significativo dos preços praticados entre as empresas, isso irá se refletir também no mercado varejista. Isto é, quem "paga a conta" é o consumidor final, que terá produtos e serviços mais caros.

Além disso, a meta de inflação é um dos indicadores mais importantes do governo e do Banco Central do Brasil. Deste modo, é fundamental que exista o acompanhamento das variações do indicador, ajustando o consumo com as ferramentas existentes — como alteração nas taxas de juros, por exemplo.

Por fim, vale mencionar ainda que o IPA tem uma participação relevante de 60% no IGP (Índice Geral de Preços), outro índice muito relevante sobre variação de preços. Há, portanto, uma relação direta entre eles.

Sobre o autor
Equipe Mais RetornoA Mais Retorno é um portal completo sobre o mercado financeiro, com notícias diárias sobre tudo o que acontece na economia, nos investimentos e no mundo. Além de produzir colunas semanais, termos sobre o mercado e disponibilizar uma ferramenta exclusiva sobre os fundos de investimentos, com mais de 35 mil opções é possível realizar analises detalhadas através de índices, indicadores, rentabilidade histórica, composição do fundo, quantidade de cotistas e muito mais!
Mais sobre

Inscreva-se em nossa newsletter